Que valor deve ser dado à declaração comum do papa e do imã de Al-Azhar? A fraternidade é uma noção comum para as duas religiões

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Cenas de um filme de terror da vida real. Os 30 anos do massacre de Ignacio Ellacuría e seus companheiros

    LER MAIS
  • Aumento de mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

    LER MAIS
  • Papa Francisco quer incluir 'pecado ecológico' na doutrina oficial da Igreja, após Sínodo da Amazônia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Fevereiro 2019

Conversa com Nayla Tabbara, teóloga libanesa, vice-presidente da Fundação Adyan para os estudos inter-religiosos e a solidariedade espiritual, autora do livro Islam pensé par un femme, escrito em conjunto com Marie Malzac, Bayard.

A reportagem é de Pierre Sautreuil, publicada por La Croix, 06-02-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Segunda-feira 4 de fevereiro o Papa Francisco e o sheik Ahmed Al-Tayyeb, grão-imã de Al-Ashar, assinaram uma declaração conjunta que denuncia principalmente a violência cometida em nome da religião e que afirma a preponderância da "fraternidade humana" e a igualdade de direitos entre os cidadãos. Devemos considerar esse texto um belo símbolo ou um progresso histórico real?

Eis a resposta de Nayla Tabbara.

É a primeira vez que um texto é assinado em conjunto pelo papa e pelo reitor de Al-Azhar. A fraternidade humana colocada em primeiro plano neste texto histórico é uma noção comum ao islamismo e ao cristianismo. Está claramente expressa em alguns hadiths entre os mais conhecidos, que convidam a tratar o irmão como se gostaria de ser tratado. Fala-se na fraternidade na humanidade, não na crença.

Mas esse texto não se restringe à noção de fraternidade. Também fala de cidadania e igualdade. Não são conceitos estranhos para Al-Azhar, porque estão presentes em vários documentos promulgados nestes últimos anos, bem como a noção de proteção dos locais de culto.

Algumas formulações utilizadas, sobre a liberdade "de crença, de pensamento, de expressão e de ação" são encontradas em textos anteriormente promulgados por Al-Azhar. Aqui estão presentes os conceitos e os valores com os quais o Papa Francisco e o Sheik Al Tayyeb concordaram. Deve-se notar que a liberdade de consciência não é citada, embora tenha sido mencionada pelo papa. Esta ideia, a liberdade de não crer, precisa de tempo e de trabalho interno para ser aceita e levada em consideração.

No entanto, muitos temas ganharam destaque e isso já é uma revolução em si. Quando as questões de cidadania e justiça igualitária são abordadas, o próprio sheik Al Tayyeb fala isso, é preciso que os cristãos não sejam mais considerados como minoria. Não se deve falar de minorias, mas de cidadãos iguais. Não existe um representante do Islã como, ao contrário, o papa é representante da Igreja católica, mas o reitor da Al-Azhar representa a tendência teológica acharita, a mais difundida no mundo sunita. Isso faz dele uma autoridade simbólica e moral, uma figura central e agregadora. Todo o cerimonial ao redor do encontro com o Papa, aliás, estava destinado a promover o sheik Ahmed Al Tayyeb como representante do Islã, como um contraponto a uma tendência salafita minoritária, mas extremamente midiatizada.

A magnitude desse documento irá depender do modo como será ou não incluído nos planos nacionais, do modo em que influirá sobre a educação religiosa de ambas as partes e do modo em que as ONGs que trabalham no diálogo inter-religioso o assumirem. Mas, para além do documento, existe o simbolismo do encontro, as imagens dos abraços, os testemunhos de amizade que foram expressos. Isso permitirá mostrar que os cristãos são importantes nos países árabes, para que seja menos pesada a sua sensação de estarem ameaçados. Isso mostra que, apesar dos discursos salafitas que incitam a não dialogar, cristãos e muçulmanos não devem ter desconfiança uns dos outros.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Que valor deve ser dado à declaração comum do papa e do imã de Al-Azhar? A fraternidade é uma noção comum para as duas religiões - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV