“O CELAM deve estar positivamente envolvido na pós-assembleia sinodal”. Entrevista com Dom Miguel Cabrejos, presidente do episcopado latino-americano

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Irreverência

    LER MAIS
  • Uma prova do conclave. O próximo papa assumirá o nome da Comunidade de Santo Egídio

    LER MAIS
  • “Eu estou tirando Deus da Bíblia”. Entrevista com Marc-Alain Ouaknin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Setembro 2019

D. Miguel Cabrejos é Presidente do Conselho Episcopal Latino-americano - CELAM, desde maio passado, recebendo, juntamente com a nova Presidência, uma tarefa de reestruturação do organismo, uma vez que “ultimamente, estava ausente da realidade ou das necessidades das conferências episcopais”.

A entrevista é de Luis Miguel Modino.

O arcebispo de Trujillo, Peru, que participará como padre sinodal da assembleia, que acontecerá de 6 a 27 de outubro no Vaticano, na qualidade de presidente da Conferência Episcopal Peruana, destaca o importante papel da REPAM, que não devemos esquecer que tem um de seus órgãos fundadores no CELAM, nesse processo sinodal, e que pode ser um exemplo a seguir em outras regiões.

Monsenhor Miguel Cabrejos, Presidente do Conselho Episcopal Latino-americano - CELAM (Foto: Luis Miguel Modino)

O CELAM, que já falou semanas atrás sobre os incêndios na Amazônia, quer, segundo seu Presidente, ajudar a entender o que é a Amazônia e se envolver de maneira decisiva na etapa pós-sinodal, que muitos consideram a mais importante. Dom Miguel Cabrejos diz que tem muita esperança no Sínodo, que espera possa ajudar a estar próximo dos povos da Amazônia, porque "são pessoas que precisam de nossa atenção". Para isso, ele reconhece que "talvez sejam necessários novos carismas missionários em termos de território, que possam acompanhar como as antigas missões antes", é preciso se amazonizar, estar envolvido no cuidado da Amazônia e de seus povos.

Eis a entrevista.

O senhor assumiu a presidência do CELAM há alguns meses, o que está descobrindo sobre a realidade da Igreja Latino-Americana?

A origem está na reunião de Tegucigalpa, em Honduras, onde houve a assembleia ordinária do CELAM para a eleição da nova presidência e as novas responsabilidades. Ali, naquela assembleia, houve um clamor pela reestruturação e renovação do CELAM. Nós, a nova Presidência, recebemos um mandato, ao lado de várias coisas muito específicas, como ver a reestruturação, ver os estatutos, ver a nova sede do CELAM, mas também houve grandes avanços nessa reestruturação. As famosas comissões, com os responsáveis pelos departamentos pastorais, devem ser deixadas de lado por enquanto. Isso fez com que a assembleia elegesse oito bispos encarregados como assessores da Presidência do CELAM.

Segundo, houve uma reunião quase específica sobre essa renovação, sobre a estruturação do CELAM, e algumas diretrizes, alguns acordos, alguns lineamentos surgiram. Enviamos isso ao Santo Padre, mas também o enviamos a todos os bispos que presidem as conferências episcopais e secretários gerais para socializar o assunto. Há uma grande resposta, há realmente um desejo de bom senso no CELAM, de transformar, renovar e melhorar todas as coisas, especialmente a presença do CELAM nas conferências episcopais.

O CELAM existe há mais de 60 anos, mas, ultimamente, estava ausente da realidade ou das necessidades das conferências episcopais. Portanto, sinto isso hoje mais e mais do que nunca, por exemplo, já tive duas reuniões de alto nível para isso, reuniões da Presidência, reuniões dos bispos consultores. Este último está em perfeita harmonia com a questão da reestruturação do CELAM.

É verdade que refletimos sobre o tema do Sínodo, de uma preparação mais próxima, a reunião mais próxima do Sínodo em que estiveram os secretários especiais do Sínodo, os presidentes das conferências episcopais dos países amazônicos, houve especialistas, houve presidentes de conferências episcopais, delegados do Sínodo e, ao refletir sobre as questões do Sínodo, obviamente tem a ver com a reestruturação do CELAM, porque um dos grandes pontos fortes da preparação para o Sínodo foi a REPAM.

Reunião CELAM - REPAM, em Bogotá (Foto: Luis Miguel Modino)

A REPAM fez um processo, cerca de 2 anos, de toda a questão amazônica. Foi configurada como uma rede, uma rede amazônica, mas isso leva a outras redes. Na América Central, uma rede está sendo formada, mas gera o pensamento e o desenvolvimento de uma rede, por exemplo, dos países andinos. Parece-me extremamente interessante, e o que analisamos aqui terá que retomar, não apenas no Sínodo, mas também na reestruturação do CELAM. Ou seja, vejo uma vitalidade, vejo um entusiasmo, vejo um interesse dos bispos em caminhar nisto.

O senhor fala de uma maior presença do CELAM nas conferências episcopais nos diferentes países, o que nos lembra um pouco da ideia de sinodalidade em que o Papa Francisco insiste tanto. Como o CELAM pode colaborar para que essa sinodalidade se torne uma realidade prática na vida da Igreja da América Latina?

A palavra sínodo, a palavra sinodoal, é tão antiga quanto a Igreja, porque a primeira experiência sinodal é no Concílio de Jerusalém, é definida nos Atos dos Apóstolos. Quando os apóstolos, os sacerdotes e o povo, os fiéis, se reúnem para discernir problemas muito específicos da época. Mas isso tem acontecido nos concílios e nos sínodos subsequentes até hoje. Então, sinodalidade é caminhar juntos, caminhar juntos quem, o Papa, os bispos, os fiéis, ou vice-versa, caminhar juntos os fiéis, os presbíteros, os bispos e o Papa, no conceito teológico de Povo de Deus.

As conferências episcopais certamente pareceram ausentes, o CELAM é constituído como um organismo de comunhão, participação e colaboração. Isso não aconteceu recentemente, e é isso que queremos retomar. Como? É esse o caso, visitando as conferências episcopais, conhecendo in situ as necessidades, as projeções, o que cada conferência episcopal deseja. Porque, no final, o CELAM reúne 22 conferências episcopais em toda a América Latina e no Caribe. É um ótimo serviço, é andar sinodalmente, caminhar juntos. O CELAM como um corpo de serviço, mas serviço às conferências episcopais. Mas também as conferências episcopais caminhar juntas com o CELAM para um melhor serviço pastoral, porque esse é o objetivo.

O senhor falou sobre a Amazônia, há algumas semanas o CELAM emitiu uma nota que muitos descreveram como bastante profética em relação aos incêndios na Amazônia, denunciando não apenas os incêndios como a situação pela qual a Amazônia e seu povo estão passando. Como o CELAM poderia ajudar a sociedade e os governos a tomar consciência da importância do cuidado da Amazônia, do cuidado da Casa Comum?

Quando houve esse grande incêndio, o CELAM imediatamente se pronunciou como Presidência, chamando a atenção para esse problema. Certamente, o que o CELAM pode continuar fazendo é o convite que o cardeal Czerny fez na reunião do CELAM em preparação para o Sínodo. Há muitas pessoas que entendem a Amazônia, e nós, que moramos nos países amazônicos, entendemos o problema da Amazônia ainda melhor. Mas há pessoas que não entendem a Amazônia, ou porque vivem fora, ou por que não fazem parte de um país amazônico, ou porque isso não lhes diz muito.

Então, há um convite para fazer o mundo entender, pedir que o mundo entenda, que o mundo se envolva, que o mundo entenda que é a Amazônia, como o grande pulmão do mundo. Mas não apenas do ponto de vista eclesial ou pastoral, mas também do ponto de vista científico. As pessoas têm que entender que a Amazônia é o grande pulmão do mundo, é a maior fonte de água da humanidade, por causa desse fenômeno de refluxo e fluxo do que são as chuvas, que produzem chuvas, produzem água. Existem muitas pessoas que não entendem e veem a Amazônia como um lugar simplesmente de riqueza, e nisso alguns países e alguns presidentes de países amazônicos entendem melhor que outros.

Há pessoas muito comprometidas com a biodiversidade, a interculturalidade e o serviço pastoral. Então, acredito que o CELAM deve estar positivamente envolvido na assembleia pós-sinodal. O Sínodo tem três partes: a preparação, que está quase terminada, o próprio fato da assembleia sinodal, que será em outubro, mas chega à terceira etapa, o pós-Sínodo, a pós-assembleia e onde deveria atuar. Então, é aí que realmente acredito que o CELAM, como corresponde às conferências episcopais, que abriga sete países da Amazônia, é o quem deveria estar envolvido, através de uma rede, através da REPAM, ou reformulado a REPAM, através de outras redes, mas é o chamado não apenas para trabalhar, mas para mostrar a riqueza da Amazônia.

O CELAM já tem alguma proposta concreta a esse respeito, ou é simplesmente um desafio, uma preocupação, um desejo por agora?

O que acontece é que propostas muito concretas foram divulgadas internamente, mas são propostas que vamos fazer e devemos levar ao Sínodo. Acredito que temos que esperar pelo Sínodo e o Sínodo apresentará propostas muito concretas e específicas, também em relação ao compromisso do CELAM.

O senhor, como Presidente da Conferência Episcopal do Peru, será um dos Padres sinodais. Qual é a sua expectativa deste Sínodo para a Amazônia?

Tenho muita esperança, primeiro porque o Peru é um país amazônico. No Peru, temos oito vicariatos apostólicos, sabemos muito sobre a realidade da selva. Sou franciscano, as grandes ordens sempre tiveram uma participação intensa no que se chamava missões, houve jesuítas, dominicanos e franciscanos. Nunca posso esquecer a ação missionária dos franciscanos que partiram do convento de Ocopa em direção a todo o interior da selva. Graças aos franciscanos, por assim dizer, todos os limites do Peru são devidos na parte da selva, existem até lugares que levam o nome dos padres que morreram heroicamente nessas áreas.

Isso foi perdido, porque não há mais pessoas que desejam estar na Amazônia, em geral, no nível de franciscanos, jesuítas, dominicanos e outras congregações. Mas tenho muita esperança, porque tem sido e é parte de nós, e há uma população grande, há populações gigantes na floresta peruana, Iquitos, Pucallpa, as grandes, mas existem muitas populações e há muitas línguas, não apenas dialetos, mas línguas. São pessoas que precisam de nossa atenção, talvez precisem de novos carismas missionários centrados nesse território que possam acompanhar, como costumavam fazer nas antigas missões franciscanas, jesuítas e dominicanas.

Agora existem novos carismas, mas todos estão concentrados nas cidades, por que não pensar em carismas, certamente pedindo a Deus e ao Espírito Santo que impulsionem novos carismas, mas nos territórios amazônicos que podem ser um renascer dessa vida pastoral da Igreja em toda essa região.

O senhor falou sobre uma série de aspectos que nos referem a Laudato Si, publicada há quatro anos, mas que, em certa medida, podemos dizer que ela ainda não foi implementada na prática da Igreja. Que medidas podem ser tomadas para garantir que toda a doutrina da Laudato Si seja assumida na prática teológica e pastoral da Igreja?

Eu realmente acredito que há uma palavra que já foi dita na reunião de preparação do Sínodo, devemos nos amazonizar, ou seja, nos envolver, entrar no tema amazônico, porque como eu disse, a Amazônia não é apenas biodiversidade, não é apenas cuidado da Casa Comum, são as culturas indígenas e os povos originários que existem, com sua cultura, costumes, remédios, aspectos culturais. E há também outro aspecto que interessa: como servir ministerialmente essa parte da selva. Fala-se de Laudato Si, mas acho que as pessoas não estão plenamente conscientes da riqueza da Amazônia, também como o pulmão do mundo, como uma esperança da humanidade do ponto de vista da natureza.

Portanto, disse o cardeal Czerny, ele nos convidou na reunião, quem não está convencido, tenta se aproximar dele e convencê-lo. É uma espécie de espírito, de uma tarefa missionária relacionada com quem não entende a Amazônia. Eu acredito que este é um trabalho que deve ser feito, nós, também vocês, entender a Amazônia, e quem não a entende, faz você entender, ou pelo menos tenta entender a Amazônia, que acredito que fará muito bem à humanidade. Para mim, é o amor a maneira mais prática de fazer entender ou viver a Laudato Si. Esse estágio pre-sinodal que já está acabando, o Sínodo e, principalmente, a pós-sinodal, tudo o que saia do Sínodo da Amazônia.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O CELAM deve estar positivamente envolvido na pós-assembleia sinodal”. Entrevista com Dom Miguel Cabrejos, presidente do episcopado latino-americano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV