O cardeal Stanislaw Dziwisz comenta "a anedota" sobre João Paulo II recordada pelo Papa Francisco no avião no retorno dos Emirados Árabes Unidos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Pai Nosso”... também hoje. Artigo de José Antonio Pagola

    LER MAIS
  • CNBB propõe que Domingo de Ramos seja celebrado de modo especial em tempos de coronavírus

    LER MAIS
  • A preciosa definição de fortaleza de Erich Fromm

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Fevereiro 2019

O arcebispo emérito de Cracóvia, Cardeal Stanislaw Dziwisz, historiador secretário pessoal de são João Paulo II, de acordo com a agência Ansa-latina comentou assim as palavras do Papa Francisco a respeito de um evento ocorrido entre o então Prefeito 

Cardeal Joseph Ratzinger e João Paulo II, no caso Marcial Maciel: "Não creio que o papa João Paulo II, de maneira superficial, não acreditasse nas provas dos crimes que lhe foram apresentadas; não era seu estilo". "Não sei a quem (estava se referindo) ou o que Francisco tinha em mente", acrescentou o cardeal entrevistado pelo semanário católico de Cracóvia Tygodnik Powszechny. A conversa se centrava no que o Papa Francisco tinha contado em 5 de fevereiro último, retornando dos Emirados Árabes Unidos.

A informação é publicada por Il sismógrafo, 14-02-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Por outro lado, sempre de acordo com a Ansa-latina, o cardeal polonês arcebispo emérito de Cracóvia acrescentou que o então titular da Congregação para a Doutrina da Fé “esteve em contato constante ou frequente” com o Papa, "pessoalmente e sem filtros. Com ele teve a oportunidade de discutir todas as questões de competência da Congregação". "Com toda a força, desejo reiterar que não havia nenhum filtro ou bloqueio de dados que deviam ser informados ao Papa", insistiu o ex-secretário de K. Wojtyla. Em seguida, o Cardeal Dziwisz esclareceu: "Os problemas da Igreja, o Papa (João Paulo II), os discutia com pessoas de competência e não com os secretários particulares".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O cardeal Stanislaw Dziwisz comenta "a anedota" sobre João Paulo II recordada pelo Papa Francisco no avião no retorno dos Emirados Árabes Unidos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV