Francisco apresenta João XXIII como “modelo de santidade”

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Irreverência

    LER MAIS
  • Uma prova do conclave. O próximo papa assumirá o nome da Comunidade de Santo Egídio

    LER MAIS
  • “Eu estou tirando Deus da Bíblia”. Entrevista com Marc-Alain Ouaknin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas | 04 Junho 2013

O papa Francisco afirmou que os corruptos são “o anticristo”, causam muito dano à Igreja e são “um perigo, já que são adoradores de si mesmos, pensam apenas neles e consideram que não precisam de Deus”.

A reportagem é publicada no sítio Religión Digital, 03-06-2013. A tradução é do Cepat.

O pontífice fez estas declarações durante a missa que presidiu na capela da residência de Santa Marta, onde se hospeda, referindo-se à parábola dos lavradores maus, do Evangelho de Mateus, e aos três modelos de cristãos na Igreja: os pecadores, os corruptos e os santos.

Francisco apontou que dos pecadores não é necessário falar muito, “já que todos nós somos, conhecemo-nos interiormente e sabemos o que é um pecador, e se algum de nós não se sente assim, que vá à procura de um médico espiritual”.

O Bispo de Roma acrescentou que a parábola fala de outra figura, a daqueles que querem se apoderar da vinha e rompem relações com o dono da mesma, “um patrão (Deus) que nos chamou com amor, cuida de nós e nos dá liberdade, mas essas pessoas se sentem fortes e independentes de Deus”.

“Essas pessoas, pouco a pouco, rompem essa relação e dizem ‘nós não necessitamos desse patrão, que não venha nos incomodar’. Esses são os corruptos, aqueles que eram pecadores como todos nós, mas que deram um passo adiante, consolidando-se no pecado”, afirmou Francisco.

O papa Bergoglio acrescentou que os corruptos “também são um perigo para os cristãos, já que pensam apenas neles”, em seu grupo.

O Pontífice advertiu que Judas, “de pecador avarento, acabou na corrupção”, e enfatizou que os corruptos “são grandes desmemoriados, esqueceram o amor com o qual Deus criou sua vinha e se converteram em adoradores de si mesmos”.

“Quanto mal fazem os corruptos na comunidade cristã! Que o Senhor nos livre de cair nesse caminho da corrupção”, acrescentou o Papa, lembrando o apóstolo João que dizia que os corruptos “são o anticristo, estão no meio de nós, mas não são dos nossos”.

Francisco acrescentou que, diferente dos corruptos, os santos fazem “muito bem à Igreja”, são aqueles que “obedecem ao Senhor, os que o adoram e não perderam a memória do amor com o qual o Senhor criou sua vinha”.

O papa argentino implorou a Deus a graça “de não nos tornarmos corruptos”. “Pecadores sim, corruptos não”, destacou Francisco, recordando que hoje se completam 50 anos da morte do beato papa João XXIII (25 de novembro de 1881 – 3 de junho de 1963), apresentando-o como “modelo de santidade”. Hoje, Francisco rezará diante do túmulo do “Papa bom”, como era conhecido João XXIII, na Basílica de São Pedro, no Vaticano.

O italiano Angelo Roncalli foi eleito papa no dia 28 de outubro de 1958. Em seu curto pontificado, convocou o Concílio Ecumênico Vaticano II, que mudou a Igreja e a lançou ao terceiro milênio. Foi beatificado por João Paulo II, no dia 3 de setembro de 2000, durante o ano jubilar da Igreja católica.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco apresenta João XXIII como “modelo de santidade” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV