“A Fraternidade Humana em prol da Paz Mundial e da convivência comum” - Parte 1

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O psicanalista analisa o "vazio de sentido". "A técnica domina, a política não decide, os jovens consomem e ponto". Entrevista com Umberto Galimberti

    LER MAIS
  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS
  • ''Estamos vendo o início da era da barbárie climática.'' Entrevista com Naomi Klein

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Fevereiro 2019

No dia 4 de fevereiro último, o Papa Francisco (em viagem apostólica aos Emirados Árabes Unidos: 3-5/02/19) e o Grão-Imame de Al-Azhar Ahmed Al-Tayyeb assinaram conjuntamente - no final do Encontro Inter-religioso em Abu Dhabi - o Documento sobre "A Fraternidade Humana em prol da Paz Mundial e da convivência comum”.

O comentário é de Marcos Sassatelli, frade dominicano, doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP) e professor aposentado de Filosofia da UFG.

Na 1ª parte do artigo, destaco o significado do Documento, na 2ª e na 3ª (última) parte, destacarei o seu conteúdo, que é de extraordinária profundidade e de premente atualidade.

O Documento “é um passo de grande importância no diálogo entre cristãos e muçulmanos e um poderoso sinal de paz e esperança para o futuro da humanidade".

Francisco e Al-Tayyib "indicaram juntos um caminho de paz e reconciliação no qual todos os homens de boa vontade podem caminhar, não apenas cristãos e muçulmanos".

É um Documento "corajoso e profético, porque enfrenta, chamando-os pelo nome, os temas mais urgentes do nosso tempo. Temas sobre os quais quem acredita em Deus é exortado a questionar a própria consciência e a assumir com confiança e decisão sua responsabilidade de dar vida a um mundo mais justo e solidário".

É também “um apelo vibrante a responder o mal com o bem, a fortalecer o diálogo inter-religioso e a promover o respeito mútuo para bloquear o caminho daqueles que sopram no fogo do conflito de civilizações".

O Papa e o Grão-Imame, “com palavras inequívocas, advertem que ninguém está autorizado a instrumentalizar o nome de Deus para justificar a guerra, o terrorismo e qualquer outra forma de violência. Reafirmam que a vida deve sempre ser preservada (reparem: sempre ser preservada) como devem ser plenamente reconhecidos os direitos das mulheres, rejeitando qualquer prática discriminatória contra elas".

E ainda: "Diante de uma humanidade ferida por tantas divisões e fanatismos ideológicos, mostram que promover a cultura do encontro não é uma utopia, mas a condição necessária para viver em paz e deixar às gerações futuras um mundo melhor do que aquele em que vivemos". (Alessandro Gisotti, Diretor interino da Sala de Imprensa da Santa Sé, disponível aqui ).

No Prefácio do Documento, Francisco e Al-Tayyib nos transmitem uma mensagem tão bonita, que - se vivida - revoluciona todos os critérios da convivência humano-ambiental.

Afirmam: “A fé leva o crente a ver no outro um irmão que se deve apoiar e amar. Da fé em Deus, que criou o universo, as criaturas e todos os seres humanos - iguais pela Sua Misericórdia -, o crente é chamado a expressar esta fraternidade humana, salvaguardando a criação e todo o universo e apoiando todas as pessoas, especialmente as mais necessitadas e pobres”.

O Papa e o Grão-Imame continuam fazendo memória da realidade na qual vivemos: “Partindo deste valor transcendente, em vários encontros dominados por uma atmosfera de fraternidade e amizade, compartilhamos as alegrias, as tristezas e os problemas do mundo contemporâneo, a nível do progresso científico e técnico, das conquistas terapêuticas, da era digital, dos mass-media, das comunicações; a nível da pobreza, das guerras e das aflições de tantos irmãos e irmãs em diferentes partes do mundo, por causa da corrida às armas, das injustiças sociais, da corrupção, das desigualdades, da degradação moral, do terrorismo, da discriminação, do extremismo e de muitos outros motivos”.

Com otimismo, concluem: “De tais fraternas e sinceras acareações que tivemos e do encontro cheio de esperança num futuro luminoso para todos os seres humanos, nasceu a ideia deste ‘Documento sobre a Fraternidade Humana’. Um Documento pensado com sinceridade e seriedade para ser uma declaração conjunta de boas e leais vontades, capaz de convidar todas as pessoas, que trazem no coração a fé em Deus e a fé na fraternidade humana, a unir-se e trabalhar em conjunto, de modo que tal Documento se torne para as novas gerações um guia rumo à cultura do respeito mútuo, na compreensão da grande graça divina que torna irmãos todos os seres humanos”. (Fonte: Santa Sé).

Ouçamos agora o conselho do Papa Francisco:

“Em Abu Dhabi foi dado um passo a mais: eu e o Grão-Imame de Al-Azhar Ahmed assinamos o ‘Documento sobre a Fraternidade Humana’, no qual afirmamos juntos a comum vocação de todos os homens e mulheres de ser irmãos enquanto filhos e filhas de Deus; condenamos toda forma de violência (reparem mais uma vez: toda forma de violência), especialmente a violência revestida de motivações religiosas, e nos comprometemos na difusão dos valores autênticos e da paz no mundo. Este Documento - acrescentou - será estudado nas escolas e nas universidades de muitos países, mas eu também aconselho que vocês o leiam, o conheçam, porque traz muitos impulsos para avançar no diálogo sobre a fraternidade humana”.

Ao invés de pensarmos nas civilizações cristã e islâmica e nas religiões como fontes de conflitos, “quisemos dar - esclarece o Papa - um sinal a mais, claro e decidido, de que, ao contrário, é possível se encontrar, é possível se respeitar e dialogar, e de que, inclusive na diversidade das culturas e das tradições, o mundo cristão e o mundo islâmico apreciam e guardam valores comuns: a vida, a família, o sentimento religioso, a honra aos anciãos, a educação dos jovens, e outros mais” (Audiência Geral, 6 de fevereiro: um dia após retornar dos Emirados Árabes Unidos).

Enfim, o Documento é hoje a estrela que guiou os Reis Magos até Belém. Ah, se os que têm um serviço público no Legislativo (políticos), no Judiciário (juízes) e no Executivo (governantes) - e todos e todas nós - seguíssemos o caminho que o Documento aponta! O Brasil e o mundo mudariam completamente. Lutemos, com fé e esperança, para que isso aconteça!

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A Fraternidade Humana em prol da Paz Mundial e da convivência comum” - Parte 1 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV