Casamento gay. É possível uma solução que agrade a todos? Sim

Revista ihu on-line

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Mais Lidos

  • Um milhão de crianças fora da escola: o absurdo do trabalho infantil no Brasil

    LER MAIS
  • Discurso da esquerda não dá a Lula a menor chance de fazer bom governo

    LER MAIS
  • Papa pede boicote a bens produzidos por trabalhadores forçados

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Junho 2015

"Irlanda, último bastião da moral católica, foi também o primeiro país católico na Europa, onde veio à tona o escândalo de abuso sexual de menores por religiosos. Foi o único país da Europa a quem o Papa Bento XVI enviou uma carta pastoral sobre este assunto. O Papa solicitava, em março de 2010, que se esclarecessem os fatos – e escrevendo, devia prever que a antiga glória da Igreja não era mais salvável. Com o referendo, os irlandeses aplaudem a abertura do casamento aos homossexuais", diz Christiane Florin, em artigo publicado na revista Christ und Welt, 22-05-2015. A tradução é de Ramiro Mincato.

Eis o artigo.

Quase dois terços dos irlandeses são a favor de que homens possam casar com homens, e mulheres com mulheres. Como primeiro país no mundo, a Irlanda aceita, por referendo, esta frase da sua constituição: "Um casamento pode ser celebrado entre duas pessoas sem que haja diferença de sexo, de acordo com as leis". E isso acontece precisamente na ilha de devotos onde, por tanto tempo, até mesmo a grama crescia mais católica do que em qualquer outro lugar! Precisamente lá, onde a homossexualidade era considerada crime até 1993!

Irlanda, último bastião da moral católica, foi também o primeiro país católico na Europa, onde veio à tona o escândalo de abuso sexual de menores por religiosos. Foi o único país da Europa a quem o Papa Bento XVI enviou uma carta pastoral sobre este assunto. O Papa solicitava, em março de 2010, que se esclarecessem os fatos – e escrevendo, devia prever que a antiga glória da Igreja não era mais salvável. Com o referendo, os irlandeses aplaudem a abertura do casamento aos homossexuais. Antes de tudo, porém, dão uma bofetada no clero. Na bofetada ecoam muitos escândalos, desde aqueles de abuso sexual até aquele da descoberta dos túmulos de crianças na casa das Irmãs do Bom Socorro. Mas, o mais doloroso de todos os desejos de vingança deve ter sido outra explicação da votação: o fato de que a Igreja Católica, em poucos anos, tornou-se irrelevante. Sua moral nem é mais combatida, mas simplesmente deixada de lado.

A Irlanda tem uma geração jovem. "O entusiasmo dos jovens carregará a Igreja no próximo século", declarava entusiasmado, há um ano atrás, o Núncio Apostólico em Dublin, Dom Charles Brown. Mas, filhos de pais que obedientemente recusavam a pílula e o preservativo, ignoraram a mensagem da Igreja. Não protestam, não querem estar contra nenhum católico. Frequentaram escolas católicas e fazem o que seus bispos tinham pedido para não fazer: redefinir o matrimônio. Entusiasmaram-se por um "Yes”, e não por um “Não”. Exatamente na católica Irlanda, exatamente no ano do casamento católico 2015. Em poucos meses haverá a segunda fase do Sínodo sobre a família no Vaticano. Quem seguiu a primeira fase, podia ter a impressão de que Jesus percorreu a via crucis a favor ou contra a equiparação dos homossexuais. Tão importante e "polarizador" o tema da primeira reunião dos bispos no outono de 2014, onde uma parte dos participantes pode pensar em "estender a mão" para gays e lésbicas, algo sempre considerado, oficialmente, vergonhoso. Outra parte acreditava, ao contrário, uma insolência do catecismo dizer que se devem tratar "com respeito" os homossexuais.

O voto irlandês teve sobre eles o efeito de um furacão do Zeitgeist. Aqueles que com seus ensinamentos sobre moral sexual barram as portas da Igreja, não são tão resistentes como acreditavam. Colocam-se, é verdade, contra a principal corrente social centro europeia, mas na aerodinâmica no túnel religioso. As religiões estão na moda, quando dão vulto à imagem de um inimigo. Os extremos têm grande clientela, tanto no Islã como no cristianismo. O centro encolhe - e com ele a influência no coração sociedade.

O cristianismo precisa de tais extremos? Não, acredita o arcebispo de Dublin. Por causa do choque, quer submeter a Igreja a uma "reality check ", a um teste esclarecedor sobre o centro. Para o centro, o casamento não é nem um jugo ou um modelo de fim de série, mas uma promessa de felicidade e justiça livremente "moldáveis".

A realidade é mais importante do que a ideia, diz Francisco. Na verdade, ele desaprova o casamento gay, mas ao "sim” irlandês, o seu "Oh não!" ainda não foi ouvido. Ele pregou o Pentecostes com as portas abertas. Aos poucos torna-se visível o que acontece com a revolução da palavra franciscana livre: não é mais suficiente, diante da realidade, esconder-se atrás de documentos doutrinários e padres ou padrinhos da Igreja. Quem quer dialogar, deve dizer o que realmente pensa e por quê. Atualmente, muitos bispos, sobre o tema do casamento, se salvam com formulações como "complementaridade do homem e da mulher." Não se pode esperar-se que abram o vínculo sacramental a todos. Mas, nem mesmo eles admitem mais abertamente: "acredito que a homossexualidade é um comportamento pecaminoso ou doença". Esta tornou-se uma posição extremista, que no teste sobre o "centro" é derrotada. No jornal católico de Colônia, um comentarista comparou recentemente gays com ladrões. Dois dias após o jornal publicou o pedido de desculpas.

Se o voto irlandês tem algo do espírito de Pentecostes, então de lá sopra a realidade de um catolicismo descontraído. Os habitantes da Ilha mudaram rapidamente, outros católicos precisam mais tempo. Não se pode pretender que os homossexuais sejam reconhecidos como criaturas de Deus? A Igreja mudou seu ensinamento ao longo dos séculos. Deveria dividir-se só porque pessoas presumidas "erradas" se unem? Não posso acreditar.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Casamento gay. É possível uma solução que agrade a todos? Sim - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV