Reforma ou desmantelamento? Por que precisamos manter as instituições que nos mantêm. Artigo de Massimo Faggioli

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Bolsonaro institui o Dia do Rodeio na Festa de São Francisco de Assis

    LER MAIS
  • “O transumanismo acredita que o ser humano está em um suporte equivocado”, afirma filósofo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Julho 2019

Ninguém pode duvidar seriamente de que as instituições da Igreja precisam de reformas estruturais, mas algumas pessoas ficaram impacientes com a reforma; o que eles querem é eliminar completamente as instituições. Se isso acontecesse, a natureza do catolicismo mudaria. O colapso da autoridade do episcopado católico é evidente. Mas a Igreja Católica poderia sobreviver sem bispos? O “ministério de supervisão” (episkopé) é, apesar de seus fracassos óbvios e necessidade de mudanças estruturais, comum a várias comunidades cristãs e desempenha um papel importante no diálogo ecumênico.

O artigo é do historiador italiano Massimo Faggioli, professor da Villanova University, nos EUA, publicado por Commonweal, 18-07-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Um dos efeitos da crise dos abusos sexuais é o momento atual da iconoclastia institucional - a tentação de se livrar do elemento institucional da Igreja Católica. As falhas das instituições da igreja estão agora em plena exibição, mais do que após as revelações da investigação do Spotlight. É hipócrita, no entanto, interpretar a crise dos abusos como uma crise de abuso clerical em vez de uma crise católica de abuso. Obviamente, o clero teve um papel único na crise, mas as responsabilidades morais e legais não pertencem exclusivamente àqueles que usam clergyman. Ainda estamos relutantes em reconhecer a natureza sistêmica dessa crise como algo que afetou todo o mundo católico e não apenas seus ministros ordenados. Nós gostaríamos de mantê-la puramente dentro da hierarquia, a fim de nos isentarmos do peso da autorreflexão crítica.

O catolicismo norte-americano ainda não conseguiu sair do jogo da culpa pela crise dos abusos. Vemos isso de ambos os lados do espectro ideológico. Tentativas recentes de usar a crise como pretexto para abolir o sacerdócio são apenas uma versão liberal das tentativas conservadoras de culpar os gays ou os anos 60 pelos abusos sexuais. Todas essas estratégias poupam os leigos católicos do incômodo de se perguntarem “O que eu fiz de errado?”. O abuso em si danificou as vidas das vítimas e suas famílias, amigos e comunidades. Agora, as deficiências de nossa resposta à crise dos abusos - nossa incapacidade de lidar com suas causas - estão causando outro tipo de dano. Quando acadêmicos proeminentes do catolicismo exibem publicamente seu “desgosto” pelo catolicismo, é claro que a crise dos abusos obscureceu a linha entre uma teologia católica eclesialmente engajada e os estudos religiosos mais desapaixonados e agnósticos do catolicismo. A crise dos abusos produziu dois tipos de contra-evangelização: primeiro, a contra-evangelização da igreja hierárquica, cujo exemplo escandaliza os fiéis e repele os estrangeiros; em segundo lugar, a contra-evangelização daqueles que usaram essa crise para declarar, em justiça própria, sua libertação do que descrevem como uma instituição moralmente corrupta. Existe uma qualidade pré-fabricada para pelo menos algumas dessas declarações. Eles parecem menos como cálculos honestos com novas informações do que expressões astutamente cronometradas de antigos ressentimentos. Sempre haverá uma audiência apreciativa para as peças “Por que eu saí”.

A narrativa sobre a crise dos abusos que tende ao dualismo - um bom leigo abusado ou enganado por um clero ruim - desafia os principais elementos do catolicismo, e não apenas o sacerdócio ordenado, embora esse seja seu alvo mais visível. Acontecimentos recentes em duas escolas secundárias católicas em Indianápolis levaram alguns católicos a perguntar se é hora de silenciar o ensino sobre os ministérios dos bispos. E poder-se-ia acrescentar mais alvos dessa onda de iconoclastia institucional: o Vaticano, a conferência episcopal, ordens religiosas, teologia acadêmica. Alguns parecem pensar que a única maneira de salvar a fé católica é derrubar todas as instituições da Igreja Católica e começar do zero.

Muitos parecem estar esquecendo o antigo princípio abusus non tollit usum - o uso indevido de algo não é argumento contra seu uso apropriado. Eles estão esquecendo isso não apenas em relação à igreja institucional, mas também em relação a outras instituições - o judiciário, agências reguladoras, organizações internacionais. Se apenas instituições imaculadas merecerem o nosso apoio, então acabaremos por não apoiar nenhuma instituição, secular ou religiosa.

Não se trata apenas do celibato ou do sacerdócio, que não necessariamente caminham juntos, como nos lembra o exemplo das Igrejas Orientais Católicas. E a questão não é se queremos ou precisamos mudar estruturas: elas mudaram no passado e talvez precisem mudar novamente - para algumas delas, a mudança está muito atrasada. O ministério papal, por exemplo, é um dos que provou ser mais mutável e adaptável às circunstâncias históricas. Não parece o mesmo em todas as épocas.

Não, a verdadeira questão é se ainda acreditamos que a Igreja precisa de instituições. Porque existe uma diferença entre estruturas e instituições. Estruturas são reguladas juridicamente; as regras que governam sua existência, manutenção, reforma ou destruição são diferentes das regras das instituições. O papado confia em estruturas para agir, mas o próprio papado é uma instituição. Assim são o sacerdócio, a família, o casamento e as escolas. Todas essas instituições passam por contínuas transformações para atender a novas necessidades. Eles são resilientes ao grau de adaptação.

As instituições permeiam todas as dimensões da vida social e são o contexto que torna inteligível a maioria de nossas normas. Alguns deles envolvem estruturas jurídicas com poder formal e legal. Mas outros não. Algumas instituições são apenas padrões diários de comportamento e ação, cooperação e comunicação; quase não temos consciência deles na maior parte do tempo. Eles estruturam nossa experiência de maneiras que costumamos dar como certo. Na verdade, muitas vezes nos tornamos conscientes das instituições das quais dependemos apenas quando, de repente, parecem estar em desacordo com o culto do individualismo de nossa sociedade. As instituições podem sobreviver com seu caráter intacto mesmo quando alguns de seus membros não seguem o padrão comum. Eles podem tolerar exceções às suas próprias regras - eles são mais fortes por serem flexíveis, não rígidos -, mas não podem funcionar sem regras de algum tipo, oficiais ou não oficiais.

Mantemos instituições porque as instituições nos mantêm. Por outro lado, as instituições precisam de mudanças. Às vezes elas estão desatualizadas e a falta de manutenção pode criar - na verdade criou no passado - sofrimento humano. E sim, algumas instituições, como a escravidão, precisam ser abolidas. Vale a pena notar, no entanto, que mesmo as instituições abolidas muitas vezes persistem ou retornam de alguma outra forma. A escravidão, por exemplo, é uma coisa do passado no mundo desenvolvido, mas o tráfico humano não é.

Os ataques contra algumas instituições sinalizam uma emergência moral e cultural. O movimento anti-vax sinaliza uma crise para a medicina e a ciência em geral. Os militares, enquanto isso, continuam sendo uma instituição acima do escrutínio da maioria das elites políticas norte-americanas (a maneira mais rápida de se deixar aborrecer em Washington é recomendar que gastemos menos dinheiro com a defesa nacional). As relações entre o governo e a economia são influenciadas por instituições (lobistas, think tanks, corporações multinacionais) que são em grande parte inexplicáveis para o público. Algo semelhante está acontecendo na Igreja Católica, onde instituições antigas, como seminários, estão perdendo legitimidade, enquanto instituições mais novas, como a EWTN, estão em ascensão.

O fato é que toda comunidade possui instituições, mais ou menos apoiadas por estruturas jurídicas. E toda comunidade precisa de autoridades que possam regular suas instituições. O papa Francisco às vezes é retratado como um anti-institucionalista, mas enquanto algumas das mudanças que ele propôs desafiam o rígido legalismo da direita católica, ele não está interessado em desmantelar as instituições da igreja. Ele quer que elas sirvam melhor aos seus propósitos, não se livrar delas. O seu não é o catolicismo anti-institucional que apareceu na Europa e na América no final dos anos 1960 e 1970. Francisco está menos interessado no conflito entre a Igreja institucional e a liberdade individual do que no conflito entre a Igreja rica e a Igreja dos pobres e marginalizados. Ele entende que não se pode pedir simultaneamente que a Igreja defenda os direitos dos pobres e imigrantes, e também abraçar a ira que demoliria todas as instituições da igreja. O catolicismo, afinal, não é apenas um conjunto de doutrinas, textos e tradições intelectuais. Ela sobreviveu estabelecendo instituições que poderiam sobreviver às vicissitudes da história, permitindo que ela combinasse com impérios, nações e ideologias hostis equipadas com suas próprias instituições. É ingênuo, na melhor das hipóteses, imaginar que o catolicismo como um sistema de crença poderia prosperar sem instituições católicas saudáveis.

Dois sinais de crescente analfabetismo institucional na igreja são a incapacidade de alguns católicos lidarem com a distinção entre o Papa e o “Papa emérito” e as divisões em torno da reforma litúrgica. Esses exemplos demonstram que o analfabetismo institucional não tem consequências sobre a vida real da comunidade eclesial. O preço do desmantelamento às pressas das instituições ou o desprezo despreocupado é uma aceleração em direção ao que Anthony Godzieba chamou de "catolicismo de marca", que causa danos significativos tanto para o indivíduo católico quanto para a comunidade. Os rótulos têm vidas curtas e tendem a responder mais facilmente à lógica do mercado do que à lógica interna da igreja. A divisão do catolicismo em vários rótulos - liberal, progressista, conservador, tradicionalista - fomenta um espírito de competição de soma zero em vez de comunhão.

Em Verdadeira e Falsa Reforma da Igreja, Yves Congar escreveu muito bem uma santidade e uma verdade que são institucionais no sentido de que precedem e formam a vida pessoal dos membros individuais da Igreja (é um tanto irônico que, não muito depois de escrever esse livro, ele tenha sido alvo do Santo Ofício). Duas décadas depois, após o Vaticano II, Avery Dulles escreveu criticamente sobre o institucionalismo católico em Modelos da Igreja, mas também defendeu a necessidade de instituições. Desde então, tem havido uma tremenda perda de confiança nas instituições da igreja, em grande parte - mas não apenas - por causa do escândalo de abuso sexual.

Ninguém pode duvidar seriamente de que as instituições da igreja precisam de reformas estruturais, mas algumas pessoas ficaram impacientes com a reforma; o que eles querem é eliminar completamente as instituições. Se isso acontecesse, a natureza do catolicismo mudaria. O colapso da autoridade do episcopado católico é evidente. Mas a Igreja Católica poderia sobreviver sem bispos? O “ministério de supervisão” (episkopé) é, apesar de seus fracassos óbvios e da necessidade de mudanças estruturais, comum a várias comunidades cristãs e desempenha um papel importante no diálogo ecumênico.

Livrar-se do episcopado não resolverá o problema de uma comunidade eclesial necessitada de episkopḗ . Nem a abolição do sacerdócio eliminará nossa necessidade dos sacramentos. Fechar o Vaticano não ajudará a igreja a falar com a autoridade petrina sobre as questões mais urgentes da igreja e do mundo em nossos tempos.

Quando Jesus chamou seus discípulos, ele iniciou um processo de fortalecimento institucional. No Vaticano II e no período pós-Vaticano II, a redescoberta da igreja como comunidade significava que suas instituições precisavam ser reconcebidas e reformadas, de modo que a cauda não abanasse o cão. A teologia conciliar estava bem ciente dos perigos colocados pelas instituições que sobrevivem ao seu propósito original. Mas hoje existe o perigo de que um ceticismo indiscriminado em relação às instituições nos tenha cegado para sua necessidade e deixado que elas sejam apropriadas por pessoas sem escrúpulos em abusar do poder institucional para conseguir o que querem. Se os católicos do Vaticano II, repugnados e envergonhados pelos fracassos da hierarquia, abandonarem ou negligenciarem as instituições da igreja, então aqueles que permanecerem amargamente contrários ao Vaticano II e desejosos de desfazer seu trabalho ficarão muito contentes em derrubar essas instituições.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Reforma ou desmantelamento? Por que precisamos manter as instituições que nos mantêm. Artigo de Massimo Faggioli - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV