Refundar o capitalismo (outra vez)

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A barbárie com rosto humano. Artigo de Slavoj Zizek

    LER MAIS
  • Uma bênção “Urbi et Orbi” incomum: a liturgia em tempos de pandemia. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • ‘Após o coronavírus, o mundo não voltará a ser o que era’

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


02 Março 2020

Uma longa década depois de os políticos terem antecipado a ideia, economistas, filósofos e sociólogos buscam suprimir os excessos e abusos do mercado para que ele sobreviva, escreve Joaquín Estefanía, jornalista, em artigo, publicado por El País, 01-03-2020.

Eis o artigo.

Poucos dias depois da falência do Lehman Brothers, o gigantesco banco de investimentos dos EUA, em setembro de 2008, um acovardado presidente francês, o conservador Nicolas Sarkozy, fez célebres declarações que ressoaram em todo o mundo: “A autorregulação para resolver todos os problemas acabou: le laissez-faire c'est fini. Precisamos refundar o capitalismo (...) porque passamos a dois dedos da catástrofe”.

Aquele momento crítico em que tudo parecia possível, incluindo a falência do sistema, foi superado. O setor financeiro, aos trancos e barrancos, emergiu da crise dando braçadas e braçadas na ajuda pública (na forma de dinheiro, endossos, garantias, compras de ativos ruins, liquidez quase infinita a preços muito baixos, etc.), e aqueles verbos conjugados com boa vontade de vez em quando —refundar o capitalismo, reformar o capitalismo, regular o capitalismo, refrear o capitalismo etc— foram esquecidos. Da Grande Recessão se passou a uma época de "estagnação secular" (Larry Summers), que é o que estamos vivendo.

Da primeira, os cidadãos, na maioria, saíram mais pobres, mais desiguais, muito mais precários, menos protegidos e com duas características políticas que explicam em boa parte o que está acontecendo diante de nossos olhos: mais desconfiados (dos Governos, dos partidos, dos Parlamentos, das empresas, dos bancos, das agências de classificação de risco ...) e menos democratas. O resultado foi a explosão de populismos de extrema direita e a decomposição do sistema binário de partidos políticos que saiu da Segunda Guerra Mundial, e uma concepção instrumental (não de princípios) da democracia: apoiarei a democracia enquanto resolver meus problemas; se não, sou indiferente.

Depois desse parêntesis de quase uma década, e quando já começa a existir uma distância temporal suficiente para se analisar os efeitos da Grande Recessão como uma sequência de eventos que levaram a uma gigantesca redistribuição negativa da renda e da riqueza no sentido inverso nos âmbito dos países (o chamado efeito Matthew: “Ao que mais tem, mais será dado, e do que menos tem será tirado para ser dado ao que mais tem”), são os acadêmicos e não os políticos que multiplicam as teorias sobre as características do capitalismo do primeiro quarto do século XXI. E eles protagonizam um grande debate extremo entre si: se o capitalismo está ferido de morte porque não funciona; ou, pelo contrário, se, mais uma vez na história está passando por uma mutação em sua natureza, e essa transformação o levará a ser de novo o sistema político-econômico mais forte e único. Há duas coincidências na maioria dos livros publicados: o capitalismo se espalhou por todos os espaços geográficos do planeta e direções (não há alternativa) e se aninha em qualquer atividade e mercado, incluindo a política.

O capitalismo é agora o único sistema socioeconômico do planeta (antes isso era chamado de imperialismo) e quase não existem vestígios do comunismo como uma possibilidade substitutiva, como ocorria na primeira metade do século XX. A esta característica central se soma o reequilíbrio do poder econômico entre os EUA e a Europa, por um lado, e a Ásia, por outro, por causa do boom experimentado pelos principais países desta última região. O domínio planetário exercido pelo capitalismo foi alcançado por meio de suas diferentes variantes. Alguns autores distinguem entre o capitalismo meritocrático liberal, que vem se desenrolando gradualmente no Ocidente nos últimos 200 anos, e o capitalismo político ou autoritário exemplificado pela China, mas que também existe em outros países asiáticos (Cingapura, Vietnã ...) e alguns da Europa e África (Rússia e os caucasianos, Ásia Central, Etiópia, Argélia, Ruanda ...).

Nos últimos tempos, ganhou popularidade uma tipologia que teve seu momento de glória no Fórum Econômico Mundial, realizado em Davos, em janeiro deste ano. O Manifesto de Davos 2020 basicamente apresenta três tipos de capitalismo: o de acionistas, para o qual o principal objetivo das empresas é a maximização do lucro; o capitalismo de Estado, que confia no setor público para conduzir o rumo da economia; e o stakeholder capitalism, o capitalismo das partes interessadas, no qual as empresas são as administradoras da sociedade e, para isso, têm de cumprir uma série de condições, como pagar um porcentual justo de impostos, tolerância zero com a corrupção, respeito aos direitos humanos em sua cadeia de suprimentos global e defesa da concorrência em igualdade de condições, também quando operam na "economia de plataforma".

Até agora, o capitalismo de acionistas tem sido amplamente hegemônico. Recebeu um apoio teórico bem forte no início dos anos 60, quando o principal ideólogo da Escola de Chicago, o Prêmio Nobel Milton Friedman, escreveu seu livro Capitalismo e Liberdade (Editora: LTC) no qual sentenciou: “A principal responsabilidade das empresas é gerar lucros”. Friedman sacralizou essa regra do jogo por meio de vários artigos que tentavam corrigir algumas veleidades nascidas nos EUA sobre a ampliação dos objetivos empresariais até a chamada "responsabilidade social corporativa". No capitalismo de acionistas, a predominância é do curto prazo e das ações em Bolsa, o que em última instância conduziu à "financeirização" da economia.

Essa filosofia dominante durou praticamente até hoje. Há pouco tempo, a British Academy divulgou um relatório sobre a empresa do século XXI, obra que é fruto da iniciativa coletiva de cerca de trinta cientistas sociais sob a batuta do professor de Oxford Colin Mayer, que fala em “redefinir as empresas do século XXI e construir confiança entre as empresas e a sociedade”. E a norte-americana Business Roundtable, uma associação criada no início dos ano 70 do século passado, na qual estão os principais diretores de 180 grandes empresas de todos os setores, divulgou um comunicado no qual revogava, de fato, o critério solitário de maximização dos lucros na tomada de decisões empresariais, substituindo-o por outro mais inclusivo, que também levasse em consideração o bem-estar de todos os grupos de interesse: “A atenção aos trabalhadores, a seus clientes, aos fornecedores e às comunidades em que estão presentes". Logo, as principais bíblias jornalísticas do capitalismo, Financial Times, The Economist, The Wall Street Journal, começaram a analisar essa mudança que não se deve à benevolência e à compaixão dos executivos das grandes empresas, mas ao medo da demonização do capitalismo atual e das empresas por causa de seus excessos: a financeirização desmedida, a globalização mal administrada, o poder crescente dos mercados, a multiplicação das desigualdades. O capitalismo foi longe demais e não responde a problemas como estes citados ou à emergência climática. Recentemente, uma pesquisa preparada pelo Gallup e publicada na The Economist revelou que quase metade dos jovens norte-americanos prefere algum tipo de "socialismo" ao capitalismo desenfreado. Isso talvez explique o que está acontecendo em torno de Bernie Sanders nas primárias do Partido Democrata.

O capitalismo de hoje é um capitalismo tóxico e está em crise pelo menos desde o início da Grande Recessão em 2007. Em termos de tendência, o capitalismo fomentou um crescimento rápido; em relação à renda per capita, enriqueceu o mundo de modo quase constante (com picos elevados) e a expectativa de vida atual praticamente duplica a de, por exemplo, dois séculos atrás. O psicólogo norte-americano Steven Pinker foi um dos que destacaram essas tendências positivas: “Se você pensava que o mundo estava chegando ao fim, isto te interessa: vivemos mais e a saúde nos acompanha, somos mais livres e, em resumo, mais felizes; e, embora os problemas que enfrentamos sejam enormes, as soluções estão no ideal do Iluminismo: o uso da razão e da ciência ”(O novo Iluminismo: Em defesa da razão, da ciência e do humanismo, Companhia das letras). Fazendo uso de cifras, Pinker mostra que a vida, a saúde, a prosperidade, a segurança, a paz, o conhecimento e a felicidade têm aumentado não apenas no Ocidente, mas em todo o mundo.

Por que muitos cientistas argumentam que o capitalismo não funciona, apesar das descrições de Pinker? Essencialmente, porque as diferentes desigualdades não param de crescer, polarizam as sociedades e põem em risco a qualidade da democracia. Em alguns textos, argumenta-se que o capitalismo existente é realmente incompatível com a democracia: está ampliando o sentimento do cidadão de que a civilização que conhecemos, baseada na democracia e no debate, está ameaçada. O que torna a situação atual particularmente preocupante é que o espaço para esse debate está diminuindo. Parece haver uma "tribalização" das opiniões, e não só sobre a política, mas sobre quais são os principais problemas sociais e o que fazer com eles.

A principal credencial do capitalismo — melhorar ininterruptamente o padrão de vida de todos — está em xeque. Para quem fica pelo caminho, o capitalismo não está funcionando bem. Por exemplo, metade da geração nascida nos anos 80 está claramente pior do que a geração de seus pais quando tinham a mesma idade. A ansiedade, a raiva e o desespero dessas faixas etárias (e a dos que têm mais de 45 anos que estão sem trabalho) estraçalham as lealdades políticas do passado, qualquer que seja seu signo ideológico. A síndrome do declínio pessoal começa com a perda de um emprego satisfatório. A apoteose do capitalismo atual teria por base, em boa medida, a crescente fraqueza do poder da força de trabalho (os assalariados e os sindicatos). Desde antes da Grande Depressão dos anos 30 do século XX, não havia voltado a acontecer, em escala tão grande, que o segmento mais abastado da sociedade retivesse uma parcela maior da renda. Joseph Stiglitz diz, referindo-se aos EUA, mas com validade quase universal, que "evoluímos de maneira resoluta em direção a uma economia e uma democracia do 1%, pelo 1% e para o 1%". É por isso que o Prêmio Nobel de Economia abomina a política de Donald Trump e considera que as políticas públicas ativas que deveriam ser praticadas são a antítese das existentes, uma espécie de mistura contemporânea de Teddy Roosevelt (presidente republicano) e Franklin Delano Roosevelt (presidente democrata).

Os fossos que dividem a sociedade são tão profundos (entre o campo e a cidade, as elites qualificadas e aqueles que não tiveram acesso ao ensino superior, os ricos e os pobres, homens e mulheres, e o fosso de expectativas que as classes médias abrigam ...) que ele avalia que o gradualismo para transpô-los é inadequado, porque esta é uma época de mudanças fundamentais em que são necessárias transformações drásticas no âmbito de uma democracia sólida que restrinja o poder político da riqueza concentrada em poucas mãos. Deve-se abandonar a confiança cega e errônea na "economia do gotejar", que prega que, no final, todos se beneficiam do gotejar. A experiência empírica diz que os benefícios do crescimento muitas vezes não chegam a todos.

Do conjunto de livros analisados se desprende uma ideia com força: um arrazoado contra o capitalismo abusivo de nossos dias, que governa para as elites. Existe o poder de reconstruir os fundamentos do capitalismo, mas não há uma alternativa viável, e aquelas que se tentou colocar em prática tiveram resultado pior e, em alguns casos, muito piores. É preciso fugir do que Paul Krugman chama de "ideias zumbis", as ideias que vão desabando, arrastando os pés e devorando o cérebro das pessoas, apesar de terem sido refutadas pelas evidências. Por exemplo, a ideia insistente (e ideológica) de que tributar os ricos é extremamente destrutivo para a economia como um todo, ou que cortes de impostos das rendas mais altas vão gerar um crescimento econômico miraculoso. Ou a dos que se opõem a que os Governos desempenhem um papel maior na gestão da economia, argumentando que esse papel não só é imoral, mas também contraproducente e até tumoral. E se os dados não endossam sua opinião, eles atacam tanto os dados como aqueles que os apresentam.

Krugman não é otimista porque entende que, em nossos dias, aceitar o que os dados dizem sobre uma questão econômica é considerado, em muitos casos, um ato partidário. Mesmo fazer certas perguntas também é visto como um ato partidário. Ele se apoia no sociólogo David Patrick Moynihan, quando escreveu que "todo mundo tem o direito de ter sua própria opinião, mas não seus próprios fatos".

Ler tanta literatura sobre a saga e a fuga do capitalismo atual nos permite estabelecer uma analogia entre "o fim da história" de Fukuyama, do início dos anos 90, e o "fim do capitalismo" dos anos 20 do século XXI. Essa segurança que viria com a vitória do liberalismo sobre o autoritarismo se tornou uma insegurança global e multiplicação da vulnerabilidade individual. Não se pode separar a economia da política se se pretende avançar no exame preciso das circunstâncias. A economia é importante demais para ser deixada somente para os economistas.

'Capitalism alone – The future of the system that tules the world’ (Capitalismo, nada mais - O futuro do sistema que domina o mundo)
Autor: Branko Milanovic
Editora: Harvard University Press, 2019.
Formato: capa dura (286 páginas), audiobook e ebook.

'Civilized to death: The price of progress' (Civilizados até a morte: O preço do progresso)
Autor: Christopher Ryan.
Editora: Avid Reader Press / Simon & Schuster, 2019.
Formato: capa comum (304 páginas) e e-book.

'Good economics for hard times' (Boa economia para tempos difíceis)
Autores: Abhijit V. Banerjee e Esther Duflo.
Editora: PublicAffairs , 2019.
Formato: Capa dura (432 páginas) e ebook.

'Capital et idéologie' (Capital e Ideologia)
Autor: Thomas Piketty.
Editora: Seuil, 2019.
Formato: capa comum (1.232 páginas).

'People, power and profits: Progressive capitalism for an age of discontent' (Pessoas, poder e lucro: Capitalismo progressista para uma Era de descontentamento)
Autor: Joseph E. Stiglitz.
Editora: W. W. Norton & Company, 2019.
Formato: capa dura (366 páginas), capa comum, e-book e audiobook

'O futuro do capitalismo: Enfrentando as novas inquietações'
Autor: Paul Collier.
Tradutora: Denise Bottmann
Editora: L&PM, 2018.
Formato: capa comum (302 páginas) e ebook.

'Arguing with zumbis: Economics, politics, and the fight for a better future' (Discutindo com zumbis: economia, política e a luta por uma futuro melhor)
Autor: Paul Krugman.
Editora: W. W. Norton & Company, 2020.
Formato: capa dura (464 páginas), audiobook e ebook.

'Excesos' (Excessos)
Autor: Emilio Ontiveros.
Editora: Planeta, 2019.
Formato: capa comum (320 páginas) e ebook.

'Is capitalism working?: A primer for the 21st century (The big idea)'
Autores: Jacob Field E Matthew Taylor.
Editora: Thames and Hudson, 2018
Formato: capa comum (144 páginas).

'Sombras – A desordem financeira na era da globalização'
Autores: Michael Ash e Francisco Louçã.
Editora: Bertrand Editora, 2017.
Formato: capa comum (600 páginas).

'Capitalismo. Crisis y reinvención' (Capitalismo. Crises e Reinvenção)
Autor: Ramón Casilda Béjar.
Editora: Tirant Humanidades, 2019.
Formato: capa dura (532 páginas).

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Refundar o capitalismo (outra vez) - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV