"A injustiça favorece os populistas". As eleições europeias segundo Piketty

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • III Jornada Mundial dos Pobres: o papa almoçará com 1500 convidados

    LER MAIS
  • “O Papa não é liberal, é radical”, afirma cardeal Kasper

    LER MAIS
  • III Dia Mundial dos Pobres. A Centralidade dos Pobres na Igreja e na Sociedade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Maio 2019

Fala o economista francês que denuncia: "As desigualdades sociais e as políticas fiscais levam à vitória Le Pen, Salvini e os soberanistas na Europa"

A entrevista é de Anais Ginori, publicada por la Repubblica, 27-05-2019. A tradução é de Luisa Rabolini

"Enquanto não modificarmos o sistema econômico e fiscal na Europa, não será realmente possível derrotar movimentos populistas como os de Marine Le Pen e Matteo Salvini".

De seu observatório sobre as desigualdades no mundo, ao qual dedicou o volumoso ensaio Capitalismo no século XXI, Thomas Piketty confessa estar "frustrado" com o resultado das eleições europeias.

"A raiva que alimenta os nacionalismos é fomentada pela ausência de um modelo social e fiscal mais justo", explica o economista francês que, juntamente com outras personalidades, promoveu um Manifesto pela democratização da Europa, que já angariou mais de cem mil assinaturas.

Eis a entrevista.

Na França e na Itália, os soberanistas saem vitoriosos. Surpreso?

Não, porque estou convencido de que grande parte da recusa pela Europa se deva ao sentimento de injustiça fiscal. O voto para os soberanistas reflete perfeitamente o nível de renda e de diploma. A nova contraposição política está entre as classes trabalhadoras e as classes mais privilegiadas que detêm um patrimônio. Se continuarmos a dizer que a votação em Le Pen se deve apenas a nacionalistas xenófobos atrasados, estamos muito enganados.

É o que disse Macron com sua batalha entre progressistas e nacionalistas?

Eu não me reconheço nesta grade de leitura que alimenta os registros de popularidade de Le Pen e Salvini. É uma estratégia política extremamente perigosa que tende a excluir totalmente do debate o verdadeiro problema a ser resolvido.

Que seria qual?

A partir da década de 1990, as desigualdades de renda nos países da UE começaram a aumentar novamente. É o que as pessoas sentem na vida real. Existe uma minoria de ricos que está ficando cada vez mais rica e que proporcionalmente contribui menos para o Estado social. Se a Europa quiser salvar-se, deve construir um modelo original para garantir um desenvolvimento social justo e duradouro. Só assim os eleitores serão convencidos a apoiar o projeto europeu.

O que você propõe?

A criação de uma assembleia europeia soberana, com os parlamentares de um pequeno núcleo de países, que possa gerir um orçamento financiado através de quatro grandes impostos europeus: sobre os lucros das grandes empresas, sobre os rendimentos mais elevados (mais de 200 mil euros por ano), sobre os maiores patrimônios (mais de 1 milhão de euros por ano) e sobre as emissões de dióxido de carbono.

Propõe aumentar os impostos: você está sonhando?

O orçamento que propomos, se fixado em cerca de 4% do PIB, poderia servir aos Estados-membros para reduzir a tributação fiscal regressiva que incide nos salários e consumos das classes médias, mas também para financiar pesquisa e investimentos para o crescimento. Em essência, seria um instrumento democrático para garantir uma nova justiça fiscal.

Macron propôs um orçamento da zona do euro. Não concorda com isso?

É um projeto extremamente vago que esquece o cerne do problema: o combate às desigualdades. Por outro lado, para Macron é difícil falar em justiça fiscal na Europa após ter abolido na França o imposto sobre fortunas. E assim, o único tópico de que todo mundo está falando é a caça aos estrangeiros.

A esquerda não está fazendo o suficiente contra a desigualdade?

Na França, se os vários líderes fossem um pouco menos estúpidos, perceberiam que somando suas várias listas seriam um bloco de poder maior do que o partido da maioria. Em muitos países, além disso, há uma rejeição da esquerda radical paradoxal, porque não faz nada além de ajudar a ascensão do extrema direita. A única solução é propor um modelo econômico e fiscal mais justo. Provavelmente, como acontece com frequência na Europa, chegaremos lá quando formos atingidos por uma nova crise econômica e financeira.

Você pensa na Itália?

Não sei se a próxima crise europeia será causada pela dívida italiana. Eu sei que esse governo é um pesadelo absoluto. Salvini consegue ganhar popularidade denunciando a hipocrisia do governo francês sobre a questão migratória e, enquanto isso, ele pode levar adiante uma política antissocial, pedindo a aprovação do imposto fixo (flat tax). Fico consternado ao ver então que uma das soluções propostas para tapar os buracos do orçamento do Estado é aumentar o IVA, que, por definição, pesa sobre os setores mais fracos da população.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A injustiça favorece os populistas". As eleições europeias segundo Piketty - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV