Lockdown já?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Da crise não saímos iguais. Ou saímos melhores ou saímos piores”, afirma Papa Francisco na ONU

    LER MAIS
  • Vaticano. Aos irmãos de Becciu 1,5 milhão de euros do dono de empresa de petróleo angolano

    LER MAIS
  • Pós-humano: o desafio de falar do humano e de seu valor. Mudança de época. Artigo de Paolo Benanti

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Março 2020

O grande assunto do momento é se chegou o momento de o Brasil adotar restrições mais incisivas à circulação de pessoas. No sábado, vários especialistas defenderam que medidas como a suspensão de aulas, espetáculos esportivos e artísticos, cultos religiosos e qualquer reunião, além de restrições à presença física em locais de trabalho e trânsito nas cidades sejam tomadas, no máximo, em 20 dias. Para alguns, o ideal seria tomá-las em uma semana. Essa recomendação é feita olhando os exemplos de locais como China, Hong Kong, Singapura, Japão e, agora, Itália, França e Espanha. Servem para diminuir o ritmo de crescimento de casos, de modo a não colapsar o sistema de saúde com um boom de doentes ao mesmo tempo – como acontece na Itália.

A informação é publicada por Outra Saúde, 16-03-2020.

O xis da questão é que o crescimento da doença não é linear, mas exponencial. Quando o número de infectados se torna alto, ele rapidamente se torna… enlouquecedoramente alto porque vai dobrando ou triplicando em poucos dias. Sem nenhuma medida de contenção, o vírus não tem por que parar de se espalhar no curto prazo. Esta reportagem do Washington Post tem animações bem instrutivas, feitas a partir de simulações da transmissão de uma doença fictícia muito contagiosa em uma pequena população. O melhor cenário é o de um