O boletim de Greta Thunberg que põe fim às polêmicas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A religião do medo

    LER MAIS
  • “A atual loucura digital é um veneno para as crianças”. Entrevista com Michel Desmurget

    LER MAIS
  • Alerta da Oxfam: os mais ricos poluem, os mais pobres sofrem as mudanças climáticas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Junho 2019

O jornal sueco Dagens Nyheter publica os resultados escolares da jovem ativista, acusada de matar aulas para continuar o movimento das "Fridays for Future".

A reportagem é de Tonia Mastrobuoni, publicada por La Repubblica, 18-06-2019. A tradução é de Luisa Rabolini

Demasiado ocupada na batalha ambientalista para poder frequentar as aulas, pelo menos aquelas nas sextas-feiras. Contra Greta Thunberg, a ativista sueca que inventou as "Sextas-feiras para o Futuro", já foi dito de tudo: em particular sobre como seu envolvimento no movimento ambiental tenha comprometido sua educação escolar.

A pôr um basta às polêmicas pensou o jornal sueco Dagens Nyhetere que publicou o boletim da jovem de dezesseis anos, que terminou o nono ano na Kringlaskolan em Soedertaelje, de Estocolmo: catorze "A", ou seja, a nota máxima, das dezenove matérias. Entre estas, matemática, inglês, francês, física e história. Nas outras matérias, a saber, sueco, ginástica e ciências do consumo, ela ganhou "B", o que equivale ao nosso nove. Nada mal para uma garota acusada de cabular sistematicamente a escola.

No ano passado, além das sextas-feiras verdes, a jovem ativista também esteve envolvida em alguns eventos internacionais, como a cúpula de Davos ou os vários encontros com líderes globais - o último dos quais foi Barack Obama, rotulado pelo tweet "Yes, we can".

Depois veio a decisão de pular todo o próximo ano letivo, com uma onda de acusações nas mídias sociais e muito mais. A jovem – agora a mulher do ano na Suécia e a principal favorita, segundo as casas de apostas britânicas, para o próximo Prêmio Nobel da Paz - disse que sempre recuperou em casa todas as aulas perdidas na escola.

"Eu realmente batalhei para conseguir essas notas", disse Greta, citada pelo Dagens Nyheter. A ativista também acrescentou que, de fato, se ela não tivesse entrado em greve, o boletim teria ficado ainda melhor: "Mas valeu a pena".

Além disso, sua escola apoiou publicamente as escolhas da aluna mais famosa. Thunberg, que sofre da síndrome de Asperger, se despediu de seus colgas, que não verá no próximo ano. Ela vai se concentrar na luta pelas mudanças climáticas: "Esta é a prioridade agora". Entre os vários compromissos, Greta participará da cúpula climática das Nações Unidas a ser realizada em Nova York em setembro, e depois da conferência mundial sobre clima em Santiago do Chile, dois meses depois.

Dado que, como se sabe, não viaja de avião, muito prejudicial ao meio ambiente, poderia optar por uma travessia do Oceano Atlântico por navio. De acordo com alguns rumores, a ideia seria optar por uma embarcação que não fosse movida por combustível fóssil.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O boletim de Greta Thunberg que põe fim às polêmicas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV