Um pontificado pós-covid

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma escolha crucial: como a Igreja seleciona seus bispos?

    LER MAIS
  • Os três passos dos homens

    LER MAIS
  • Abismo de desigualdades

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Setembro 2020

"Um pontífice que antes mesmo do lockdown havia esgotado as surpresas, que já introduziu muitas das inovações que poderia introduzir, que está agora com 83 anos, o que ainda poderia inventar? Talvez nada, efetivamente, e portanto tudo", escreve Iacopo Scaramuzzi, em artigo publicado por Gazzetta Santa Marta - Jesus, revista italiana, 03-09-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

O verdadeiro debate que vem ocorrendo no Vaticano nos últimos meses, tanto velado quanto evidente, não raramente temperado com malícia, é se o coronavírus tenha antecipadamente encerrado o pontificado de Francisco. E certamente o papa da "Igreja em saída", o pontífice que adora olhar para São Pedro das periferias, o homem escolhido no "fim do mundo" para fazer desmoronar a corte romana só pode se sentir "engaiolado", como ele mesmo admitiu, por uma pandemia. E certamente um pastor que, desmentindo as previsões do início, viajou para países nunca visitados por seus predecessores, só pode sofrer por se encontrar confinado dentro das paredes do menor estado do mundo. E, além disso, um pontífice que antes mesmo do lockdown havia esgotado as surpresas, que já introduziu muitas das inovações que poderia introduzir, que está agora com 83 anos, o que ainda poderia inventar? Talvez nada, efetivamente, e portanto tudo.

Um novo ciclo de catequese nas audiências de quarta-feira explorará o mundo que se vislumbra depois, ou melhor, junto, da pandemia: será uma análise rica, mas Laudato si' e Evangelii Gaudium são dois textos já proféticos o suficiente para não deixar muito espaço para uma nova intervenção magisterial. Jorge Mario Bergoglio, porém, dá o melhor de si nos momentos de crise.

Quando está acuado no canto, tira da cartola uma saída de mestre. E enquanto todos esperam novas iniciativas pirotécnicas, poderia arquivar a pars destruens que apaixonou torcedores e adversários da primeira hora. E iniciar a segunda fase do pontificado. A pars costruens. A finalização após as reviravoltas, a consolidação após o desmonte, a colheita após a semeadura. E tornar a reforma bergogliana talvez menos espetacular, mas mais irreversível.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um pontificado pós-covid - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV