Amazônia. “A caça às terras aterroriza um milhão de indígenas”, denuncia arcebispo de Porto Velho

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Párocos, franciscanos, ex-núncios: os treze novos cardeais de Francisco ampliam as fronteiras do Colégio cardinalício

    LER MAIS
  • Milícias do Rio mantêm parceria com polícia, facções e igrejas pentecostais, aponta estudo

    LER MAIS
  • Três dos novos cardeais escolhidos pelo Papa Francisco são destacados pelo movimento LGBTQ católico

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Agosto 2019

Após o apelo do Conselho Episcopal da América Latina, agora é a vez das conferências nacionais da América Latina fazerem ouvir seu grito de alarme por causa das queimadas.

A informação é de Lucia Capuzzi, publicada por Avvenire, 24 de agosto de 2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

"Muitas vezes, quando visito as comunidades, os irmãos indígenas me dizem: ‘Padre, eu me pergunto se iremos nos ver de novo, não sabemos se chegaremos até amanhã’. As recentes políticas assustam os índios. As queimadas são o clímax de uma série de práticas criminosas". Dom Roque Paloschi, arcebispo de Porto Velho, Rondônia, está na frente de combate aos incêndios que assolam a Amazônia há duas semanas. “E o seu povo. A floresta não é um espaço vazio. É a casa de quase um milhão de indígenas brasileiros", ressalta o presidente do Conselho Missionário Indígena (Cimi) da Conferência Episcopal Brasileira.

"As queimadas, infelizmente, não são uma prática nova. São a base da grilagem, a apropriação de terras. Os grileiros, a serviço de grandes proprietários, usam o fogo para expulsar os moradores. Depois que a terra foi ‘liberada’, fazem documentos falsos para que os latifundiários possam ocupá-la. Desta vez, no entanto, o problema se tornou uma emergência por dois motivos". Primeiro, segundo o bispo de Porto Velho, o governo cortou os recursos para os órgãos encarregados de proteger a Amazônia.

"Depois existe um fato ainda mais graves: os grileiros se sentem apoiados pelas declarações irresponsáveis ​​do governo, ressalta o arcebispo de Porto Velho. Isso fez com que as invasões aumentassem exponencialmente: aqui em Rondônia, a terra indígena dos Karipuna, já legalmente devolvida aos índios, sofreu 9 invasões desde janeiro. Diante do drama, a Igreja, como disseram os bispos brasileiros, tem o dever de levantar a voz em defesa da Amazônia, coração da nossa casa comum".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Amazônia. “A caça às terras aterroriza um milhão de indígenas”, denuncia arcebispo de Porto Velho - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV