Papa Francisco reafirma crítica à Conferência de Lideranças das Religiosas nos Estados Unidos e plano de reforma

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Se vocês se sentirem como eminências, estarão fora do caminho”. As palavras do Papa Francisco aos novos cardeais quando também condenou a corrupção na Igreja

    LER MAIS
  • Como viver o Advento em tempos de quarentena

    LER MAIS
  • A vacina vai nos ajudar, mas não vai nos livrar das pandemias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Abril 2013

O Papa Francisco reafirmou a repreensão do Papa Bento XVI ao principal grupo de lideranças das irmãs católicas nos Estados Unidos e aprovou um plano para colocar esse grupo sob o controle de três bispos americanos, segundo o Vaticano.

A reportagem é de Joshua J. McElwee, publicada no jornal National Catholic Reporter, 15-04-2013. A tradução é de Marcos Luiz Sander.

A reafirmação da medida ocorreu numa reunião realizada segunda-feira entre as líderes da conferência nacional das religiosas nos Estados Unidos (LCWR, na sigla em inglês) e o arcebispo Gerhard Ludwig Müller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano, segundo uma declaração proveniente do Vaticano.

Durante a reunião, afirmou o Vaticano, Müller disse às líderes da LCWR que tinha “discutido recentemente” a questão com o Papa Francisco, “que reafirmou os resultados da Avaliação e o programa de reforma”.

Essa reunião foi a primeira entre a LCWR, que representa cerca de 80% das cerca de 57 mil irmãs dos Estados Unidos, e Müller, que se tornou chefe da congregação doutrinal em julho.

A LCWR confirmou que sua liderança se encontrou com autoridades do Vaticano numa declaração na segunda-feira e disse que a conversa foi “aberta e franca”.

“Oramos para que essas conversas deem frutos para o bem da Igreja”, concluiu a declaração.

Em abril de 2012, a congregação doutrinal criticou o grupo das religiosas, divulgando uma declaração que dizia que o trabalho da LCWR continha “temas incompatíveis com a fé católica”. Essa medida ensejou, em todo o país, protestos em apoio às irmãos.

Os resultados concluíram uma investigação do grupo que durou três anos e era formalmente conhecida como uma “avaliação doutrinal”, lançada pelo prefeito anterior da congregação e ex-arcebispo de São Francisco, o Cardeal William Levada.

A congregação colocou o grupo sob o controle do arcebispo de Seattle, J. Peter Sartain, que recebeu um mandato de cinco anos para supervisionar as reformas como arcebispo-delegado da congregação.

Em junho, a LCWR disse que as críticas da congregação se baseavam em acusações não comprovadas, provinham de um processo cheio de falhas e causaram “escândalo e dor em toda a igreja”.

As notícias sobre a reunião de segunda-feira foram publicadas em cinco parágrafos do boletim informativo diário do Vaticano, que disse que Müller, as líderes da LCWR e Sartain estavam presentes à reunião.

Antes de reafirmar a crítica da congregação doutrinal, disse o release, Müller “expressou sua gratidão pela grande contribuição das religiosas à igreja nos Estados Unidos”.

Müller também “destacou” ensinamentos do Concílio Vaticano II que promovem “uma visão da comunhão eclesial fundamentada na fé em Jesus Cristo e nos ensinamentos da Igreja transmitidos fielmente ao longo do tempo sob a orientação do Magistério”, afirma o comunicado à imprensa.

Müller também enfatizou que "uma Conferência de Superioras Gerais e Provinciais, como a LCWR, existe com a finalidade de promover esforços comuns entre seus institutos-membro e a cooperação com a Conferência dos Bispos local e com os bispos individualmente”, disse o release. “Por essa razão, essas Conferências são constituídas pela Santa Sé e permanecem sub sua direção”.

A notícia sobre a reunião de segunda-feira poderia reacender uma divisão entre membros da burocracia do Vaticano em relação à maneira de tratar esse grupo de irmãs.

Enquanto a Congregação para a Doutrina da Fé pode estar adotando uma abordagem do tipo linha dura, a congregação vaticana responsável pela supervisão do trabalho das ordens religiosas no mundo inteiro assumiu recentemente uma postura mais sensível, chegando a indicar que buscava o diálogo com as irmãs.

A nomeação do padre franciscano José Rodríguez Carballo como segundo na linha de comando da Congregação para os Institutos da Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, que foi a primeira nomeação do Papa Francisco para a burocracia do Vaticano, parecia aprovar a abordagem mais branda: os colegas de Rodríguez disseram que ele é uma pessoa que busca colaboração, e não conflito.

A congregação religiosa iniciou anteriormente, em 2009, uma investigação própria das irmãs americanas. Conhecida como “visitação apostólica”, ela examinou individualmente ordens das irmãs católicas nos Estados Unidos. Essa investigação começou sob o Cardeal Franc Rodé, ex-líder da congregação para os religiosos. Em 2011, ele foi substituído pelo cardeal brasileiro João Braz de Aviz.

A última declaração oficial de qualquer das partes a respeito da reforma da LCWR foi feita após uma reunião, ocorrida em 11 de novembro, entre quatro líderes da LCWR e os três bispos americanos.

Como parte do mandato recebido por Sartain para a reforma do grupo, ele tem poder sobre cinco áreas, incluindo a revisão de seus “planos e programas”, o que poderia afetar a assembleia anual da LCWR em agosto.

Os poderes de Sartain incluem os seguintes:

•    revisar os estatutos das LCWR;
•    criar novos programas para a organização;
•    revisar e oferecer orientação sobre a aplicação de textos litúrgicos; e
•    rever a filiação da LCWR a outras organizações, incluindo o grupo NETWORK, que faz lobby político, e o Resource Center for Religious Institutes.

A LCWR já anunciou alguns planos para sua assembleia de agosto, incluindo a apresentação de uma distinção para a irmã franciscana Pat Farrell, a presidente imediatamente anterior do grupo que foi seu líder durante a divulgação da crítica do Vaticano em abril de 2012 e ajudou a coordenar a reação do grupo.

Ao ser contatado em 4 de abril para falar a respeito da distinção concedida a Farrell, um representante de Sartain disse que o arcebispo “não tinha nada a declarar no momento” sobre o assunto nem sobre seu envolvimento no plano ou na concessão de distinções por parte do grupo de irmãs.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco reafirma crítica à Conferência de Lideranças das Religiosas nos Estados Unidos e plano de reforma - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV