Trabalho (102)

Os dados do mercado de trabalho formal expõem a gravidade da pandemia no saldo de postos de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre. Apenas quatro meses de pandemia representou um saldo negativo próximo da mesma magnitude de 2015, ano da crise econômica, política e social, da qual ainda não nos recuperamos até hoje. O Rio Grande do Sul é um dos estados do Brasil com o maior número de postos de trabalhos fechados, tal impacto pode ser verificado em Porto Alegre, sendo a quinta capital com maior número…
A Região Metropolitana de Porto Alegre possuía 133,1 mil pessoas ocupando postos de trabalho na área da saúde. Aproximadamente, 77% desse total de trabalhadores da saúde são mulheres, sendo que a maior parte delas recebem até 2 salários mínimos, enquanto a maior parte dos homens estão concentrados na faixa de acima de 20 salários mínimos. Esses dados fazem parte do estudo “Mundo do trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre” desenvolvido pelo Observatório da realidade e das políticas públicas Vale do Rio dos Sinos e o Observatório…
Através dos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados - CAGED, do Ministério da Economia, é possível analisar que a melhora no mercado de trabalho nos municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre foi por conta da modalidade contratual intermitente. Portanto, surge um questionamento importante: qual o perfil destes postos de trabalhos intermitentes? Os dados sobre o número e o perfil dos trabalhadores contratados na modalidade contratual intermitente na Região Metropolitana de Porto Alegre foram sistematizados pelo Observatório da realidade e das políticas públicas…
O estudo realizado pelos alunos do curso de Ciências Econômicas da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos apresenta as características do mercado de trabalho, emprego e desemprego, visando apresentar elementos a nível nacional, estadual, regional e da capital do Rio Grande do Sul.  Abordam os determinantes do rendimento do trabalho, do tempo de desemprego e de posição na ocupação, com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) do segundo trimestre do ano de 2019. Um dos…
No ano de 2018 em Porto Alegre, 16,2% dos jovens não estudavam nem trabalhavam, os ricos possuíam rendimento 15 vezes maior que os pobres, as mulheres tinham uma renda 32% menor que os homens e trabalhadores pretos e pardos ganhavam 54% a menos que os brancos. Estes dados revelam um panorama de profunda desigualdade na realidade porto-alegrense e se tornam um importante instrumento para o debate acerca da formulação e implementação de políticas públicas que objetivem combater a pobreza multidimensional e as históricas desigualdades de…
O mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre apresentou mais admissões do que demissões nos meses de agosto e setembro. Apesar do maior número de trabalhadores jovens, observam-se contratos com remuneração mais baixa, especialmente salários menores que R$ 1.500,00. Para os municípios do Vale do Sinos, destaca-se o enxugamento das contratações no setor da indústria de transformação. Confira abaixo o texto com as informações mais detalhadas do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados - CAGED. Geração e gênero Os dados do Cadastro Geral…
O mercado formal de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre apresentou importantes movimentações no ano de 2018. A região empregou formalmente 1.280.886 trabalhadores, sendo 27% localizados nos catorze municípios da região do Vale do Sinos. Observa-se que quase metade dos assalariados da região metropolitana possuíam ensino médio completo e 47% dos contratados recebiam rendimentos entre 0,50 e 2 salários mínimos. Em contrapartida, o número de contratações entre 2017 e 2018 diminuiu na região do Vale do Sinos: houve uma queda de 4.193 postos de…
Maior contratação de jovens, cargas horárias mais reduzidas e baixos salários são algumas das características do mercado de trabalho formal na Região Metropolitana de Porto Alegre para o primeiro semestre de 2019.  Dados coletados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados revelam um saldo positivo no número de trabalhadores na região, todavia, há uma queda no número de horas trabalhadas semanalmente. Ademais, 72% dos trabalhadores contratados neste período recebem entre 0,50 e 1,50 salário mínimo, apesar da maior contratação de pessoas com ensino superior completo…
Com os dados do mês de maio de 2019 disponibilizados no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – CAGED, o Observatório da realidade e das políticas públicas do Vale do Rio dos Sinos - ObservaSinos, programa do Instituto Humanitas Unisinos – IHU , sistematizou algumas importantes movimentações a respeito do mercado formal de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre. Nota-se que, apesar da maior contratação de jovens, o quinto mês deste ano fechou com um saldo negativo de 2.291 postos de trabalho. Aproximadamente metade…
O Observatório da realidade e das políticas públicas do Vale do Rio dos Sinos - ObservaSinos, programa do Instituto Humanitas Unisinos - IHU, acessou as bases de dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados - CAGED, bem como  da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD Contínua, com o intuito de apresentar as movimentações do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre do mês de abril e do primeiro trimestre deste ano. Confira abaixo o texto completo. Primeiro trimestre de 2019…