Nicarágua. Daniel Ortega cede e aceita as condições para o diálogo impostas pela Igreja

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A virada autoritária de Piñera. O fracasso de um governo incompetente e corrupto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Maio 2018

Após várias semanas de violência e repressão, que nesta sexta-feira provocou mais algumas mortes, o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, deu o braço a torcer e aceitou as quatro condições para o diálogo impostas pela Igreja na Nicarágua.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 12-05-2018. A tradução é de André Langer.

“Espero começar o mais cedo possível, ou antes do meio-dia da próxima segunda-feira, 14 de maio”, disse Ortega, que aceitou as “premissas obrigatórias” propostas pelo Episcopado, liderado pelo cardeal Brenes e por dom Silvio Báez.

Entre as premissas está a de “permitir, no menor tempo possível, a entrada da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), para investigar e esclarecer as mortes e desaparecimentos de nicaraguenses” ocorridos desde o início dos protestos. Os religiosos também pedem para “suprimir os corpos paramilitares, forças de choque que intimidam, coagem e atacam os cidadãos, assim como não usar a Polícia Nacional para nenhum tipo de ação repressiva”.

Todas as noites, as forças de Ortega atacam os recintos universitários em que os estudantes permanecem entrincheirados, o que, na madrugada desta sexta-feira, 11 de maio, provocou a morte de mais quatro pessoas, número que já ultrapassa as 50 mortes no país.

Os bispos também pedem que “cesse imediata e absolutamente toda repressão contra grupos civis que protestam pacificamente, e se garanta a integridade física dos estudantes universitários, dos vários membros ativos que compõem a mesa de diálogo nacional e de todos os cidadãos”.

Finalmente, a Igreja exorta o regime a “dar sinais confiáveis de sua vontade de diálogo e paz, respeitando a dignidade e a liberdade das pessoas, assim como todos os direitos humanos dos trabalhadores e cidadãos, particularmente dos funcionários públicos, não obrigando-os a participarem de eventos partidários, nem paralisando o transporte nacional para os mesmos fins”.

Em resposta às exigências da Conferência Episcopal da Nicarágua, Daniel Ortega enviou uma carta dirigida ao cardeal Leopoldo José Brenes e aos bispos, na qual afirma: “Concordamos em trabalhar cada um dos pontos ali propostos, levando em consideração que em todos transparece sua boa vontade como mediadores e testemunhas”.

“Escrevemos esta resposta entendendo que estamos todos prontos para atender ao chamado para o diálogo o mais cedo possível”, conclui Ortega. Apesar disso, o país manteve a tensão durante a madrugada, no aguardo de que possa, finalmente, começar um diálogo que ponha um fim à violência governamental e devolva a liberdade e a justiça ao país.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nicarágua. Daniel Ortega cede e aceita as condições para o diálogo impostas pela Igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV