Todo dia morre no mar um “Alan” que foge da guerra

Revista ihu on-line

A ‘uberização’ e as encruzilhadas do mundo do trabalho

Edição: 503

Leia mais

Sociabilidade 2.0 Relações humanas nas redes digitais

Edição: 502

Leia mais

O Holocausto no cinema. Algumas aproximações

Edição: 501

Leia mais

Mais Lidos

  • "Ruralistas têm respaldo para fazer o que quiserem" diz Comissão Pastoral da Terra

    LER MAIS
  • "Às vezes, a Igreja caiu em uma teologia do 'pode' e do 'não pode'"

    LER MAIS
  • A periferia liberal e os riscos da disputa narrativa “dos pobres”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Jonas | 04 Novembro 2015

A foto de Alan Kurdi – menino sírio de 3 anos que morreu na travessia do Mediterrâneo em setembro – comoveu o mundo, mas não foi capaz de impedir que muitas outras tragédias acontecessem. Nesses dois meses, 87 crianças perderam a vida tentando chegar à Europa para escapar de conflitos bélicos em seus países de origem. Dessas outras, porém, não há imagens tão icônicas como a de Alan, o que faz os casos passarem despercebidos. Aliás, além da morte de, em média, uma criança por dia, mais de 3,2 mil adultos não sobreviveram à travessia em 2015 – dez por dia.

A reportagem é de Katia Brembatti, publicada por Gazeta do Povo, 03-11-2015.
 
Os dados são do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur) e da Organização Internacional de Migração (OIM, na sigla em inglês). Essas mesmas instituições alertam que a perspectiva de morte na travessia não tem diminuído as tentativas – muito pelo contrário. Outubro terminou como o mês com o maior número de refugiados que chegaram à Europa pelo mar. Foram 218 mil, equivalente ao registrado em todo o ano de 2014. O recorde anterior tinha sido em setembro, quando 172 mil haviam conseguido atravessar o Mediterrâneo. Mais da metade vem da Síria, que está sob fogo cruzado pela disputa de poder entre o ditador Bashar al-Assad e os militantes do Estado Islâmico. O segundo maior grupo foge da opressão no Afeganistão.

Apesar das multidões que cruzam o mar todos os dias – em apenas um foram 10 mil pessoas – pouco tem sido feito para evitar que novas mortes aconteçam. O pai de Alan, em entrevista ao Fantástico no domingo (1º) responsabilizou, pela morte do filho e dos outros refugiados, as fronteiras fechadas e a falta de apoio a quem foge da guerra.

No final de semana, dois outros naufrágios resultaram na morte de 13 imigrantes perto da Grécia. Um deles ocorreu a 20 metros da costa de Galazio de Samos, quando uma embarcação de seis metros de comprimento naufragou. Dez pessoas, incluindo quatro bebês e duas crianças, foram encontradas mortas por afogamento na cabine do barco, proveniente da costa turca. O corpo de uma menina também foi encontrado nas proximidades. Na sexta-feira (30), 22 refugiados, incluindo 17 crianças, haviam morrido na travessia entre as ilhas gregas e a costa oeste da Turquia.

O fluxo de refugiados para a Europa, no entanto, ainda é ofuscado pelo número dos que foram para países vizinhos da Síria: mais de 2 milhões na Turquia, 1 milhão no Líbano e 600 mil na Jordânia. Em outubro, a Acnur informou que estava prevendo a chegada de até 700 mil refugiados na Europa neste ano e um número semelhante ou superior em 2016. Mas esse cálculo foi ultrapassado, já que seriam 744 mil pessoas até agora.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Todo dia morre no mar um “Alan” que foge da guerra