Frigoríficos, desmatamento e Amazônia: o próximo coronavírus pode nascer no Brasil

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Da crise não saímos iguais. Ou saímos melhores ou saímos piores”, afirma Papa Francisco na ONU

    LER MAIS
  • O olhar sobre a “comunhão eucarística”: uma mudança de paradigma. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Pós-humano: o desafio de falar do humano e de seu valor. Mudança de época. Artigo de Paolo Benanti

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Junho 2020

Entre 2016 e 2020, 26 novos abatedouros de gado foram registrados na Amazônia Legal, elevando para 183 o número de frigoríficos instalados na região. É uma notícia preocupante, considerando que a pecuária é a maior responsável pelo desmatamento na região, grande emissora de gases de efeito estufa e responsável por um terço de todos os casos de trabalho análogo à escravidão no Brasil. Mas o dado – obtido com exclusividade pelo ((o))oeco com pesquisadores do Imazon, que monitoram o setor desde os anos 1990 – traz uma preocupação extra quando 50% da humanidade chegou a estar isolada para evitar a proliferação do novo coronavírus: a próxima pandemia pode estar sendo gestada ali.

A reportagem é de Fernanda Wenzel, Naira Hofmeister, Pedro Papini e Juliana Lopes, publicada por O Eco, 01-06-2020.

“É como se estivéssemos dormindo sobre um terreno minado e, de repente levantássemos e começássemos a caminhar aleatoriamente. É um comportamento que pode fazer com que a bomba exploda a qualquer minuto. Os frigoríficos vão ter que passar por uma reestruturação sanitária, porque são bombas relógio e focos de proliferação da Covid-19 e de outras doenças”, alerta Ana Lúcia Tourinho, doutora em Ecologia e pesquisadora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Que a refrigeração necessária para conservar a carne e as aglomerações nas linhas de produção tornam os frigoríficos locais favoráveis à proliferação do novo coronavírus já se sabe: nos Estados Unidos, 115 plantas registraram casos de Covid-19 entre seus funcionários e 30 delas tiveram de paralisar as atividades tal a gravidade da situação, incluindo operações das brasileiras JBS e Marfrig. No Brasil, o Ministério Público do Trabalho (MPT) abriu uma investigação para apurar a contaminação de trabalhadores em 61 processadoras de carne em 11 estados brasileiros.

Mas não é só isso.

Os abatedouros também são locais ideias para o surgimento de novos vírus ou bactérias devido à proximidade entre humanos e animais – e ao contato de um com sangue e vísceras do outro. “Se eu fosse instalar um mecanismo de vigilância sanitária para detectar novos vírus, com certeza seria nos frigoríficos”, sugere Carlos Abrahão, médico veterinário especialista em espécies invasoras e Saúde Única – área do conhecimento que relaciona saúde ambiental, humana e animal.

Contato dos trabalhadores com sangue e vísceras dos animais aumentam chances de contaminação. (Foto: Marcio Isensee e Sá)

A ciência já sabe que 60% das novas doenças infecciosas têm origem nos animais. E os coronavírus são uma categoria especialmente perigosa porque já há evidências de que o SARS-CoV-2 (nome do micro-organismo que provoca a atual pandemia) se especializou em infectar seres humanos. Ao que tudo indica, a contaminação teve origem em algum morcego ou cobra vendidos no mercado de Wuhan, a cidade chinesa onde surgiu a doença.

O principal fator para que esse salto entre as espécies aconteça é o desmatamento dos habitats onde a fauna antes vivia protegida – segundo um estudo da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), precisamente 31% dos casos de espalhamento de doenças provenientes de animais entre os seres humanos ocorreram como consequência da invasão e destruição de ambientes naturais.

A Amazônia, que registrou um recorde nas taxas de desmatamento no primeiro trimestre de 2020 (uma área maior que a cidade de Goiânia veio abaixo entre janeiro e março) é detentora da maior biodiversidade do planeta. Já foram identificadas 160 espécies de morcegos por lá, um mamífero no qual pesquisadores localizaram 3.204 tipos diferentes de coronavírus nas populações que vivem em todo o Brasil.

Manter a floresta em pé é fundamental porque a vegetação funciona como uma barreira à dispersão desses micro-organismos. “Quanto mais diversa uma região, mais segura ela é em termos epidemiológicos. Na Amazônia o normal é haver poucos indivíduos de uma espécie restritos a uma região. Isso dificulta que um vírus ou parasita salte de uma população para a outra, porque elas estão isoladas”, explica Abrahão. O problema é quando alguém desmata aquela área e introduz centenas de indivíduos de uma mesma espécie, como bois, por exemplo.

Floresta vira pasto e os dólares seguem chegando

Em média, dois terços da Amazônia derrubada anualmente no Brasil viram pasto. O boi entra tanto para demarcar território – tática usada por grileiros que invadem terras públicas para depois vender a área ilegalmente – como para sustentar quem realmente vive da criação de gado. Neste caso, a atividade abastece desde o comércio local até os grandes frigoríficos, cujos produtos são vendidos nas maiores cadeias de supermercados do país – e também no exterior.

As grandes empresas de proteína animal que operam na Amazônia estão sob pressão para garantir que sua produção seja livre de animais provenientes de áreas desmatadas ilegalmente. Mas até hoje, os instrumentos criados pela indústria e inclusive os acordos judiciais não foram suficientes para que o objetivo seja cumprido. No último ano, investidores internacionais fizeram cobranças contundentes para que os frigoríficos brasileiros eliminem o desmatamento de suas cadeias de fornecimento – mas JBS, Marfrig e Minerva, as três gigantes que lideram o mercado da carne, seguem recebendo dólares e euros apesar de suas 41 operações na Amazônia não estarem 100% seguras. Em 2017, as três empresas detinham 42% da capacidade de abate das unidades ativas na floresta e são, respectivamente, a 1ª, a 5ª e a 10ª no ranking de exposição ao desmatamento elaborado pelo Imazon.

Número de frigoríficos na Amazônia subiu de 157 para 183 em quatro anos. (Foto: Marcio Isensee e Sá)

Com a pandemia, fica claro que a atuação destas empresas na Amazônia oferece um risco ainda maior que o desmatamento. Se um novo vírus surgir nestes frigoríficos, ele pode rapidamente se alastrar pelo Brasil e por outros países, prejudicando não apenas o setor da carne, mas a economia como um todo. Mas o mercado ainda não tomou conhecimento do perigo sanitário da atividade. “Isso ainda está muito longe do radar dos investidores. Falta compreensão de como estes vírus novos surgem e se propagam. Empresários e dirigentes do Brasil e dos Estados Unidos têm um discurso uniforme, de que esta crise é rápida, passageira. É uma desconexão com a realidade”, critica a economista Mônica De Bolle, professora da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, nos Estados Unidos.

De fato, por enquanto, a indústria da carne no Brasil exibe bom desempenho no mercado financeiro em meio à crise. Apesar da expectativa de PIB negativo para o país em 2020, as ações da Marfrig atingiram um pico no dia 13 de maio – a cotação mais alta desde 2011. A Minerva registrou entre janeiro e março o maior lucro líquido dos últimos doze meses e em seu mais recente relatório aos acionistas demonstram otimismo: “Para os próximos trimestres, a forte demanda internacional e os problemas na oferta de outros exportadores de carne bovina, tendem a beneficiar diretamente os players da América do Sul, consolidando a região como o grande fornecedor de carne bovina para o mundo. A Minerva Foods […] está pronta para aproveitar as oportunidades que serão criadas”.

A JBS é mais cautelosa: em seu relatório trimestral, reporta o fechamento de unidades no Brasil e nos EUA e afirma que “neste momento, não há como precisar os impactos a médio e longo prazo no cenário econômico e nas operações da Companhia”. De janeiro a maio, o preço de suas ações caiu 19,2% – mas ela segue mais valorizada do que outras gigantes da bolsa, como Atacadão, Ambev e Petrobras.

A gripe suína na China, a guerra comercial com os EUA e a autorização de novos frigoríficos brasileiros para exportarem para o país asiático já vinham impulsionando as vendas de carne brasileira para exterior. Entre janeiro e abril de 2020, a exportações para a China dobraram na comparação com o mesmo período no ano passado. Após uma queda das vendas em fevereiro – em função da pandemia – a China reaqueceu os motores e voltou com tudo às compras em março. “No médio e longo prazo creio que a tendência é que se fortaleça o setor de exportação de carne no Brasil”, explica José Clavijo, analista do setor de commodities agrícolas na Refinitiv, que produz dados e relatórios para orientar investimentos.

As expectativas positivas das empresas também se baseiam no fato de que, por enquanto, o centro-oeste registra poucos casos de Covid-19 – e é lá que ocorrem 46% dos abates (dado de 2019) no país. Ou seja, a produção, até este momento, está garantida.

Mas pouco a pouco a doença vai chegando também ao Brasil de dentro: Mato Grosso e Mato Grosso do Sul já registram casos e os frigoríficos de Goiás estão na mira do Ministério Público do Trabalho. Para Mônica De Bolle, que está testemunhando o avanço da doença nos Estados Unidos, é apenas uma questão de tempo para que o setor no Brasil seja tão impactado quanto no gigante do norte. “O vírus vai chegar no centro-oeste, não tem jeito. Aqui, a doença entrou pelas costas leste e oeste, e foi avançando para o centro do país”, alerta.

“A combinação de uma epidemia fora de controle, sistema de saúde em colapso e desabastecimento alimentar é um cenário de pesadelo absoluto. E hoje isso é um risco grande no Brasil”, conclui a economista.

Crise climática pode inverter lógica dos mercados

Em março, a bolsa brasileira teve que paralisar as operações por seis vezes em um intervalo de dez dias, acionando o chamado circuit breaker, que acontece quando o tombo no preço das ações é grande demais para ser absorvido pelo mercado. Esse sobe e desce frenético pode ser o “novo normal” do mercado financeiro, segundo alguns analistas. Isso porque os efeitos da pandemia sobre as bolsas de valores estariam antecipando um comportamento que pode ser recorrente à medida que a emergência climática se acelera.

“É claro que há diferenças, mas as mudanças climáticas também podem levar a uma crise humanitária e financeira parecida com essa provocada pela Covid-19, com a estrutura física dos países sendo destruída, por exemplo, ou prejuízos provocados por inundações ou longos períodos de seca”, compara Cole Martin, da Fitch Solutions, empresa que identifica riscos e perspectivas de diversos setores da economia – entre eles o agronegócio – para auxiliar na tomada de decisão de empresas e investidores.

Considerando o desmatamento da Amazônia, a pecuária respondeu por até 45% das emissões de CO² do Brasil em 2018. (Foto: Marcio Isensee e Sá)

O Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), instituição da Suíça conhecida como o banco central dos bancos centrais endossa a tese. Segundo o gerente geral adjunto da organização, Luiz Awazu Pereira da Silva, a Covid-19 “apresenta uma imagem vívida de como será o futuro se nada for feito para reduzir os gases do efeito estufa”.

O setor de combustíveis fósseis foi o primeiro a sentir o baque. Pela primeira vez na história, o preço do barril de petróleo nos EUA ficou abaixo de zero, custando US$ 37,63 negativos. As ações das empresas petrolíferas tornaram-se o que o mercado financeiro chama de “ativo encalhado”. “Ativos encalhados costumavam ser uma ideia de nicho. Essa profecia está em exibição ao longo das últimas semana no setor de óleo e gás”, escreveu no final de abril a editora de finanças sustentáveis da Bloomberg, Emily Chasan.

Com previsões de queda de 3% na economia global neste ano, a maior em quase um século, ruas e estabelecimentos podem seguir vazios mesmo após a reabertura e liberação do fluxo de pessoas. “Restaurantes vazios. Teatros e hotéis fechados. Aviões no chão. Pelo menos no momento, todos se encaixam na definição de ativos encalhados sujeitos a desvalorizações repentinas e prejuízos operacionais”, concluiu a jornalista.

Inércia de investidores é preocupante

Os sinais de alerta para o setor da pecuária são claros. O comportamento dos consumidores está mudando com a pandemia. Enquanto a Rússia suspendeu a exportação de alguns alimentos para privilegiar o abastecimento do mercado doméstico, nos países do leste da África, a preocupação com a segurança alimentar levou a população a dar preferência a peixes de espécies locais em detrimento dos importados da China. Na Ásia, aumenta o interesse em proteína vegetal, cujas vendas ainda são residuais em comparação com a carne.

E ainda há o perigo de contaminações agora no ambiente de produção e a preocupação futura com a geração de novas epidemias à medida que a atividade avança sobre a Amazônia. Tudo isso se soma a um problema anterior: os altos volumes de emissões de gases de efeito estufa relacionados à cadeia da carne. Em 2018, a criação de gado respondeu por 19% das emissões do Brasil, número que sobe para 45% se incluir as derrubadas da Amazônia.

Mas nada disso foi suficiente para acender o alerta nas empresas ou nos investidores, que parecem alheios aos riscos de financiar frigoríficos na Amazônia. “Quando a gente fala ao investidor que ele vai perder dinheiro no médio prazo com petróleo e combustíveis fósseis, porque esses ativos vão se tornar encalhados, ele sabe exatamente qual o ativo e onde ele está. O desmatamento é muito mais difuso. As pessoas até associam desmatamento às mudanças no clima, mas é mais difícil o investidor entender que aquele produto financeiro também tem a ver com desmatamento”, observa Natalie Unterstell, da Talanoa Solutions, uma empresa de consultoria especializada em projetos de redução do impacto causado por mudanças climáticas.

É um comportamento que já foi identificado pelo Banco de Compensações Internacionais, cujos analistas alertam que tanto a pandemia como as mudanças climáticas são “cisnes verdes”, um termo utilizado para descrever riscos que têm altas chances de se materializarem, mas que são complexos demais para serem totalmente compreendidos.

A reação dos investidores diante da indústria da carne é semelhante àquela que os cientistas receberam quando apontaram, em 2007, a alta probabilidade de ocorrência de uma epidemia de coronavírus – e foram ignorados. “Desde o final dos anos 1990 venho tentando avisar que isso iria explodir. Estamos brincando com o conhecimento científico”, desabafa Tourinho, da UFMT.

Resta saber se vamos de novo pagar – literalmente – para ver. “Com 0,1% do que está sendo gasto no combate à pandemia a gente teria um sistema de prevenção mundial para este tipo de problema. Basta investir na coisa certa – que é ciência de base, pesquisa e vigilância sanitária – para a gente não ter a próxima Covid-19. E isso passa também por um cuidado muito maior com a natureza, porque as saúdes humana, animal e ambiental são interdependentes”, conclui Abrahão.

Contraponto

Marfrig – leia a íntegra da resposta aqui:

A Marfrig afirma vem adotando uma série de medidas de monitoramento e prevenção à covid-19 em todas as suas unidades de produção e escritórios, entre elas a aferição diária da temperatura corporal de todos os 18.000 funcionários e o aumento dos intervalos entre os turnos de trabalho. A empresa reforça que monitora seus fornecedores de gado na Amazônia para evitar a compra de gado de área desmatadas ilegalmente. A Marfrig também cita diversas iniciativas para promover a pecuária de baixo carbono, entre elas uma parceria inédita com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para fomentar a adoção de práticas mais sustentáveis na entre os criadores de gado.

Minerva – leia a íntegra da resposta aqui:

A Minerva afirma que vem operando com um rigoroso Plano de Contingência para proteger a saúde de seus colaboradores e a segurança da produção, ao mesmo tempo em que assegura o abastecimento de alimentos à população. As plantas estão funcionando com 70% da capacidade para garantir o distanciamento seguro nas operações, funcionários estão sendo testados para coronavírus e tendo a temperatura corporal monitorada. Sobre eventuais impactos para os investidores, a empresa afirma que o Brasil está muito bem posicionado para atender as necessidades do mercado mundial, uma vez que todas as plantas seguem controles sanitários rígidos e contam com a presença de inspetores do Serviço de Inspeção Federal (SIF), órgão ligado ao Ministério da Agricultura.

JBS – leia a íntegra da resposta aqui:

A JBS afirma todas as fazendas fornecedoras de gado da companhia na região amazônica são monitoradas por meio de imagens de satélite e dados georreferenciados da propriedade, sendo excluídas as propriedades onde há desmatamento. A empresa também afirma que, desde o início da pandemia, adota um rigoroso Protocolo de controle e prevenção da covid-19 em suas unidades, com ações com o afastamento de todos os colaboradores dos grupos de risco, controle de temperatura dos funcionários e distanciamento entre eles.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Frigoríficos, desmatamento e Amazônia: o próximo coronavírus pode nascer no Brasil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV