A virada para uma “igreja em saída”

Revista ihu on-line

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Karl Marx, 200 anos - Entre o ambiente fabril e o mundo neural de redes e conexões

Edição: 525

Leia mais

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

Mais Lidos

  • Três ''nãos'' problemáticos de Francisco

    LER MAIS
  • PT não pode ficar dependente de Lula, diz Olívio Dutra

    LER MAIS
  • Composto do Agente Laranja começa a contaminar o Mato Grosso

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Lara Ely | 01 Dezembro 2017

Um papa com cheiro de povo. Assim se pode definir, de modo genérico, o estilo do pontificado de Francisco, que em 2018 completa cinco anos à frente da Igreja Católica. Com o objetivo de refletir e tentar compreender um pouco mais os movimentos desse papa, o Instituto Humanitas Unisinos – IHU promove o o XVIII Simpósio Internacional do IHU – A Virada Profética de Francisco – Possibilidades e Limites para o futuro da Igreja no Mundo Contemporâneo . O evento ocorrerá entre os dias 21 e 24 de maio no Teatro Unisinos – Campus Porto Alegre e terá a participação de teólogos e historiadores do Brasil e do mundo que têm se dedicado a observar as ações de Francisco. Entre os principais nomes já confirmados, estão os teólogos italianos Andrea Grillo e Vito Mancuso, os argentinos Emilce Cuda e Juan Carlos Scannone, além dos americanos Mary Hunt, Massimo Faggioli, Todd Salzmann e Michael G. Lawler

Entre os nomes nacionais confirmados estão Leonardo Ulrich Steiner (Conferência Nacional de Bispos do Brasil - CNBB), Rubens Nunes da Mota (Organização Religiosa Capuchinha – ORCap), Carmem Oliveira (Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz), Márcio Pimentel e Geraldo Luiz De Mori (Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia - FAJE),  Carmem Lussi (Centro Scalabrinian para Estudos Migratórios - CSEM) e Fernando Altemeyer Junior (PUC-SP), Leomar Antônio Brustolin, Maurício Perondi
e Patrícia Machado Vieira (PUC-RS), Alex Villas Boas (PUC-PR) Dom Francisco de Assis da Silva (Igreja Episcopal Anglicana do Brasil - IEAB ), Romi Márcia Bencke (Igreja Evangélica da Confissão Luterana no Brasil - IECLB e Conselho Nacional de Igrejas Cristãs - CONIC), Paulos Suess (Conselho Indigenista Missionário - CIMI), Luís Corrêa Lima, Cesar Kuzma e Jesus Hortal (PUC-Rio), Moisés Sbardelotto, Hilário Henrique Dick e José Roque Junges (Unisinos),  Ivanir Rampon (Itepa Faculdades) e Júlio Lancellotti (Arquidiocese de São Paulo)  

 

Em recente artigo intitulado A virada profética de Francisco: um Deus que surpreende, publicado no sítio do IHU, o jornalista e ex-senador italiano pelo Partido Comunista Italiano Raniero La Valle ressalta a surpresa trazida pelo papa à Igreja. “O Deus que irrompe na Igreja de Francisco é diferente. Em um mundo curvado e exposto às piores surpresas, ninguém pensava que pudesse haver uma surpresa por parte de Deus”. Essa surpresa a que La Valle se refere baseia-se, em termos, nas perspectivas teológicas, muito mais voltadas a pastoralidade que tem mexido com as estruturas eclesiais do Vaticano.

Ao lançar outros olhares sobre a tradição, Francisco causou certo desconforto e despertou reações nas alas mais conservadoras da Cúria. Ações como a sua aproximação com os jornalistas por meio de entrevistas coletivas concedidas no avião, após cada viagem, intensificaram a imagem de pontífice amigo da imprensa. E com essas ações, reforçou sua imagem midiática com posições quase sempre surpreendentes. São inúmeras as ações que revelam esse seu perfil mais aberto, pastoralmente mais próximo das pessoas, nesses cinco anos. Entre elas a forma como discute o papel da mulher na sociedade, o diálogo que estabelece com os gays, respeito aos fiéis divorciados e a mediação de conflitos, como no caso dos narcotraficantes na Colômbia.

Em 2014, defendeu a importância da participação feminina "Um mundo no qual as mulheres são marginalizadas é um mundo estéril, porque as mulheres não só dão a vida”. Em 2015, falou sobre paternidade responsável ao dizer que os “Católicos não precisam procriar ‘como coelhos’. Em 2016 a publicação da exportação apostólica Amoris Laetitia propôs um repensar sobre a vida em família, ao propor que a Igreja aceite transformações na realidade da sociedade contemporânea como novos arranjos familiares. O documento convida os sacerdotes a tratarem com compaixão, por exemplo, católicos divorciados que voltam a casar. Em 2017, na Colômbia, o Papa ajudou a mediar os acordos de paz entre o governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia - Farc. O pedido de que os colombianos renunciassem à vingança em nome da paz veio após receber da organização criminosa, então convertida em partido político, um pedido de desculpas formal via redes sociais.

Estão abertas as inscrições para participação no site do evento e para apresentação de trabalhos. Esta última pode ser feita até 31/03/2018 para o e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. A divulgação dos trabalhos aceitos ocorre a partir de 16/04/2018. Os horários e locais das apresentações será informada a partir de 14/05/2018. Mais informações sobre a convocatória podem ser obtidas aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A virada para uma “igreja em saída” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV