“O mundo pode testemunhar isso e ficar em silêncio?”

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

08 Novembro 2023

O diretor do Hospital Indonésio de Gaza lança uma mensagem desesperada: eles precisam de combustível em menos de 24 horas. A OMS confirma que as proximidades de vários hospitais foram bombardeadas por Israel.

A reportagem é de Mahmoud Mushtaha, publicada por ctxt, 07-11-2023.

Pelo trigésimo segundo dia consecutivo, Israel continua seus ataques contra Gaza. Seu objetivo parece ser a erradicação de toda forma de vida na Faixa de Gaza e o deslocamento forçado de sua população. Como denunciado há algumas horas por António Guterres, secretário-geral da ONU, "as operações terrestres das Forças de Defesa de Israel e os contínuos bombardeios estão afetando civis, hospitais, campos de refugiados, mesquitas, igrejas e instalações da ONU". Os bombardeios israelenses são cuidadosamente planejados e incluem comboios de deslocados e serviços de saúde. "Ninguém está seguro!", alerta Guterres. Ao mesmo tempo, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, ameaçou manter "indefinidamente" o controle militar sobre a Faixa. "Vimos o que acontece quando não o temos".

O Dr. Atef Al-Kahlot, diretor do Hospital Indonésio, construído com fundos da organização indonésia Medical Emergency Rescue Committee (Mer-C) no norte da Faixa e agora foco das acusações de Israel sobre a suposta existência de túneis do Hamas em suas instalações, fala sobre as terríveis condições dos pacientes na unidade de terapia intensiva enquanto não consegue conter as lágrimas. O profissional de saúde afirma que quer enviar "uma mensagem a todos que têm consciência" e detalha o estado trágico do sistema de saúde de Gaza, consequência da agressão e do bloqueio contínuo impostos pelas forças de ocupação israelenses.

Num apelo desesperado, o diretor do hospital enfatiza a necessidade de combustível nas próximas 24 horas para evitar uma catástrofe humanitária iminente e expressa sua angústia ao testemunhar pacientes à beira da morte implorando por cirurgias. "O mundo pode ser testemunha disso e permanecer em silêncio?", pergunta ele.

A escassez de combustível causou cortes de eletricidade em várias áreas do hospital, enquanto Israel continua acusando a resistência palestina de usar instalações médicas como fachada para atividades militares. A incitação contínua contra os centros de saúde de Gaza gerou uma preocupação generalizada no Hospital Indonésio de que ele possa ser bombardeado, como ocorreu com o Hospital Al-Mamadani. Isso ocorre enquanto o exército de ocupação continua atacando hospitais e instalações de saúde sem aviso prévio.

A Faixa de Gaza enfrenta atualmente uma crise humanitária sem precedentes. Essa situação é agravada pela interrupção de serviços essenciais, como eletricidade e água, pela grave escassez de suprimentos médicos e pelo colapso do sistema de saúde.

Os incessantes ataques aéreos israelenses causaram 10.328 vítimas, incluindo 4.412 crianças e 2.761 mulheres. Outros 2.260 residentes de Gaza estão desaparecidos, dos quais 1.270 são crianças. A maioria deles está morta sob os escombros de edifícios destruídos pelos bombardeios israelenses.

Médicos Sem Fronteiras calcula que mais de 25.000 pessoas sofreram ferimentos, muitos deles graves, e há muitos pacientes com queimaduras. Enquanto isso, 16 dos 35 hospitais da Faixa pararam de funcionar, e 51 dos 72 centros de atendimento primário do enclave também não atendem mais pacientes devido à falta de eletricidade e combustível. A Organização Mundial da Saúde confirma que as proximidades de vários hospitais foram bombardeadas por Israel.

A superlotação, a escassez de água potável e a falta de medicamentos levantam preocupações sobre várias epidemias. A ONU já registrou mais de 22.000 casos de infecções respiratórias agudas e 12.000 casos de diarreia, juntamente com um aumento de casos de varicela. Essas epidemias podem ser mortais, especialmente para crianças menores de cinco anos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O mundo pode testemunhar isso e ficar em silêncio?” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU