Lutero, o místico. Artigo de Gianfranco Ravasi

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Vandana Shiva: “Temos de destruir o mito de que a tecnologia é uma religião que não pode ser questionada”

    LER MAIS
  • III Jornada Mundial dos Pobres: o papa almoçará com 1500 convidados

    LER MAIS
  • “Em um Brasil deserto de lideranças, Lula vai fazer a festa”, afirma o cientista político Jairo Nicolau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Outubro 2017

Em Lutero, “palpitava uma veia constante de mística que o fazia confessar: diante de Deus, ‘somos todos mendicantes’”.

A opinião é do cardeal italiano Gianfranco Ravasi, presidente do Pontifício Conselho da Cultura, em artigo publicado por Il Sole 24 Ore, 29-10-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

“Ó amado Pai, acolhe a minha cara e pobre alma em teus braços! Agradeço-te e te bendigo com todas as criaturas. Embora, para mim, tenha chegado o fim, conserva longamente a tua palavra! Abençoa-me, amado Deus, na morte e na vida.”

No dia 31 de outubro de 500 anos atrás, eram afixadas na porta da igreja do Castelo de Wittenberg as célebres 95 teses com as quais Lutero dava início a um dos eventos capitais da cristandade e da própria civilização ocidental, ou seja, a Reforma protestante. A imagem sanguínea que o pintor Lucas Cranach (imagem acima) nos deixou é confirmada, muitas vezes, pelas páginas candentes do Reformador.

Porém, nele palpitava uma veia constante de mística que o fazia confessar: diante de Deus, “somos todos mendicantes”. Até mesmo a docíssima invocação à beira da morte que citamos acima é o testemunho de um fim que desemboca na confiança amorosa.

“Como criança desmamada no colo de sua mãe, assim é a minha alma”, cantava o Salmista (131, 2). É o dom raro da serenidade da consciência, precioso para crentes e não crentes.

Escrevia ainda Lutero: “A misericórdia de Deus é como o céu que sempre permanece firme acima de nós. Debaixo desse telhado, estamos seguros onde quer que nos encontremos”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Lutero, o místico. Artigo de Gianfranco Ravasi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV