O presente do Pontífice para um centro de acolhimento em Roma inaugurado na presença do Presidente Mattarella. Um crucifixo para os migrantes

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • "Os jovens mudaram, e a escola não acompanhou". Entrevista com Miriam Abramovay

    LER MAIS
  • As tranças de Greta e a encíclica do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Morre Fernando de Brito, frade dominicano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Fevereiro 2019

Um crucifixo feito de remos, simbolizando as difíceis viagens realizadas pelos migrantes que tentam atravessar o mar, foi doado pelo Papa Francisco ao novo Centro Matteo Ricci para o acolhimento e integração dos requerentes de asilo e refugiados, aberto pelo Centro Astalli no complexo monumental da igreja romana de Jesus.

A reportagem foi publicada por L'Osservatore Romano, em 04-02-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

A inauguração contou com a presença, entre outros, dos cardeais Angelo de Donatis, vigário de Roma, e Konrad Krajewski, esmoleiro, do Presidente da República italiana Sergio Mattarella, do superior geral dos jesuítas Arturo Sosa Abascal, dos subsecretários da seção migrantes e refugiados do Dicastério para o serviço do desenvolvimento humano integral, Fabio Baggio e Michael Czerny e do presidente do Centro Astalli, padre Camillo Rigamonti.

Padre Czerny, em seu discurso, lembrou que em 2015, após a visita do Papa a Cuba, o presidente Raúl Castro presenteou-o com um grande crucifixo. "A belíssima obra - disse ele - é do artista Alexis Leyva Machado, mais conhecido como K'cho", que "quer chamar a atenção para a condição dos migrantes e refugiados. Chora o desaparecimento de milhares de pessoas mortas no mar”. O artista, de fato, chama a migração de "o comércio de escravos dos nossos tempos".

O crucifixo em madeira de cedro, explicou o subsecretário, "é alto 340 cm e largo 275 cm". K'cho o realizou com remos de madeira amarrados por cordas. "Sobre esta cruz feita de remos - acrescentou o Padre Czerny - vemos Jesus crucificado, simbolizando as difíceis viagens realizadas por migrantes que tentaram atravessar o mar e lembrar aqueles muitos dentre eles que não conseguiram chegar."

O Papa, explicou o subsecretário, doou o crucifixo original para a comunidade de Lampedusa. Atualmente está localizado sobre o altar-mor da igreja paroquial de San Gerlando. Além disso, "lastimando a falta de financiamentos públicos para os migrantes vulneráveis que necessitam de um lugar nessa estrutura, o Santo Padre hoje doa também a quantia necessária para o primeiro mês de atividades do Centro Matteo Ricci".

A estrutura está localizada dentro do Centro Astalli e é dedicada a apoiar os programas de inclusão social e as "relações positivas e construtivas entre os refugiados e as comunidades locais." Durante as intervenções tomaram a palavra também dois refugiados de vinte e cinco, um imigrante afegão, Sohrab, e uma mulher de Camarões, Charity, que relataram as dificuldades no seu país de origem e a longa viagem realizada para chegar na Itália.

Após a cerimônia, o presidente Mattarella enfatizou que essa iniciativa "é parte de um fenômeno epocal, o das migrações, um fenômeno que ocorre em todos os lugares, que explode em todos os lugares."

O chefe de Estado italiano ressaltou a necessidade "de intervenções e acordos globais sobre o fenômeno migratório", porque nenhum país sozinho “ está em condições de enfrentá-lo ou reuglá-lo, mas são necessários acordos globais, como a ONU solicita a fazer", lembrando que no mundo “os refugiados, as pessoas que fogem das guerras, carestias, impossibilidades de sobrevivência e perseguições, são cerca de setenta milhões". Por fim, o presidente destacou como a migração seja um fenômeno que "requer um grande esforço conjunto da comunidade internacional".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O presente do Pontífice para um centro de acolhimento em Roma inaugurado na presença do Presidente Mattarella. Um crucifixo para os migrantes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV