Cinco coisas a ver na nova encíclica do papa Francisco. Artigo de Thomas Reese

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como as lideranças católicas ajudaram a dar origem à violência no Capitólio dos EUA. Artigo de James Martin

    LER MAIS
  • “O trumpismo se infiltrou na Igreja Católica dos Estados Unidos”. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Irlanda, 9 mil crianças mortas em casas para mães solteiras: o 'mea culpa' de Dublin sobre 76 anos de maus-tratos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Outubro 2020

“Esta encíclica não é uma leitura rápida que pode ser usada para brigas partidárias. É um trabalho que requer meditação para o verdadeiro entendimento. Deve fornecer subsídios para filósofos e teólogos, bem como líderes políticos e sociais e cidadãos comuns”, escreve Thomas Reese, jesuíta estadunidense, ex-editor-chefe da revista America, publicação dos jesuítas dos EUA, de 1998 a 2005, e autor de “O Vaticano por dentro” (Ed. Edusc, 1998), em artigo publicado por Religion News Service, 04-10-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

Fratelli Tutti”, a nova encíclica papal sobre a fraternidade e a amizade social, é um importante documento didático que deve ser lido por quem deseja saber de onde vem o papa Francisco.

Ao longo dos séculos, os Papas escreveram cartas ou encíclicas sobre questões importantes, às vezes dirigidas a bispos, outras vezes a todos os católicos, mais recentemente a todas as pessoas.

Com o formato de encíclica, Francisco está anunciando que tem algo importante a dizer sobre a fraternidade e a amizade e deseja que as pessoas prestem atenção.

Aqui estão cinco coisas a que você deve se ater sobre a nova encíclica.

1. Não é uma leitura de praia

Em primeiro lugar, existem algumas maneiras de compreender a nova encíclica: folheá-la ou lê-la lentamente em pequenos pedaços. Eu não recomendo a tentar obter através do documento de 43 mil palavras, escrito em prosa papal imponente, como se fosse um livro – a dizer sobre um fim de semana. Você se pegará cochilando.

Ler a encíclica em busca de algumas citações interessantes o deixará pronto para o próximo coquetel católico.

Mas se você quer entender Francisco, vá com calma. Não tente ler mais do que um capítulo de uma vez. Dê tempo ao texto para marinar. Cada capítulo leva tempo para ser digerido.

O capítulo um descreve o triste estado do mundo. É deprimente, mas o Papa oferece esperança. “Dificuldades que parecem avassaladoras”, escreve ele, “são oportunidades de crescimento, não desculpas para uma resignação taciturna que só pode levar à aquiescência”.

O capítulo dois, uma meditação sobre a parábola do Bom Samaritano, pode ser um bom material para grupos de discussão paroquiais.

Os capítulos três e quatro apresentam a visão fundamental do papa. “A estatura espiritual da vida de uma pessoa é medida pelo amor”, escreve. Este amor deve se estender além da família, tribo e nação para estranhos, migrantes e todas as pessoas em uma amizade social onde o valor de cada pessoa é reconhecido. Esses capítulos são fundamentais para a abordagem de Francisco da humanidade e seus problemas.

O capítulo cinco apresenta a filosofia política do Papa, o capítulo seis é sobre a importância dos valores sociais e culturais e o capítulo sete trata da reconciliação e da construção da paz. Só podemos desejar que os políticos e líderes mundiais leiam esses capítulos, que enfatizam que devemos ver todos como nossos irmãos e tratá-los com bondade e respeito.

Por fim, o capítulo oito fala do papel da religião na construção da fraternidade. Este capítulo será especialmente útil para diálogos ecumênicos e inter-religiosos.

2. Você já ouviu muito sobre isso antes

A segunda coisa a observar sobre a encíclica é que muito dela repete o que Francisco disse antes. As citações constituem mais de um quarto da encíclica, com 288 notas de rodapé para levar o leitor às suas fontes.

Aqui, Francisco é como um escritor de opinião que, após sete anos de escrita, decidiu recompactar sua obra e apresentar seu pensamento de forma abrangente e sistemática.

Quem tem prestado atenção reconhecerá na encíclica os princípios que guiam o papado de Francisco. Para quem não tem prestado atenção, a encíclica será uma grande introdução ao pensamento que anima este papado.

Também pode haver uma estratégia teológica por trás de todas essas citações. Ao incorporar ditos passados de homilias, discursos e declarações em uma encíclica, um dos mais altos níveis de ensino na igreja, eleva sua autoridade. Certamente ele tinha isso em mente quando citou extensivamente o acordo de Abu Dhabi do ano passado, assinado com o Grande Imam de Al-Azhar, o xeque Ahmed Al-Tayeb. Essas citações são agora o ensino oficial da igreja.

3. Você não vai ficar chocado

A terceira coisa a se notar sobre a encíclica é que não há bombas. Ele evita mencionar os temas sobre os quais a mídia gosta de escrever. Não se diz nada sobre questões internas da igreja. Ele menciona o aborto apenas uma vez, de passagem. Não há nada sobre pessoas LGBTQ e pouco sobre mulheres.

O que ele diz sobre as mulheres é positivo: “A organização das sociedades em todo o mundo ainda está longe de refletir claramente que as mulheres possuem a mesma dignidade e direitos idênticos aos dos homens”. Ele também condena a violência contra as mulheres e o tráfico de pessoas. A encíclica vê homens e mulheres como parceiros iguais para lidar com os problemas do mundo.

A encíclica expressa opiniões fortes sobre a pena de morte, guerra e economia, mas o Papa escreve com nuances. Ele não oferece soluções simples, mas incentiva o diálogo e a inclusão: todos devem ser incluídos na conversa e no processo de tomada de decisão para lidar com os desafios do mundo.

4. É uma afirmação de valores, não uma prescrição de soluções

A quarta coisa a notar sobre a encíclica é que, embora faça propostas específicas, é mais sobre atitudes e valores do que programas. Em sua meditação sobre o Bom Samaritano, ele conclui: “A decisão de incluir ou excluir os feridos à beira da estrada pode servir de critério para julgar todos os projetos econômicos, políticos, sociais e religiosos”.

Ele também fala com eloquência de bondade que envolve “falar palavras de conforto, força, consolo e encorajamento” e não “palavras que rebaixam, entristecem, irritam ou mostram desprezo”.

Para Francisco, porém, a gentileza não é apenas uma virtude pessoal, mas algo que deve permear a cultura. Porque a gentileza “envolve estima e respeito pelos outros, uma vez que a gentileza se torna uma cultura dentro da sociedade, ela transforma estilos de vida, relacionamentos e as formas como as ideias são discutidas e comparadas”, escreve. “A gentileza facilita a busca por consenso; abre novos caminhos onde a hostilidade e o conflito queimariam todas as pontes”.

Isso deve levar a uma “cultura do encontro”, diz ele, onde as pessoas “devem ser apaixonadas por conhecer outras pessoas, buscar pontos de contato, construir pontes, planejar um projeto que inclua todos”.

Mas esse foco em valores elevados não impede Francisco de dizer aos políticos que eles deveriam implementar esses valores.

Os políticos são fazedores, construtores com objetivos ambiciosos, possuidores de um olhar amplo, realista e pragmático que olha além de suas próprias fronteiras. A sua maior preocupação não deve ser a queda nas pesquisas, mas sim encontrar soluções eficazes para “o fenômeno da exclusão social e econômica, com suas consequências nefastas: o tráfico de pessoas, a comercialização de órgãos humanos, a exploração sexual de meninos e meninas, trabalho escravo, incluindo prostituição, tráfico de drogas e armas, terrorismo e crime organizado internacional”.

5. Este não é um documento apenas para americanos

A quinta coisa a se notar sobre a encíclica é que ela foi escrita para o mundo inteiro, não apenas para a igreja e não para os Estados Unidos. Não tente lê-lo no contexto da eleição presidencial!

O estilo filosófico da encíclica, de fato, pode ser mais acessível aos europeus e latino-americanos do que aos cidadãos norte-americanos, que tendem a ser mais pragmáticos e concretos em seu pensamento. Por isso mesmo, a encíclica é especialmente útil para os americanos que precisam elevar os olhos para uma visão mais elevada e, ao mesmo tempo, manter seu foco prático.

Em conclusão, esta encíclica não é uma leitura rápida que pode ser usada para brigas partidárias. É um trabalho que requer meditação para o verdadeiro entendimento. Deve fornecer subsídios para filósofos e teólogos, bem como líderes políticos e sociais e cidadãos comuns.

As encíclicas são importantes, mas são raros os documentos de ensino no pontificado de Francisco. Ele publicou apenas duas outras encíclicas. A primeira, Lumen Fidei foi basicamente escrita pelo papa Bento XVI antes de sua renúncia. Francisco fez pequenas alterações e assinou a encíclica em 2013 para mostrar a continuidade entre seu papado e o de Bento XVI.

A segunda, Laudato Si’, foi um toque de clarim para a ação em nome da Terra, que está sofrendo com a devastação ambiental e o aquecimento global. A resposta à carta de 2015 foi extremamente positiva, exceto pelos negadores das mudanças climáticas.

Fratelli Tutti”, terceira encíclica de Francisco, apresenta a sua visão de como a humanidade deve responder às necessidades do século XXI. Vai demorar para ser absorvido, mas pode sustentar a vida.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cinco coisas a ver na nova encíclica do papa Francisco. Artigo de Thomas Reese - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV