O genocídio israelense: suprema expressão do paradigma moderno? Artigo de Leonardo Boff

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

09 Novembro 2023

"Qual foi a grande errância do paradigma da vontade de poder-dominação? Foi de colocar exclusivamente todo o peso e todo o valor na razão instrumental-analítica. Recalcou todas as demais formas de conhecimento, exercidas pela humanidade: a sensibilidade, o amor, a razão simbólica, entre outras. Essa exclusão gestou a ditadura da razão. Irrompeu o racionalismo e a demência da razão. Pois somente uma razão demente pode devastar a Terra, irmã e Mãe que tudo nos dá, a ponto de ela mostrar seus limites intransponíveis". 

O artigo é de Leonardo Boff, teólogo, filósofo e escritor. 

Eis o artigo. 

Vamos direto ao assunto. A retaliação do estado de Israel ao ato de terror em de 7 de outubro perpetrado pelo Hamas da Faixa de Gaza foi profundamente desproporcional. Tinham o direito de autodefesa garantido legalmente. Mas a pretexto de caçar e matar terroristas acionaram seu sofisticado arsenal bélico. Foram destruídas centenas de edifícios, assassinados milhares de inocentes crianças, mulheres e um sem número de civis. Não se trata de uma guerra, mas de um verdadeiro genocídio e limpeza étnica como foi denunciado pelo secretário da ONU António Guterres. Ele afirmou “que a Faixa de Gaza se transformou num cemitério de crianças”. Hoje já é consenso entre os melhores analistas e notáveis humanistas.

Nenhum órgão internacional e nenhum país saiu em defesa dos desesperados palestinos, revelando a completa insensibilidade, particularmente da União Europeia, aliada e súcuba dos Estados Unidos. Imbuída do espírito do poder/dominação, nada faz, como se pertencesse à guerra, todo tipo de crimes, inclusive o genocídio, como durante séculos o fizeram mundo afora. O presidente Joe Biden declarou apoio incondicional a Israel, o que equivale a dar carta branca para Israel fazer uma guerra de autodefesa ilimitada, usando todos os meios. A humanidade está aterrorizada face ao quadro de extermínio e de morte na Faixa de Gaza.

Estamos face à total irracionalidade e assustadora desumanidade. Por mais que nos custe aceitar, devemos dizer, especialmente nós que vivemos do Grande Sul, outrora colonizado e hoje submetido a uma recolonização, que o presente genocídio está inscrito no paradigma ocidental mundializado.

Este perdura já há séculos e é ainda vigente. Por que fazemos uma afirmação assim tão explícita?

Sigam o seguinte raciocínio: qual é o sonho maior e a grande utopia que davam e dão ainda sentido ao mundo moderno já há mais de três séculos? Era e continua sendo o desenvolvimento ilimitado, a vontade de poder como dominação sobre os outros, as classes, as terras a conquistar, sobre outras nações, sobre a natureza, a matéria até o último topquark e a própria vida no seu derradeiro gene e sobre toda a natureza nos seus biomas e em sua biodiversidade. A centralidade é ocupada pela razão. Só é aceito o que passar por seus critérios. Mais que o “cogito, ergo sum” (penso, logo sou) de Descartes é o “conquero, ergo sum” (conquisto, logo sou) de Hernan Cortez, conquistador e destruidor do México que expressa a dinâmica da modernidade.

Os papas da época, Nicolau V (1447-1455) e Alexandre VI (1492-1503), conferiram legitimação divina ao espírito de dominação dos europeus. Em nome de Deus, concederam às potências coloniais da época, aos reis de Espanha e Portugal, “a faculdade plena e livre para invadir, conquistar, combater, vender e submeter os pagãos e se apropriar e aplicar para uso e utilidade de seus reinos, domínios, possessões e bens deles descobertos e a descobrir... pois é obra bem aceita pela divina Majestade que se abatam as nações bárbaras e sejam reduzidas à fé cristã” (P. Sues, A conquista espiritual da América Espanhola, documentos, Petrópolis 1992, p. 227).

Francis Bacon e Descartes, entre outros fundadores do paradigma da modernidade, não pensavam outra coisa que os papas: o ser humano, deve ser “mestre e dono da natureza” que não possui propósito nenhum, pois, é apenas uma mera coisa extensa (“res extensa” de Descartes) colocada à nossa disponibilidade. Deve-se “meter a natureza numa cama de força, pressioná-la para que entregue seus segredos; devemos colocá-la a nosso serviço como uma escrava” (Francis Bacon).

Para que tudo isso? Para nos desenvolvermos e sermos felizes, pretendiam. A ciência e a técnica, a tecnociência, foram e ainda são os grandes instrumentos do projeto de dominação. Para submeter à dominação, tinham que desqualificar os submetidos e colonizados: estão mais do lado dos animais do que dos humanos, são sub-humanos. Recordemos a famosa discussão do grande Las Casas com Sepúlveda, o educador dos reis espanhóis. Este último sustentava que os povos originários da América Latina não eram humanos e duvidava que possuíssem alma. Algo parecido afirmou o ministro da Defesa israelense, Y. Gallant, acerca dos terroristas de Gaza: são “animais-humanos e como tais devem ser tratados”. Os nazistas comparavam os judeus a ratos a serem erradicados.

O homem ocidental europeu, filho do paradigma do poder/dominação, possui imensa dificuldade de conviver com o diferente. A estratégia costumeira é marginalizá-lo ou incorporá-lo ou eventualmente, eliminá-lo. Nesta visão de mundo deve-se sempre definir quem é amigo e quem é inimigo. A este cabe difamar, combater e liquidar (o jurista de Hitler, Carl Schmitt). Não admira que os europeus cristianizados produzissem as principais guerras no continente ou nas colônias, causando mais de 200 milhões de mortos. Seu cristianismo foi apenas um ornato cultural, nunca uma inspiração do Nazareno para uma relação fraterna e para uma ética humanitária.

Todos, com razão, se horrorizam com o Holocausto que levou 6 milhões de judeus às câmaras de gás dos nazistas. Mas vejamos o pavoroso Holocausto ocorrido na América Latina (Abya-Yala na linguagem dos povos centro-americanos). No espírito de conquista-dominação da América Latina, entre os anos de 1492-1532 e nos EUA a partir de 1607, os colonizadores europeus cometeram o maior extermínio jamais feito: mortos por doenças dos brancos ou assassinados foram 61 milhões de povos originários: do Caribe (4 milhões), do México (23 milhões), dos Andes (14 milhões), do Brasil (4 milhões) e dos Estados Unidos (16 milhões). É o que comprova a pesquisa mais recente de Marcelo Grondin e Moema Wiezzer, Abya Yala: genocídio, resistência e sobrevivência dos povos originários das Américas” (Ed. Bambual, RJ, 2021). Este nosso Holocausto, segundo o historiador e filósofo alemão Oswad Spengler (1880-1936), deslegitima qualquer credibilidade aos europeus e à Igreja associada ao projeto colonial, de falar em dignidade humana. Matou-se com a espada e com a cruz.

À base deste tipo de dominação surgiu o capitalismo, como modo de produção excludente, sua financeirização e cultura. É crime contra a natureza e contra a humanidade que oito pessoas, segundo a Oxfam Internacional, possuam a mesma riqueza que a metade mais pobre da população mundial. Essa absurda acumulação tolera que se deixem anualmente morrer de fome milhares e milhares de crianças.

É neste contexto, penso, que deve se entender o atual genocídio perpetrado pelo Estado sionista de Benjamin Netanyahu. Está inscrito na lógica do paradigma ocidental. Depois da última guerra (1939-1945), construíram-se armas de destruição em massa, a ponto de ter-se criado o princípio de autodestruição. A razão tornou-se totalmente irracional. A marcha da irracionalidade está tomando conta do curso do mundo para além do que está ocorrendo entre Israel e a Faixa de Gaza. Com lucidez o Papa Francisco, em sua encíclica Como cuidar da Casa Comum (Laudato Si' de 2015), viu no paradigma tecnocrático dominante a raiz da atual e ameaçadora crise ecológica mundial (n. 101 ss).

Qual foi o grande erro do paradigma da vontade de poder-dominação? Foi de colocar exclusivamente todo o peso e todo o valor na razão instrumental-analítica. Recalcou todas as demais formas de conhecimento, exercidas pela humanidade: a sensibilidade, o amor, a razão simbólica, entre outras. Essa exclusão gestou a ditadura da razão. Irrompeu o racionalismo e a demência da razão. Pois somente uma razão demente pode devastar a Terra, irmã e Mãe que tudo nos dá, a ponto de ela mostrar seus limites intransponíveis. Pior ainda, a razão enlouquecida criou para si os meios de sua completa autodestruição com as armas que podem erradicar a vida humana sobre a Terra.

Mas qual foi o erro maior? Foi ter recalcado e eliminado a parte mais ancestral e essencial de nossa realidade. Em nome da objetividade do olhar da razão, eliminou a emoção e o coração. Com isso deslegitimou a nossa dimensão de sensibilidade, nossa capacidade de afetos. É o coração que sente, ama e estabelece laços de cuidado para com os outros e para com a natureza. Não se ouve o pulsar do coração que identifica valores e funda uma ética cordial e humanitária.

Bem dizia o Papa Francisco em sua primeira viagem, à Lampedusa para onde chegavam os fugitivos da guerra na Ásia Menor ou na África: “o homem moderno perdeu a capacidade de chorar e de sentir o outro como seu semelhante”. Pelo fato de Netanyahu e seu governo não reconhecerem humanidade nos palestinos de Gaza e muito menos nos terroristas do Hamas, decidiu, praticamente, exterminar estes últimos com os meios letais mais modernos. Assim chegamos ao extremo do paradigma da modernidade. Ela está propensa a deslanchar uma guerra global na qual a humanidade pode desaparecer e grande parte da natureza.

Como sair desse impasse? Antes de mais nada, precisamos resgatar os direitos do coração. Não basta o logos, precisamos do pathos. Devemos nos encher de veneração face à grandeur do universo e de respeito diante do mistério de cada ser humano, feito irmão e irmã e companheiro/a de aventura terrenal. Necessitamos, sim, da razão para fazer frente à complexidade das sociedades contemporâneas. Mas não do despotismo da razão. Esta deve ser enriquecida pela razão sensível e cordial. Mente e coração unidos podem mutuamente se equilibrar e destarte evitar as tragédias das guerras e os genocídios de nossa sangrenta história, particularmente, este que, estarrecidos, estamos vivenciando seja na Terra Santa e, em especial, o genocídio cometido na Faixa de Gaza pelo atual governo de Israel. Que o céu ouça o choro das crianças que sob os escombros perderam pai, mãe, irmãos e irmãs. Fizeram-se sobreviventes da grande tribulação (cf. Apoc 7,14) e nos encham de compaixão.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O genocídio israelense: suprema expressão do paradigma moderno? Artigo de Leonardo Boff - Instituto Humanitas Unisinos - IHU