A experiência das mulheres não foi considerada. Artigo de Lucetta Scaraffia

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • “América Latina caminha para o enfraquecimento e a desintegração”. Entrevista com Juan Tokatlian

    LER MAIS
  • O sucesso estrondoso da comida ‘nua’. Os supermercados começam a dar adeus às embalagens

    LER MAIS
  • "O PIB gosta de poluição, crimes e guerras". Entrevista com David Pilling

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Outubro 2018

Enquanto a Igreja está passando pela grave crise ligada aos escândalos de abuso sexual, o La Croix pediu a algumas figuras eminentes as suas opiniões sobre possíveis soluções.

Aqui está a resposta de Lucetta Scaraffia, jornalista e historiadora italiana que edita a revista mensal feminina do jornal L’Osservatore Romano.

Excluídas e marginalizadas, as mulheres estão se distanciando da Igreja, diz a jornalista e historiadora italiana Lucetta Scaraffia, em artigo publicado por La Croix International, 24-10-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

Eis o artigo.

Na crise que abalou a Igreja nos últimos anos, vimos o surgimento de questões que a Igreja não quis ou não soube como enfrentar durante os últimos 50 anos: a revolução sexual, o poder e a questão das mulheres.

A revolução sexual foi muitas vezes condenada - muitas vezes justificadamente - por seus aspectos negativos.

No entanto, nunca foi examinada seriamente, nem seus aspectos positivos foram levados em conta. A comunidade católica realmente deveria ter considerado esses aspectos positivos.

Tomemos, por exemplo, a questão do controle de natalidade. Em uma sociedade onde a mortalidade de bebês e de mulheres que dão à luz é virtualmente inexistente, eram necessárias reflexões e recomendações mais articuladas da Igreja.

Infelizmente, a resposta da Igreja, a Humanae Vitae, foi inadequada e muito mal articulada, tanto que em poucos anos a encíclica foi ignorada. Ela deveria ter sido escrita de forma diferente. Em sua composição, a experiência das mulheres claramente não foi levada em conta.

Um dos erros mais graves da Igreja pós-conciliar foi sua falta de abertura para com os casais. Foram poucas oportunidades e muito distantes entre si, mesmo durante as discussões eclesiais sobre questões relativas às famílias.

Um casal não é uma entidade com uma voz única. Um casal é formado por um homem e por uma mulher - e a mulher, na época, era intimidada e silenciada pela presença de seu marido. Consequentemente, a voz livre das mulheres nunca foi realmente ouvida.

Além disso, as questões da sexualidade e do celibato dos padres foram tratadas quase exclusivamente do ponto de vista teológico, de acordo com modalidades que estão muito distantes da realidade e especialmente impossíveis de defender em um diálogo com o mundo secular.

A Igreja não reconheceu ou não valorizou (juntamente com o mea culpa que teria sido apropriado) os aspectos positivos da revolução sexual. A cegueira da Igreja em relação às vítimas de abuso sexual é devida a isso.

Esses aspectos positivos incluem não mais julgar as mulheres de acordo com seu comportamento sexual (basta lembrar o doloroso destino das jovens mães solteiras); a possibilidade de falar abertamente sobre a sexualidade, que abriu as portas para a educação sexual e a condenação do abuso sexual; e, acima de tudo, a possibilidade de reconhecer que diferenças no status social ou posições de poder podem tornar as relações sexuais uma forma de violência mascarada.
A questão do poder é particularmente evidente na contínua diferença entre palavras e realidade.

Todos os discursos sobre o serviço do sacerdócio e todas as demonstrações de falsa humildade não foram capazes de esconder a realidade do carreirismo eclesiástico, que - em muitos casos - se tornou um abuso de poder, particularmente entre os bispos.

Infelizmente, a perda do prestígio social do clero, inevitável em uma sociedade secularizada, resultou em um exercício injusto de poder sobre os poucos subordinados que restaram ao clero: os membros fiéis da diocese.

Ambos os problemas acima estão ligados à questão das mulheres. Agora está claro que, excluídas e marginalizadas, as mulheres estão se distanciando da Igreja.

Basta olhar para o colapso das vocações femininas e o acentuado declínio da prática entre os jovens. Essa ausência é inevitavelmente prejudicial para a imagem da Igreja, especialmente para os jovens.

Para resolver essa crise, é essencial que todos os fiéis - leigos e especialmente as mulheres - sintam que são efetivamente parte da Igreja. Não subordinados ao clero, mas eles mesmos responsáveis pelo que acontece, para o bem ou para o mal. E isso só é possível se a iniciativa começar de baixo: de um envolvimento ativo de todos e da coragem de falar, de criticar e de participar.

Não podemos continuar do lado de fora da porta, esperando por um “bom” Papa que a abra e permita que um ou outro - quase sempre escolhidos pela própria hierarquia - entre.

O Papa Francisco pediu precisamente que esse tipo de atitude clerical fosse interrompida. Todos os membros da Igreja devem assumir sua responsabilidade - a missão que o sacramento do batismo concedeu - e devem colaborar a fim de emergir dessa grave crise, de modo que possa haver um novo começo.

Os bispos têm um papel crucial a desempenhar nisso. Eles têm que consentir com uma mudança profunda.

Eles têm que aceitar que seu trabalho seja submetido ao controle dos membros fiéis de suas dioceses: transparência financeira, escolhas sobre as nomeações de párocos... e de freiras. E as freiras deveriam, em particular, estar oficialmente envolvidas na seleção de candidatos episcopais.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A experiência das mulheres não foi considerada. Artigo de Lucetta Scaraffia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV