Henry Sobel foi o arquiteto do judaísmo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma heresia pós-moderna: o uso distorcido da religião para sustentar teorias da conspiração

    LER MAIS
  • O testamento de Dom Jacques Noyer, bispo francês. “O celibato eclesiástico é uma falsa aventura”

    LER MAIS
  • As grandes mulheres por trás das vacinas contra o Covid

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Novembro 2019

"Anônimo para a justiça ser visível, discreto para a igualdade vir à tona, o nosso rabino se despede".

O artigo é de Maria Carpi, poeta e autora do livro O que está por vir (AGE), publicado por Zero Hora, 26-11-2019.

Eis o artigo.

O destino apagou uma das velas de nossa inteligência: Henry Sobel, rabino emérito da Congregação Israelita Paulista, faleceu na sexta-feira.

Apagou a chama, mas jamais extinguirá o fogo de sua luta pelos Direitos Humanos. Sobel demonstrava empatia incomum com o sofrimento do próximo. Talvez porque tenha nascido em Lisboa sob o signo da perseguição – o seu pai belga e a sua mãe polonesa fugiram das garras nazistas na Segunda Guerra Mundial. Após formação nos Estados Unidos, seguiu para o Brasil, jovem, longilíneo, sonhador, permanecendo por aqui mais de quatro décadas.

Falava soletrado, com um português lento e paciente, de quem domou o idioma de Machado de Assis pela ternura.

Nossa amizade nasceu numa conferência sobre o filósofo francês Emmanuel Levinas, na PUC. Emocionou-me profundamente o seu testemunho sobre o Papa da Paz, João XXIII. Ficamos por alguns momentos de mãos dadas orando, irmãos silenciosos da palavra.

E nunca serão desmanchados os passos de fraternidade dados por ele em vários episódios difíceis de nossa história pátria.

Sua ética era própria do judaísmo dos profetas. Viver significava lembrar, a cada nova pegada, de onde viemos.

Ninguém esquece quando, junto com dom Paulo Evaristo Arns e o presbiteriano Wright, esclareceu o falso suicídio do jornalista Vladimir Herzog, forjado pelos órgãos de repressão da ditadura.

Ainda compareci em outros eventos com o amigo. Durante o Movimento dos “Focolares”, um detalhe sutil e imperceptível me prendeu a atenção e revelou o crepitar de sua alma. Ele tirou o solidéu de sua cabeça e o colocou sobre Chiara Lubich, fundadora do movimento de Paz e União na Itália. Num simples gesto, humildemente espalhou a sua função protetiva a todos os presentes.

Arquiteto do judaísmo, Sobel é modelo vivo do livro A Estrela da Redenção, de Franz Rosenzweig, unindo o Antigo e o Novo Testamento, o povo da promessa e o povo do caminho.

Mostrou-se ecumênico em sua trajetória israelita. Semeou a concórdia, reuniu os grãos da esperança, realizou a colheita da tolerância.

Anônimo para a justiça ser visível, discreto para a igualdade vir à tona, o nosso rabino se despede. Enrolamos o papiro de sua vida com o fio prateado da gratidão.

Shalom!

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Henry Sobel foi o arquiteto do judaísmo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV