Papa Francisco é o anjo da guarda da ambivalência dos fiéis

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Sturm und drang: quando um vigário geral abandona a Igreja

    LER MAIS
  • Por um humanismo bioecocêntrico e libertador. Artigo de Santiago Villamayor, José Arregi et alii

    LER MAIS
  • É preciso mudar o olhar sobre a globalização. Duas economistas em Davos confirmam que os ventos mudaram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Março 2021

Francisco é uma pessoa do povo cuja identidade com o magistério dificulta sua capacidade de discordar de papas anteriores ou de atacar por conta própria. Em comparação, ele não se esquiva de criticar comportamentos que acredita que reduzem ou traem o tratamento evangélico dos outros. O alvo principal é o clericalismo, a imposição de hábitos autoritários e atitudes superiores que inibem as qualidades cristãs de dignidade e integridade. Suas críticas também se estendem às preocupações seculares, como direitos humanos, exploração econômica e destruição ambiental”, escreve Ken Briggs, escritor sobre religião dos jornais Newsday The New York Times, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 12-03-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Segundo ele, "Francisco é uma presença criativa que responde a pessoas com lealdades mistas, com prioridades que não se encaixam perfeitamente juntas, e pode projetar apoio para todos aqueles que precisam ver sua ambivalência e aceitá-la. O papa pode ser alguém que está tentando descobrir algumas coisas, em vez de ser um puro exemplo de um ser superior. Francisco nunca parece querer ser retratado dessa forma. É o que gera seu toque comum. Francisco é o seu amigo ambivalente em busca de reconciliação, que também não pretende ter todas as respostas. E dá a você o espaço para ser humanamente inseguro enquanto ele tenta se doar - na estrada, ao seu lado"

 

Eis o artigo.

 

O Papa Francisco mostra um lado enigmático quando enfrenta questões de gênero e sexualidade. Ele é, ao mesmo tempo, a alma compassiva para muitos dissidentes da igreja e o defensor rígido das leis da Igreja, uma mente aberta para o sofrimento humano e a crise terrena, enquanto o instinto reformista estagna no ensino católico normal.

O aparente paradoxo capturou a atenção mundial logo no início do papado de Francisco, quando ele respondeu à questão de uma repórter sobre a atividade homossexual, considerada imoral pela doutrina católica. “Quem sou eu para julgar?”, sua famosa resposta. Isso foi aclamado por alguns como uma redefinição da ética da igreja e visto por outros como uma forma de dizer que ele não estava se posicionando sobre a atividade gay porque os papas anteriores já a haviam julgado imoral. O Papa João Paulo II havia reforçado de forma chocante essa censura em 1986, insistindo que os católicos nunca seriam levados a “acreditar que viver de acordo com essa orientação é uma opção moralmente aceitável. Não é”. Talvez Francisco estivesse insinuando verbalmente que a mudança não era adequada, mas ele não disse isso.

O papa aparentou ambivalência semelhante em relação a outros debates acalorados sobre o ensino da Igreja, simpatizando com aqueles que estão fora da lei da Igreja, enquanto se abstém de reformar as barreiras. Ele pode chegar perto. Em 29 de janeiro, por exemplo, ele novamente exortou os líderes mundiais para facilitarem a anulação do casamento e prosseguir com as mudanças que havia feito para facilitar o procedimento em 2015. Exibindo sua empatia sem limites, ele repetiu seu apelo pelo bem-estar das crianças afetadas pelo rompimento familiar e exigiu o fim dos encargos financeiros para o procedimento, um fator que se acredita amplamente desencorajar as anulações. Questões importantes, com certeza, mas sem ação afirmando ou encerrando a prática em si, que os oponentes afirmam ser um método estranho que equivale ao divórcio secular por outro nome racionalizado.

“Os cônjuges e os filhos constituem uma comunidade de pessoas”, disse à Assembleia de Roma, “que sempre e certamente se identifica com o bem da família, mesmo quando esta se desintegra”. No centro da aprovação da anulação pela Igreja está a decisão da Igreja de que um casamento “válido” nunca ocorreu de fato, uma conclusão que muitos católicos acreditam ser virtualmente impossível.

Francisco também usou abordagem semelhante, favorecendo melhorias práticas no tratamento das mulheres, celibato e elegibilidade para a comunhão, apelando para um melhor tratamento dos protestantes contra o ensino da Igreja, levantando o espectro da reforma sem alterar a própria política. O calor humano e as boas-vindas de Francisco para com os católicos insatisfeitos os faz acreditar que ele logicamente dará o próximo passo revisando a lei da Igreja. Mas não acontece. Ele parece estar na ponta dos pés até a beirada, mas para por aí.

Certa vez, pensei que essa mudança entre a empatia reflexiva e a aparente conformidade papal fosse uma deficiência, mas não vejo mais dessa forma. Essa ideia é injusta comigo e com todos os outros. Não é errado insistir na consistência onde ela é considerada imperativa, como quando se espera que os professores usem medidas comuns para avaliar os alunos, mas não é razoável exigir, no decorrer das pressões diárias, de apelações concorrentes. Os conflitos surgem inevitavelmente, conscientemente ou não, em qualquer mente, incluindo a do papa. Minhas próprias contradições internas, geralmente não reconhecidas, fornecem minha própria lição objetiva. Forçar a harmonia é apenas um esforço superficial para reconciliar o que não pode ser facilmente consertado.

Portanto, o Papa Francisco parece mais adequado como o anjo da guarda da ambivalência dos fiéis, tão amplamente vivida por católicos e não-católicos. É uma ambivalência muitas vezes confundida com confusão mental. É, antes, uma humildade nascida de diferentes afirmações da verdade sobre as mesmas coisas que competem por nossa lealdade. Acontece entre aqueles que acreditam que o insight moderno obriga a reformas básicas como a ordenação de mulheres, mas sentem a força da tradição que se enraizou anteriormente, aqueles que abraçam o feminismo, mas mantêm algo da afirmação de que a Igreja não pode ordenar mulheres porque “Jesus só escolheu homens”. Ou aqueles que apoiam a admissão total à comunhão de católicos recasados sem anulações, mas não estão totalmente prontos para abandonar os absolutos do catecismo contra isso.

Em algum grau, Francisco pode ser inabalável em seu apoio à conformidade papal e à angústia dos dissidentes como genuína ambivalência. Ele se qualifica como o santo padroeiro dos igualmente problemáticos.

Isso não significa saber onde a ambivalência está e onde não está. Vejo Francisco como um homem de seu tempo, aberto a um vasto estoque de novas ideias e descobertas, um jesuíta e um cidadão do mundo alerta e curioso, cujo aprendizado e paixão lhe permitiram escrever um toque sofisticado de clarim para a crise climática, a “Laudato Si': sobre o cuidado da casa comum”. Como poderia uma mente informada e astuta como a dele não ser persuadida por evidências igualmente poderosas de que as mulheres têm direito à equidade total, do coração ao altar - ou como as descobertas da biologia e da antropologia não o convenceriam a desistir da ambivalência em relação às restrições à homossexualidade contra as quais ele parece se irritar.

O fato de ele não ter reformado esses ensinamentos é para ele discernir. Suspeito que quase todos os seus admiradores e detratores merecem uma ampla aceitação por tensões internas semelhantes. Francisco foi criado nas certezas persistentes do Vaticano I, incluindo sua promulgação da infalibilidade papal. Não apenas dificulta ignorar a autoridade do núcleo da doutrina posta em um catolicismo mais estático, mas também ajustado sobre a consciência, o que já foi bem documentado. Além disso, Francisco é uma pessoa do povo cuja identidade com o magistério dificulta sua capacidade de discordar de papas anteriores ou de atacar por conta própria.

Em comparação, ele não se esquiva de criticar comportamentos que acredita que reduzem ou traem o tratamento evangélico dos outros. O alvo principal é o clericalismo, a imposição de hábitos imperiosos e atitudes superiores que inibem as qualidades cristãs de dignidade e integridade. Suas críticas também se estendem às preocupações seculares, como direitos humanos, exploração econômica e destruição ambiental.

No geral, Francisco é uma presença criativa que responde a pessoas com lealdades mistas, com prioridades que não se encaixam perfeitamente juntas, e pode projetar apoio para todos aqueles que precisam ver sua ambivalência e aceitá-la. O papa pode ser alguém que está tentando descobrir algumas coisas, em vez de ser um puro exemplo de um ser superior. Francisco nunca parece querer ser retratado dessa forma. É o que gera seu toque comum. Francisco é o seu amigo ambivalente em busca de reconciliação, que também não pretende ter todas as respostas. E dá a você o espaço para ser humanamente inseguro enquanto ele tenta se doar - na estrada, ao seu lado.

Ainda estou esperando o dia em que ele terminará seus comentários sobre um assunto polêmico com uma piada impressionante que chegará ao cerne da questão.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco é o anjo da guarda da ambivalência dos fiéis - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV