Bispo belga está “envergonhado” pela Igreja e pede desculpas pela proibição do Vaticano às bênçãos a casais homossexuais

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • A geração Z é a geração ‘do Fim do Mundo’. Entrevista com Carlos Tutivén Román

    LER MAIS
  • Celibato dos padres no centro do Sínodo. O caso dos abusos impulsiona as reformas

    LER MAIS
  • “A Renda Básica não é em si uma proposta antitrabalho”. Entrevista com Alberto Tena

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Março 2021

 

Um bispo na Bélgica afirmou que um membro do seu episcopado expressou discordância com o Vaticano sobre a bênção a casais homossexuais – proibida por Roma na segunda-feira.

A reportagem é de Robert Shine, publicada por New Ways Ministry, 18-03-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Dom Johan Bonny, da Diocese de Antuérpia, escreveu uma carta aberta sobre a proibição da Congregação para a Doutrina da Fé, publicada no jornal De Standaard:

“Eu me sinto envergonhado pela minha Igreja. Eu principalmente sinto uma incompreensão moral e intelectual”, disse Bonny.

“Eu queria pedir desculpas a todos aqueles que sentem esse responsum como doloroso e incompreensível. Suas dores com a Igreja são as minhas hoje”, escreveu.

“O documento carece de base científica, nuances teológicos e cuidados éticos, em particular na passagem que afirma, ‘no plano de Deus não é remotamente possível semelhança ou mesmo analogia entre casamento heterossexuais e homossexuais”, ele escreveu.

“Eu conheço casais gays, em casamentos civis, com filhos, que formam uma família estável e harmônica, e que também participam ativamente da vida paroquial”, escreveu. “Alguns deles são empregados ativos da igreja. Eu sou muito grato a eles. Quem está interessado em negar que não é possível semelhança ou analogia com um casamento heterossexual aqui?”, continuou.

“O pecado é uma das mais categorias morais e teológicas mais difíceis de definir, e, portanto, uma das últimas é separar os indivíduos e a sua maneira de viver juntos”, disse Bonny

Bonny fez história em 2014 ao se tornar o primeiro bispo católico a pedir explicitamente que a igreja abençoasse casais do mesmo sexo. Participante do Sínodo sobre a Família de 2015, ele disse ao New Ways Ministry que era melhor que as questões LGBTQ não fossem levantadas no documento final desse evento com muito destaque, mas que ele iria pessoalmente abordar essas questões.

De acordo com o National Catholic Reporter, neste último artigo, Bonny sugeriu que o documento responsum do Vaticano “não chega nem ao nível do ensino médio” intelectualmente e “você vê percebe” pelos argumentos e lógica do documento.

Bonny acrescentou que a forma como a Igreja trata da igualdade no casamento “só pode ocorrer no contexto mais amplo da Ordem de Serviço para o Casamento, como uma eventual variação do tema do casamento e da vida familiar, com um reconhecimento honesto das semelhanças e diferenças reais”.

Notavelmente, devido à sua formulação contundente, Bonny aparentemente recebeu o apoio da Conferência Episcopal da Bélgica. Em um comunicado, a Conferência disse que os bispos do país “tomaram nota” da proibição da Congregação para a Doutrina da Fé:

“[Os bispos] percebem que isso é particularmente doloroso para muitos fiéis gays, seus pais e avós, suas famílias e amigos”.

“Durante anos, a comunidade da Igreja Católica de nosso país em todas as suas seções (bispos, padres, diáconos e agentes pastorais, teólogos, cientistas, políticos e assistentes sociais), junto com outros atores sociais, tem trabalhado por um clima de respeito, reconhecimento e integração. Muitos deles também estão comprometidos com uma instituição eclesiástica ou cristã. Os bispos incentivam seus associados a seguir por este caminho. Sentem-se apoiados na exortação Amoris laetitia, A alegria do amor, que o Papa Francisco escreveu depois do Sínodo dos Bispos de 2015: discernir, orientar e integrar; essas continuam sendo as palavras-chave mais importantes para os bispos”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispo belga está “envergonhado” pela Igreja e pede desculpas pela proibição do Vaticano às bênçãos a casais homossexuais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV