Mais de 100 mil refugiados chegaram à Europa neste ano, fluxo três vezes maior do que em 2015

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS
  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • “Facebook ameaça a democracia”, adverte Chris Hughes, cofundador da rede social

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Fevereiro 2016

OIM (Organização Internacional para as Migrações) informou nesta terça-feira (23/02) que o número de refugiados que chegou à Europa neste ano ultrapassou os 100 mil nesta semana. Segundo a OIM, em 2015 a marca só foi atingida em junho, o que representa um fluxo três vezes maior neste ano.

A reportagem foi publicada por Opera Mundi, 23-02-2016.

A maioria dos refugiados chegou à costa da Grécia – mais de 102 mil, frente a 7.507 que desembarcaram na Itália. A Organização anunciou ainda que, desde 1º de janeiro, 413 pessoas morreram enquanto tentavam realizar a travessia pelo mar Mediterrâneo para chegar ao continente.

“Ainda estamos registrando a chegada de muitos migrantes vulneráveis, que frequentemente se encontram em más condições, tendo sido submetidos a violência de contrabandistas na Líbia. Também estamos vendo muitas mulheres vítimas do tráfico [de pessoas], uma tendência alarmante já registrada em 2015”, declarou Flavio Di Giacomo, porta-voz da OIM na Itália.

Em meio ao aumento do fluxo de refugiados, a Europa tem elevado o controle das fronteiras nacionais, mesmo dentro do espaço Schengen, área onde é possível ir de um país a outro sem passaporte e que é composta por 26 Estados-membros da Europa. “As novas medidas restritivas arriscam violar a lei da União Europeia e enfraquecer os esforços para uma abordagem compreensiva e coordenada para lidar com a crise de refugiados na Europa”, declarou em nota o Acnur (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados).

Também nesta terça-feira, o governo da Bélgica anunciou que passará a controlar o fluxo de pessoas na divisa com a França. “Nós estabeleceremos o controle da fronteira em diferentes localizações estratégicas, em regiões detectadas pela polícia como usadas por traficantes de pessoas”, declarou à imprensa o ministro do Interior belga, Jan Jambon.

Países como Áustria e Macedônia, que fazem parte da chamada rota dos Bálcãs, fecharam suas fronteiras nos últimos dias. A União Europeia já sinalizou que pretende implementar controles fronteiriços no continente por dois anos, em retaliação à entrada massiva de refugiados na Grécia. O acordo que estabelece o espaço Schengen prevê o controle temporário das fronteiras internas em caso de “circunstâncias excepcionais”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais de 100 mil refugiados chegaram à Europa neste ano, fluxo três vezes maior do que em 2015 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV