Gaël Giraud debate no IHU - Renda Básica Universal e Incondicionada e justiça socioambiental: dois elementos de uma mesma equação

Economista debaterá o tema em conferência no dia 26 de outubro, às 10h

Arte: Natália Forner

Por: João Vitor Santos | 23 Outubro 2020

Como resolver o problema da desigualdade no mundo e, ao mesmo tempo, assegurar o desenvolvimento de todas as pessoas e a preservação ambiental? Esse é um cálculo complexo de ser feito, mas, para o economista francês Gaël Giraud, a renda universal e a justiça socioambiental são elementos que devem estar presentes nessa equação. “Nenhum discernimento coletivo verdadeiramente frutífero pode ser feito sobre tais questões fundamentais até que aqueles que são relegados às periferias da nossa sociedade não possam tomar parte ativa delas”, observa em artigo reproduzido no sítio do Instituto Humanitas Unisinos - IHU.

No próximo dia 26 de outubro, 2a. feira, esse será o tema central da conferência que realizará, numa promoção do IHU. Com a palestra Renda Universal e Justiça Socioambiental. Fundamentos econômicos, éticos e teológicos, o também professor da Georgetown University, dos Estados Unidos, analisará a emergência da concepção de uma outra economia, mais inclusiva e que leve em conta as necessidades de todas as formas de vida do planeta. Não à toa, tais perspectivas se aliam a provocações do Papa Francisco que conclama jovens a pensar numa matriz econômica a partir da ideia da economia de Francisco. A palestra do professor inicia às 10h e pode ser acompanhada ao vivo, no modelo live. Inscrições podem ser feitas aqui.

Giraud: “Essa denúncia que o papa faz sobre a financeirização não se encontra em nenhum outro documento das instituições internacionais” (Foto: João Vitor Santos | IHU)

Esse debate sobre uma renda universal é trazido à tona no momento da pandemia, pois, como coloca Giraud, “diante da explosão do desemprego e da pobreza, que provavelmente nos acompanhará a partir de agora por toda a década de 2020, mesmo em grande parte da Europa e dos Estados Unidos, essa ‘remuneração universal’ pode ser considerada uma das soluções”. O assunto não é novo e já vinha sendo abordado pelo próprio Papa Francisco, quando chama jovens para o Encontro de Assis, que ocorre virtualmente este ano e presencialmente em 2021. A ideia é dentro da mística do franciscanismo pensar não numa economia que exproprie, que mate, mas salve e faça renascer desse contexto pandêmico. “Esse desafio é espiritual e político. Certamente requer uma conversão do olhar individual de cada um de nós, mas também uma reforma das estruturas sociais que produzem e mantêm a invisibilidade daqueles que vivem na periferia de nossas sociedades”, acrescenta Giraud, nesse mesmo artigo reproduzido pelo IHU.

Da ecologia integral à economia pela vida

Essa não é a primeira vez que Giraud participa de conferência do IHU. Em 2016, ele esteve na Unisinos São Leopoldo e abordou as relações da Encíclica Laudato Si', e o próprio pontificado de Francisco, com o Ensino Social da Igreja. “O que acho novidade é o momento político em que Francisco se dirige a todo ser humano. Na França, por exemplo, muitas pessoas dizem que não votam por descrédito nos políticos. Mas, se tivesse algum político com a lucidez que o papa tem em Laudato Si’, votariam nele”, observou durante a palestra naquele ano.

 Era um contexto em que se analisava a primeira Encíclica de Francisco, construída à luz de muitos cientistas e especialistas e sendo pautada por uma temática global e não apenas de questões clericais. Foi por isso que Giraud insistiu tanto que a ideia de ecologia integral, presente em Laudato Si', é, além de uma lembrança de que todas as formas de vida do planeta se correlacionam, uma denúncia contra lógicas da financeirização que vinha inundando o mundo. “Essa denúncia que o papa faz sobre a financeirização não se encontra em nenhum outro documento das instituições internacionais”, disse.

 

Agora, o economista volta no contexto da publicação de Fratelli Tutti, um documento que, para muitos, segue na esteira de Laudato Si'. Afinal, se na ecologia integral ficou claro que tudo está inter-relacionado e que uma forma de vida está amarrada a outra, nada mais natural do que concluir que somos todos irmãos e que juntos precisamos conceber saídas que nos tirem da financeirização e nos levem para uma economia pela vida. Assim, parece ser natural que se conceba uma conversão ecológica. E a pandemia parece ter acelerado as coisas e escancarado a emergência de outras relações com o planeta e a reinvenção de uma economia. “A pandemia está nos forçando a entender que não existe capitalismo verdadeiramente viável sem um sistema de serviço público forte e a repensar completamente a maneira como produzimos e consumimos, porque essa pandemia não será a última", observa, em outro artigo reproduzido pelo IHU.

A experiência de uma conversão pessoal e uma transição possível

Gaël Giraud possui uma história curiosa. Muito bem graduado, o economista francês vivia nos círculos do mercado financeiro, preocupado em aumentar rendimentos e com bem pouca atenção às consequências de uma economia financeirizada. Isso até que percebeu que girava em um círculo vazio e, ainda pior, que poderia alimentar as desigualdades e sufocar o planeta. Todas essas questões o empurraram para um processo de conversão pessoal, que o trouxeram para a Companhia de Jesus. Já como jesuíta, passa a pensar na emergência de não só uma conversão pessoal, mas de pensar outras formas de operar as Ciências Econômicas.

É nesse contexto que Giraud vai pensar no conceito de transição ecológica, que mais tarde também vai levar as discussões de preparação nos grupos que assessoraram o Papa quando da escritura de Laudato Si'. Parte desses movimentos de conversão e transição, Giraud desenvolve no seu livro Ilusão Financeira. Dos subprimes à transição ecológica (São Paulo, Loyola, 2015). Quando da sua passagem pelo IHU, também publicou um artigo no Cadernos de Teologia Pública, intitulado Laudato Si’ e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: uma convergência?, em que revela um pouco de sua perspectiva.

 

No texto, conclui que “ao advertirem da situação alarmante do desafio climático, examinada do ponto de vista do ‘desenvolvimento sustentável’ ou da ‘ecologia humana’, o discurso do Papa e as declarações onusianas convergem indiscutivelmente. Integrando a questão social no cerne da abordagem ecológica do desenvolvimento, ambos afirmaram o caráter necessariamente inclusivo de todo progresso político”.

Uma nova Encíclica, um novo contexto

O Papa Francisco já trabalhava na elaboração de Fratelli Tutti quando a pandemia causada pelo novo coronavírus eclodiu. Mas, por ironia, muitas das premissas que já inspiravam o documento se confirmaram e ainda com uma maior potência. Para Giraud, a principal lição dessa pandemia diz respeito justamente à vulnerabilidade, que já estava presente em Laudato Si' e que também é ressignificada na nova encíclica. “Uma vulnerabilidade em dois níveis. Primeiro, do ponto de vista da saúde, e depois com a interrupção das cadeias de suprimento internacional, que correm o risco de provocar fome, principalmente na África e na Índia. É a consequência de uma globalização mercantil que organizamos há 40 anos em torno de cadeias de valor de fluxo just-in-time e com vistas a maximizar retornos de curto prazo. E que é completamente não resiliente diante de choques como este que estamos enfrentando”, analisa em entrevista reproduzida no sítio do IHU.

 

 

Saiba mais sobre Gaël Giraud

Jesuíta, professor na Georgetown University, é graduado pela Ecole Nationale de la Statistique et de l’Administration Economique - ENSAE e pela Ecole Normale Supérieure. Realizou mestrado em Modelagem e Métodos Matemáticos em Economia, na Ecole Polytechnique/University Paris-1. Atualmente é diretor de pesquisa do Centre National de la Recherche Scientifique - CNRS, membro do conselho científico do Laboratório sobre a regulação financeira e do Observatório Europeu Finance Watch, docente no Centre Sèvres e membro do conselho científico da Fundação Nicolas Hulot para a Natureza e o Homem.

Giraud, em conferência no IHU em 2016 (Foto: João Vitor Santos| IHU)

 

Além disso, é professor na École Nationale des Ponts et Chaussées, em Paris. Também é economista chefe da Agência Francesa de Desenvolvimento, a Agence Française de Développement, e diretor da Chaire Energie et Prosperité (Ecole Normale Supérieure, Ecole Polytechnique, ENSAE).

Temática presente em dois ciclos

A temática da renda básica universal e da justiça socioambiental, como vimos, são temas que guardam estreitas relações. E esses temas perpassam dois ciclos de debates que estão sendo promovidos pelo Instituto Humanitas Unisinos - IHU.

O primeiro deles é A Renda Básica Universal (RBU) para além da justiça social, que teve início em 14 de outubro e segue até 9 de novembro.

 

 

 

O outro ciclo é Emergência climática, ecologia integral e o cuidado da nossa casa comum, que teve início em 15 de outubro e segue até 6 de novembro, com a palestra de encerramento de Stefano Zamagni, economista italiano da Universidade de Bologna, intitulada Economia a serviço do bem comum. Desafios e perspectivas no pós-pandemia.

 

 

Artigos de Gaël Giraud publicados no IHU

Entrevistas com Gaël Giraud publicadas no IHU

Notícias com Gaël Giraud publicadas no IHU

Acesse o link direto da conferência com Gaël Giraud, que ocorre em 26 de outubro

 

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV