Se sobrevivermos às bombas, o que restará das nossas vidas?

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

27 Outubro 2023

"Meu amigo, morto em consequência de um ataque aéreo israelense, sonhava em viajarmos juntos pelo mundo. Em Gaza, ninguém pode garantir que ainda estará vivo nas próximas horas", relata Mahmoud Mushtaha, jornalista, em artigo publicado por Revista +972 e republicado por CTXT, 25-10-2023. A tradução é de Paloma Farré.

Eis o artigo.

“Ainda estamos bem.”

Esta é a última mensagem que recebi do meu amigo íntimo, Yousef Dawas, morto juntamente com a sua família em 14 de outubro, durante ataques aéreos indiscriminados israelenses contra casas de civis no norte da Faixa de Gaza. Eu havia enviado uma mensagem para ele no WhatsApp no ​​início do ataque israelense; Com a sua resposta, tive a sensação de que Yousef sabia que seria uma vítima nas próximas horas, que Yousef teve a sensação insuportável que todos nós temos de esperar pela morte.

Yousef era jovem, de apenas 20 anos, com talento para tocar violão e um sorriso capaz de iluminar até os dias mais sombrios. Ele era mais que um amigo, ele era meu irmão. Ele era lindo não só pela aparência, mas pela graça com que transmitia seus sonhos. Compartilhamos nossos sonhos.

Yousef sempre me disse: “Temos que ver o mundo fora de Gaza”. Sonhamos em viajar juntos. Mas face aos contínuos ataques de Israel contra a Faixa, não podemos sonhar, não podemos planejar o nosso futuro. Você não pode planejar o que fará nem nas próximas horas, porque sua vida está nas mãos de um soldado israelense que reduz seus sonhos a escombros.

Perder Yousef foi um golpe devastador e me deixou atormentado pelo medo de perder mais amigos. Os incessantes ataques aéreos de Israel são um lembrete constante de que estamos a lutar para sobreviver. A questão que paira sobre as nossas cabeças como uma nuvem negra é: “Se sobrevivermos a esta guerra, como continuaremos a viver normalmente?”

Dois dos meus familiares, Kamal e Mohammed, ficaram presos sob os escombros de um ataque aéreo israelense durante cinco dias agonizantes e permanecem lá. Os recursos da Defesa Civil Palestina são lamentavelmente insuficientes em comparação com a magnitude da destruição causada pelos bombardeamentos israelenses. Não sabemos se Kamal e Mohammed ainda estão vivos ou mortos, enterrados sob o peso dos edifícios destruídos.

A angústia de não saber o paradeiro dos entes queridos é uma experiência partilhada entre os habitantes de Gaza. Dada a brutalidade da agressão israelense e a magnitude da destruição, mais de 1.000 corpos permanecem presos sob os escombros, segundo a Defesa Civil Palestina.

Perante a violência implacável que nos envolveu, deparo-me com um profundo dilema. O medo de perder outra pessoa é quase impossível de suportar. Prefiro enfrentar a morte do que testemunhar a dor de outra perda. Mas como podemos nós, como sobreviventes deste trauma, no 18º dia do ataque israelense, encontrar uma forma de recompor as nossas vidas?

As nossas vidas em Tal el-Hawa, o nosso bairro na Cidade de Gaza, estão destruídas e soterradas sob os escombros da guerra. A situação em Gaza, e particularmente na minha vizinhança, é terrível. As necessidades básicas tornaram-se bens escassos. Não há água, nem eletricidade, nem comida. As mercearias que antes estavam cheias de vida estão agora abandonadas e o aroma do pão fresco desapareceu à medida que as padarias fechavam por falta de combustível.

Os transportes em Tal el-Hawa estão paralisados. Mesmo que você queira evacuar para lugares supostamente mais seguros, você não pode. Muitos táxis pararam de funcionar devido ao perigo de serem alvos aleatórios de ataques aéreos israelenses e porque estão sem gasolina. Tivemos de enfrentar a dura realidade da privação enquanto Israel continua a impor-nos um cerco cruel. Nossas vidas foram reduzidas a uma mera luta pela sobrevivência.

Nos últimos dias estive sem Internet e sem eletricidade; Ele havia perdido contato com o mundo. Eu não consegui escrever nada. Não consegui organizar meus pensamentos. Nunca imaginei que viveria nessas circunstâncias; Ao longo da minha vida, sempre busquei uma forma de construir um futuro melhor e realizar meus sonhos através do trabalho e do sucesso.

Quando fui ao hospital para carregar as baterias do meu laptop e celular, e sentei em uma sala mal iluminada para escrever esta história, não pude deixar de me perguntar se seria a última que eu escreveria. Ninguém pode garantir que ainda estarei vivo nas próximas horas.

Agora, ao percorrer as redes sociais, tenho medo de descobrir que outras pessoas que amamos morreram. Minha única esperança agora é ficar segura com minha família e ver meus amigos sonharem novamente depois da guerra.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Se sobrevivermos às bombas, o que restará das nossas vidas? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU