Dom Helder Câmara: “A síntese da melhor tradição espiritual da América Latina”. Entrevista especial com Ivanir Rampon

Revista ihu on-line

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

A volta do fascismo e a intolerância como fundamento político

Edição: 490

Leia mais

Maria de Magdala. Apóstola dos Apóstolos

Edição: 489

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

08 Setembro 2013

“Sua fonte foi a religiosidade tradicional católica, principalmente, do povo cearense e nordestino. Ele apreciava as devoções populares à Eucaristia, à Maria, aos Santos, aos Anjos e ao Papa. O núcleo da sua espiritualidade era o amor a Deus e às criaturas”, menciona o teólogo.

Foto: http://bit.ly/1e7KRDK

Dom Helder foi um místico original”. É assim que padre Ivanir Rampon, autor do livro O caminho espiritual de Dom Helder Câmara (São Paulo: Paulinas, 2013), apresenta o arcebispo emérito de Olinda e Recife, que faleceu em 27 de agosto de 1999. Para Rampon, a mística e a espiritualidade são as “facetas mais importantes” de Dom Helder, que, “antes de ser padre ou bispo, antes de ser o guia da Igreja no Brasil, antes de ser o defensor dos pobres, antes de ser o promotor da justiça e dos direitos humanos contra toda a opressão, foi um místico”. Sem essa característica, acentua, “provavelmente, ele não teria sido o bispo das favelas do Rio de Janeiro, o arcebispo dos pobres no Nordeste, o advogado do Terceiro Mundo, o apóstolo da não violência ativa, a esperança de uma sociedade renovada segundo o ideal cristão, o poeta-místico e profeta de uma fé jovem e forte”.

Na entrevista a seguir, concedida à IHU On-Line por e-mail, Rampon conta a trajetória de Dom Helder Camara na Igreja brasileira e sua participação em momentos decisivos, como na Segunda Conferência Geral do Episcopado Latino-americano de Medellín e no Concílio Vaticano II. “O Concílio, na concepção helderiana, não foi apenas um evento, mas um espírito, um programa de vida, uma concepção eclesial. O Vaticano II lhe deu fundamentos para propagar um cristianismo aberto, libertador, promotor da justiça e da paz. Disse-lhe muitíssimo por suas palavras e silêncios, por seus textos e por seus gestos simbólicos”, relata.

Ivanir Rampon é graduado em Teologia pelo Itepa Faculdades, em Filosofia pela Universidade de Passo Fundo – UPF, mestre em Teologia pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia – FAJE e doutor em Teologia pela Pontifícia Universitas Gregoriana, Roma. Atualmente leciona na Itepa Faculdades, em Passo Fundo - RS.

Foto: http://bit.ly/17v3wX5

Confira a entrevista.

IHU On-Line - Quais foram os aspectos mais marcantes da trajetória de D. Helder Camara na Igreja brasileira?

Ivanir Rampon - Entre outros aspectos, Dom Helder marcou e marca a história da Igreja no Brasil por seus feitos, tais como: a renovação da Ação Católica e a viabilização do Ano Santo de 1950 no Brasil; por ser o fundador (e por anos brilhantes, secretário) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB e pela sua decisiva participação na fundação do Conselho Episcopal Latino-Americano - CELAM; pela organização do XXXVI Congresso Eucarístico Internacional no Rio de Janeiro (1955) e por iniciar a Cruzada de São Sebastião e o Banco da Providência; por viabilizar o Movimento de Educação de Base, a Operação Esperança, o Encontro de Irmãos e a Comissão Justiça e Paz; por difundir o espírito do Concílio Vaticano II; pela ativa participação em Medellín, ajudando a Igreja de Cristo a ter a coragem profética de assumir a opção pelos pobres; por ter aprofundando Medellín em Puebla quando forças contrárias queriam dar marcha a ré; por ter ajudado a Igreja a abraçar a defesa dos direitos humanos e a causa da redemocratização do país. Estes são alguns feitos. Existem tantos outros.

Mas, além dos feitos, Dom Helder marcou a Igreja no Brasil por seu jeito. De fato, ele é considerado expoente da profecia, figura exemplar de Bispo-Pastor e símbolo mundial da não violência ativa, juntamente com Gandhi e Martin Luther King. Em tudo isso, conseguiu aglomerar pessoas a fim de lutar por causas libertárias importantes. Por exemplo: ele não foi apenas um grande profeta, mas provocou um “arrastão profético” no Brasil e na América Latina. Certamente, o elemento mais conhecido de Dom Helder é a profecia. Mas, na opinião de muitos que o conheceram, esta não é a sua faceta mais importante: é a sua mística, a sua espiritualidade.

No dizer de José Comblin, antes de ser padre ou bispo, antes de ser o guia da Igreja no Brasil, antes de ser o defensor dos pobres, antes de ser o promotor da justiça e dos direitos humanos contra toda a opressão, ele foi um místico, e tudo isso foram apenas circunstâncias em que teve de viver a sua mística. José Beozzo, por sua vez, afirma que Dom Helder consegue ser uma síntese da melhor tradição espiritual da América Latina, pois nele encontramos o profetismo e a veia literária de Pedro Casaldáliga, a intrepidez e o senso político de Ivo Lorscheiter, a atenção aos pobres e a capacidade de conciliação de Dom Luciano Mendes de Almeida, a bondade e a intuição teológica de Aloísio Lorscheider, a coragem e a defesa dos direitos dos pequenos de Evaristo Arns. Penso que, neste sentido, o papa Paulo VI foi muito feliz em apresentar Dom Helder como um místico e um poeta, um grande homem para o Brasil e para a Igreja, alguém com um coração incapaz de odiar: que só sabe amar, que recebeu de Deus a missão de pregar a justiça e o amor como caminho para a paz.

IHU On-Line - Como o senhor descreve o caminho espiritual de D. Helder Camara? Qual a singularidade da espiritualidade helderiana?

Ivanir Rampon - Sobre Dom Helder, já foram escritos centenas de artigos, livros e estudos mostrando o contributo do Bispinho para a educação, a política, a democracia, a profecia, a Igreja, o Vaticano II. Quanto à espiritualidade helderiana, também há ótimos textos. A originalidade do livro O caminho espiritual de Dom Helder Camara está justamente no fato de apresentar a caminhada espiritual de Helder Camara. Em outras palavras, não se trata, apenas, de descrever características de sua espiritualidade a partir de um momento fixo de sua vida, mas de caminhar com ele, percebendo quais foram as constantes, as novidades, as mudanças e os progressos (ou as “conversões”, as “humilhações”, os “novos acentos”, “as gentilezas do Pai”) no seu modo de viver sob a orientação do Espírito Santo. Por isso, foi dada grande importância aos próprios textos e relatos do Arcebispo. Nos primeiros cinco capítulos, indicamos como Dom Helder aplicou a sua força místico-espiritual no apostolado e no ministério sacerdotal, servindo a Igreja, a sociedade e os pobres. Nos outros quatro, analisamos como ele cultivou esta “força”, que lhe dava sustento no “caminho do Senhor”. Ao caminhar com Dom Helder, percebe-se, em uma perspectiva diferente e mais profunda, como ele viveu unido “à Vida divina da Santíssima Trindade” e em “união com Cristo” no decorrer do processo histórico-espiritual que envolveu sua vida e ministério.

A análise de escritos de Dom Helder, especialmente as circulares, nos mostra que a Vigília (oração) e a Santa Missa (Eucaristia) foram fundamentais para que Dom Helder se tornasse “a síntese da melhor tradição espiritual da América Latina”: sem elas, provavelmente, ele não teria sido o bispo das favelas do Rio de Janeiro, o arcebispo dos pobres no Nordeste, o advogado do Terceiro Mundo, o apóstolo da não violência ativa, a esperança de uma sociedade renovada segundo o ideal cristão, o poeta-místico e profeta de uma fé jovem e forte. Sem a Vigília e a Santa Missa, não seria possuidor desta espiritualidade madura, não seria “o DOM”: o Dom da paz, do amor, da justiça, da libertação... o Dom de Deus!

O livro visualiza que Dom Helder foi um místico original, ou seja, alguém que fez caminhada própria na relação/união com Deus, não sendo discípulo de nenhum místico específico, mas tendo afinidades com vários místicos. Sua fonte foi a religiosidade tradicional católica, principalmente, do povo cearense e nordestino. Ele apreciava as devoções populares à Eucaristia, à Maria, aos Santos, aos Anjos e ao Papa. O núcleo da sua espiritualidade era o amor a Deus e às criaturas. O amor ao Amor estava relacionado com a beleza, a pureza, a gratidão, a justiça, o bem, a paz, o perdão. Acreditava na força do amor, sendo profundamente não violento e doando-se totalmente pela paz. Procurava evitar qualquer conflito e entregava-se pela justiça na face da Terra. Não guardava ódio em seu coração. Aceitava as “humilhações” como uma “ajuda” de Deus para aperfeiçoar seu caminho de vida e santidade. Sentia que fora Deus que o fizera mais “testemunho do presente e do futuro, do que do passado”.

IHU On-Line - Quais foram os ensinamentos espirituais recebidos por D. Helder e como eles marcaram sua personalidade e espiritualidade?

Ivanir Rampon - Os primeiros passos (infância e juventude) do caminho espiritual de Dom Helder marcaram profundamente toda a sua caminhada. Entre as principais influências dessa fase, podemos destacar:

1) de sua mãe, aprendeu a importância do diálogo, da humildade, do pacifismo e da compreensão diante das fragilidades humanas;

2) com afeto e atenção, ouviu seu pai dizer que “sacerdócio” e “egoísmo” não combinam;

3) na Conferência Vicentina, compreendeu que a caridade é virtude central da espiritualidade cristã;

4) durante o período de Seminário, iniciou suas Meditações que, após a ordenação sacerdotal, tornaram-se constantes e, atualmente, as Meditações do Pe. José são uma fonte incomparável para compreender a mística helderiana;

5) do Pe. Cícero recebeu uma lição que viverá exemplarmente: no coração de um cristão e, sobretudo, de um padre, não deve existir uma gota de ódio;

6) para que pudesse progredir no caminho espiritual, o Senhor lhe enviou a primeira das grandes humilhações: descobriu que aquilo que parecia defesa da fé, era na verdade orgulho intelectual. Como discípulo, deveria sentar aos pés de Jesus e seguir a seta da humildade, pois, sem essa virtude, não se dá um passo nas vias do Senhor;

7) pouco antes da Ordenação, decidiu que não se deixaria engolir pela vida. Para tanto, dedicaria um tempo diário à oração. Desse modo, nasceram as Vigílias, que lhe possibilitarão o ingresso na experiência mística. Esta primeira fase de sua caminhada espiritual foi importante para os outros grandes passos que lhe proporcionarão um amplo desenvolvimento espiritual.

IHU On-Line - Como foi o período em que D. Helder viveu no Ceará? Que aspectos marcam sua trajetória entre 1936 e 1964?

Ivanir Rampon - Helder viveu a primeira fase de sua vida em Fortaleza (1909-1935). Ali se sentiu chamado ao sacerdócio e se fez vicentino. No Seminário, destacou-se pela inteligência, retidão e respeito. Ordenado sacerdote, dedicou-se ao apostolado educacional e político. Ingressou no integralismo, liderou a Liga Eleitoral Católica - LEC e tornou-se “Secretário de Educação” do Ceará. No suceder dos fatos, aprendendo com acertos e fragilidades, deu seus primeiros passos na via da espiritualidade.

Já a segunda fase de sua vida (1936-1964) viveu no Rio de Janeiro. Foi quando se aproximou das teorias do Humanismo Integral e do Desenvolvimento Integral; deixou-se influenciar pelo testemunho de São Francisco de Assis e pela espiritualidade da Ação Católica; dinamizou o Ano Santo de 1950; foi ordenado bispo enquanto realizava a fundação da CNBB, sendo o Secretário Geral da entidade por 12 anos; organizou o XXXVI Congresso Eucarístico Internacional, a Cruzada de São Sebastião e o Banco da Providência; foi um dos fundadores do CELAM. Após o Congresso Eucarístico, desafiado pelo Cardeal Gerlier, iniciou um processo de conversão e de consagração aos pobres. Apoiou o Movimento de Educação de Base - MEB e participou do Vaticano II, convocado pelo Papa João XXIII.

IHU On-Line - Como foi o trabalho desenvolvido por D. Helder nas favelas cariocas? Em que medida essa experiência e sua atividade pastoral contribuíram para seu “progresso espiritual”?

Ivanir Rampon - Após o XXXVI Congresso Eucarístico, sensibilizado pelo Cardeal Gerlier, Dom Helder iniciou aquilo que chamou de “um momento da virada”, ou seja, iniciou a sua consagração especial aos pobres. A partir daquele dia, as visitas às favelas começaram a ser frequentes e se converteram em sua preferência pastoral. Quando bispos e cardeais o visitavam, ele os recebia com grande cordialidade e os levava para um passeio. O principal lugar a conhecer não era mais a Catedral de São Sebastião ou o Corcovado – onde se contempla uma das paisagens mais belas do mundo –, mas as favelas do Pinto, Jacarezinho, Cantagalo, Cabritos, Saudade, Babilônia, Prazeres, Céu, Cachorrinha.

No projeto da Cruzada de São Sebastião, as favelas seriam substituídas por prédios a serem construídos no mesmo local, ou seja, no Leblon, lugar que exibia o extremo da desigualdade social. Para Dom Helder, seria a ocasião de superar a chamada “luta de classes”, aproximando pobres e ricos, morando os trabalhadores vizinhos aos patrões, não obstante as reclamações da burguesia. O Dom queria integrar as favelas na estrutura socioeconômica da cidade. A Cruzada de São Sebastião foi o primeiro projeto de moradia popular de grande extensão no Brasil. Em 1959, por exemplo, estava construindo 672 lojas, 216 armazéns, 216 escritórios, 192 lojas (para bancos, repartições públicas, restaurantes, etc), 140 salas (para médicos, dentistas, veterinários, agrônomos, advogados, despachantes, etc). Além disso, estava projetando o Palácio da Bolsa de Gêneros Alimentícios (8 a 10 andares), serviço de assistência aos veículos, frigorífico e outros blocos residenciais. Já nessa época, Dom Helder era considerado um brilhante reformador social e, quem sabe, um futuro santo. A Cruzada também começou a formar líderes entre os próprios favelados.

Com o trabalho de Dom Helder, as favelas passaram a ser vistas na cidade como uma chaga viva da sociedade. No desenrolar dos trabalhos, Dom percebeu que a Cruzada não resolveria o problema habitacional nas favelas, mas que era preciso mudar a própria estrutura social. Afirmou que, mesmo assim, faria tudo de novo, apesar de sua evolução espiritual vivida no Vaticano II e em Medellín, pois, se a solução definitiva não era esta, ficar parado também não era. Talvez direcionasse mais sua obra para transformar as estruturas. O que mudaria, aceitando a observação que o Papa João XXIII lhe fizera, era o nome anacrônico de “Cruzada”, porque o termo dá uma ideia de guerra, e ele queria ser um apóstolo da paz.

Outras experiências similares à Cruzada foram a do Banco da Providência, o qual, além de ajudar a promover a caridade e a justiça, tornou-se um celeiro de voluntariado, e a Feira da Providência, que arrecadava verbas para ajudar na formação profissional em mecânica, agricultura, artesanato, cozinha, etc. Um dos principais centros de formação foi a Comunidade Emaús, concebida em 1959, durante uma visita do Abade Pierre ao Brasil. A ação de Dom Helder nas favelas o colocou em uma estrada que nunca mais abandonou: a via do empenho para conseguir a justiça social no seu país, na América Latina e no Terceiro Mundo. No Vaticano II, Dom Helder será conhecido como o Bispo das favelas!

IHU On-Line - Qual foi a contribuição de D. Helder durante o Concílio Vaticano II?

Ivanir Rampon - O Concílio Vaticano II transformou-se em uma experiência espiritual decisiva na vida de Dom Helder Camara: meses de intensa atividade, grandes sonhos, novos encontros e amizades que o projetaram na esfera internacional. Com Dom Larraín, conseguiu mudar as estratégias iniciais do Secretariado do Concílio, garantindo uma melhor experiência de colegialidade episcopal. No final do primeiro período conciliar, ele já era apontado como uma das dez mais importantes lideranças da Assembleia, mesmo sem ocupar nenhum posto nos vários organismos oficiais de direção do Concílio. Sua ação se dava nas atividades de articulação da CNBB e do CELAM, em grupos informais como o “Ecumênico”, “Igreja dos Pobres” e “Opus Angeli”. Era pródigo em receber a imprensa, sendo requisitado por jornalistas. Descobriu que seu objetivo deveria ser o de ajudar a manter o Concílio na linha inspirada por Deus ao Papa João XXIII.

Fiel a essa meta, ele defendeu:

1) a sacramentalidade e a colegialidade episcopal;

2) a liturgia renovada e vivificada;

3) o diálogo ecumênico;

4) o diálogo entre o mundo subdesenvolvido e o desenvolvido;

5) um novo modelo de Igreja alicerçado na pobreza e no serviço;

6) a figura do Bispo-pastor;

7) a importância de dar atenção aos “sinais dos tempos” como fez a Gaudium et Spes.

Acrescenta-se que, nos momentos mais duros e angustiosos do Concílio, com seu bom-humor, sua mística, seu sorriso e sua total confiança no Espírito Santo, “quebrava o gelo”, a fim de que fugissem o desânimo e a tristeza e se reacendessem a fé, a esperança e a caridade, animando a fé dos Padres Conciliares. Com prece e ação, ajudava o amigo Paulo VI neste momento ímpar da sucessão petrina. Relatou a sua experiência conciliar nas Circulares enviadas à Família (espiritual). Foi um dos signatários do Pacto das Catacumbas. Queria superar a era constantiniana, levando a Igreja aos “perdidos caminhos da pobreza”. O Concílio, na concepção helderiana, não foi apenas um evento, mas um espírito, um programa de vida, uma concepção eclesial. O Vaticano II lhe deu fundamentos para propagar um cristianismo aberto, libertador, promotor da justiça e da paz. Disse-lhe muitíssimo por suas palavras e silêncios, por seus textos e por seus gestos simbólicos.

IHU On-Line - D. Helder é um dos nomes da Igreja mais lembrados por conta de sua atuação durante a ditadura militar. Qual a importância de sua atuação durante esse período?

Ivanir Rampon - O pastoreio de Dom Helder Camara como Arcebispo de Olinda e Recife (1964-1985) coincidiu com o período da repressão militar e da lenta abertura democrática. Ao chegar a Olinda e Recife, Dom Helder proferiu o “Discurso da Chegada”, deixando evidente que, em nome do Evangelho de Jesus Cristo, fazia uma profunda opção pelos pobres e estava disposto a dialogar com todos. E assim fez: buscou diálogo também com o regime militar, mas este foi fechando todas as portas e janelas, pois não suportava a verdade evangélica defendida pelo Arcebispo. É que os responsáveis pela ditadura militar o desejavam como legitimador religioso do sistema de opressão e repressão.

A irritação transformou-se em ódio quando, em maio de 1970, o Arcebispo rasgou a cortina do cinismo e da mentira na frente de 20 mil pessoas em Paris, proferindo o famoso discurso “Quaisquer que sejam as consequências” – denúncia de que havia torturas no Brasil! A partir de então, Dom Helder passou a ser visto como o maior adversário político pelo governo autoritário. Porém, quanto mais odiado pelo sistema repressivo, mais era amado como uma das grandes, senão a maior figura, que se contrapunha à ditadura. O regime autoritário não o torturará fisicamente, mas o golpeará atingindo lideranças próximas e amigos que eram presos, torturados e assassinados. Dom Helder foi vítima também de uma grande campanha de execração nos meios de comunicação social e, posteriormente, a imprensa nacional foi proibida de pronunciar o seu nome.

Enquanto ele não existia no Brasil, era convidado, no exterior, para encontros, conferências, celebrações e outros eventos, a fim de que anunciasse a mensagem evangélica da paz. Houve um grande crescimento da fama de sua santidade e o auge de sua notoriedade internacional, quando foi indicado, quatro vezes consecutivas, ao Nobel da Paz e agraciado com dezenas de doutorados honoris causa. Neste período, Dom padeceu fortemente o sacrifício da cruz que celebrava em cada Santa Missa, sofrendo, solidário, com os presos, torturados, silenciados, martirizados.

IHU On-Line - Deseja acrescentar algo?

Ivanir Rampon - As ideias de Dom Helder, que não são dele apenas, mas nossas – como o Dom gostava de dizer – precisam ser espalhadas a fim de que haja não mais um primeiro, um segundo, um terceiro mundo, mas sim um mundo, “um mundo de irmãos!”. Foi com o intuito de colaborar neste sonho que foi publicado o livro O caminho espiritual de Dom Helder Camara, destinado às lideranças do povo de Deus, a quem busca uma graciosa fonte de espiritualidade cristã e a quem quer fazer parte da abençoada “Família” do Bispinho.

Parafraseando o Papa Francisco – com o qual Dom Helder estaria/está vibrando – podemos dizer que o Dom, de fato, colocou “em jogo a pele e o próprio coração”, sendo um pastor com “cheiro das ovelhas”, levando a unção pela qual foi consagrado a todos, especialmente nas “periferias”, onde o nosso povo fiel o aguardava e o apreciava. Através de suas palavras, escritos, obras e prece, Dom Helder continua a nos oferecer o óleo da alegria que Jesus veio trazer (Lc 4,14ss).

(Por Patricia Fachin)

Veja também: