Alarme do Secretário Geral da ONU. A Amazônia deve ser protegida

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Agosto 2019

"Estou profundamente preocupado com os incêndios na floresta amazônica". Na sexta-feira foi a vez do secretário-geral da ONU, António Guterres, a relançar o alarme para os incêndios que estão destruindo o pulmão do mundo ao ritmo de três campos de futebol por minuto. Em sua conta no Twitter, Guterres enfatizou que "não podemos arcar com mais danos a uma fonte importante de oxigênio e biodiversidade", deixando entender que a floresta amazônica é um ecossistema vital para todo o planeta. Em conclusão, o apelo: "A Amazônia deve ser protegida".

A informação é publicada por L'Osservatore Romano, 23/24 de agosto de 2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Também no sábado, em Nova York, durante um encontro com jornalistas, Stéphane Dujarric, porta-voz do secretário-geral da ONU, disse que as Nações Unidas estão prestando muita atenção ao "dano imediato que estão causando as queimadas" e em geral visam à defesa das florestas - não só da Amazônia, mas também do Congo e da Indonésia - como "fundamentais em nossa luta contra as mudanças climáticas", concluindo que "o bem-estar de todas essas enormes florestas é fundamental para a humanidade".

De acordo com agências de notícias locais, as chamas teriam se originado no estado de Rondônia e estão queimando há pelo menos duas semanas. O estado mais afetado no momento continua sendo o de Mato Grosso, com mais de 13 mil incêndios. Das fotos de satélite, os incêndios também afetam outros países da América Latina, particularmente a Bolívia e o Peru. Os dados do "Programa Queimadas” do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) - órgão brasileiro responsável pelo monitoramento dos níveis de desmatamento - evidenciam que desde 21 de agosto, no Brasil, 75.336 focos de incêndio, com um aumento de mais de 80 por cento em relação ao mesmo período de 2018. O Instituto registrou cerca de 2.500 novos incêndios nas últimas 48 horas em todo o Brasil, um país em que se estende 65% da floresta tropical.

Os sinais de perigo e apreensão na floresta amazônica destacados pelas Nações Unidas se seguem à trica de farpas, ocorridas com tweets, entre o presidente francês Emmanuel Macron e o brasileiro Jair Bolsonaro.

"Nossa casa queima. Literalmente. A Amazônia, o pulmão de nosso planeta que produz 20% de nosso oxigênio, está queimando", assim Macron havia twittado na sexta-feira, pedindo aos membros do G7 que incluíssem o que ele considera uma "crise internacional" na agenda do trabalho da cúpula.

"Lamento que o presidente Macron esteja tentando manipular uma questão interna do Brasil e de outros países amazônicos para obter ganhos políticos pessoais. O tom sensacionalista com o qual ele se refere à Amazônia não contribui de forma alguma para a solução do problema", retrucou Bolsonaro. O presidente brasileiro então, acusado pelo francês de usar fotos relativas a queimadas do passado, falou de "mentalidade colonialista" da parte da França que quer discutir as questões da Amazônia no G7 sem a presença dos países da região.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Alarme do Secretário Geral da ONU. A Amazônia deve ser protegida - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV