“Fratelli tutti” compartilhada pelo mundo islâmico

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como as lideranças católicas ajudaram a dar origem à violência no Capitólio dos EUA. Artigo de James Martin

    LER MAIS
  • “O trumpismo se infiltrou na Igreja Católica dos Estados Unidos”. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Irlanda, 9 mil crianças mortas em casas para mães solteiras: o 'mea culpa' de Dublin sobre 76 anos de maus-tratos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Outubro 2020

Abdellah Redouane, diretor do Centro Cultural Islâmico da Grande Mesquita de Roma, define a encíclica do Papa Francisco “Fratelli tutti" como um dos “tijolos para a construção de uma sólida relação de amizade".

A reportagem é de Federico Piana, publicada por Vatican News, 08-10-2020.

A encíclica Fratelli tutti do Papa Francisco foi apreciada também no mundo islâmico. As reações ao documento que traz à atenção do mundo inteiro os temas da fraternidade universal, migração, justiça social, novas relações internacionais onde a ética pode dominar e uma economia solidária e atenta às necessidades dos pobres, registram satisfação no mundo islâmico e em algumas partes mesmo uma partilha da análise que o Pontífice faz dos males de nossa sociedade e de suas possíveis curas.

Abdellah Redouane: continuidade com Abu-Dhabi

Isto é testemunhado por Abdellah Redouane, diretor do Centro Cultural Islâmico da Grande Mesquita de Roma, que sublinha que a nova encíclica está em continuidade com o documento sobre a Fraternidade Humana, assinado em 2019 em Abu Dhabi entre o Papa Francisco e o Grão Imame de Al-Azhar, Ahmad Al-Tayyeb.

“Como na encíclica Fratelli tutti - pondera - o documento de Abu Dhabi também fala de fraternidade humana. O Papa recorda isso, afirmando que Deus criou todos os seres humanos iguais em direitos, deveres e dignidade. E os chamou para viverem juntos como irmãos. Este é um dos tijolos para a construção de uma sólida relação de amizade também com o mundo islâmico". Enfim, Abdellah Redouane considera a mensagem da encíclica universal e pode fazer com "que todos possam se sentir envolvidos".

Ajudará o diálogo e a liberdade religiosa

O diretor do Centro Cultural Islâmico da Grande Mesquita de Roma também está convencido de que a Fratelli tutti dará origem a outro efeito positivo: poderá favorecer o diálogo entre pessoas de várias religiões, etnias e culturas e dar amplo apoio à liberdade religiosa. "Porque o documento - afirma - dá a todos uma oportunidade de refletir sobre estas questões, coloca uma perspectiva sobre os seres humanos, independentemente de suas crenças religiosas ou políticas”. E tudo isso deveria levar a não querer mais construir muros, como o Papa pediu com fervor. "Certamente - diz Redouane - agora é o momento de abrir todas as portas, não de construir muros que nos separam".

O túmulo de São Francisco, lugar simbólico

E como muçulmano, Abdellah Redouane reconhece o túmulo de São Francisco - onde o Papa assinou a encíclica - como um lugar altamente simbólico, não apenas para os cristãos. "É universalmente simbólico”. E acrescenta: “revela como o espírito do Santo está presente no Pontífice: por exemplo, basta lembrar que São Francisco também é muito mencionado na Laudato si’".

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Fratelli tutti” compartilhada pelo mundo islâmico - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV