Herói chileno é expulso do sacerdócio por acusações de abuso sexual

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • III Jornada Mundial dos Pobres: o papa almoçará com 1500 convidados

    LER MAIS
  • “O Papa não é liberal, é radical”, afirma cardeal Kasper

    LER MAIS
  • III Dia Mundial dos Pobres. A Centralidade dos Pobres na Igreja e na Sociedade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Setembro 2018

Um padre que já foi um herói nacional no Chile, agora se encontra envolvido em mais um caso da enorme crise de abuso sexual clerical do país. Ele foi expulso do sacerdócio pelo papa Francisco depois de ter sido considerado culpado de abusar de menores e adultos vulneráveis

A reportagem é de Inés San Martín, publicada por Crux, 16-09-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

A Arquidiocese de Santiago, no Chile, divulgou um comunicado no sábado dizendo que o cardeal Luis Ladaria, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, notificou a Igreja Chilena que, em 12 de setembro, Francisco havia decretado “sem possibilidade de recurso” a “remoção do estado clerical 'ex officio et pro bono Ecclesiae'” do padre Cristián Precht Bañados.

Precht, que foi alçado à fama no Chile por sua defesa dos direitos humanos durante o governo do ditador Augusto Pinochet, já havia sido suspenso do ministério entre 2012 e 2017 depois que a CDF o considerou culpado de abusar de menores e adultos.

O ex-padre havia desempenhado um papel fundamental durante a visita de São João Paulo II ao Chile em 1987, servindo como vice-presidente do comitê organizador local e também como chefe de liturgias.

A influência de Precht na Igreja de Santiago foi profunda, pois ele serviu como vigário regional, chefe do ministério de jovens e até como secretário executivo da comissão de canonização do chileno Alberto Hurtado.

Além disso, em nível continental, foi secretário-geral adjunto do CELAM, a conferência dos bispos latino-americanos, de 1995 a 1999.

O padre foi um dos dois colaboradores mais próximos do cardeal Raúl Silva Henríquez, chefe da Arquidiocese de Santiago de 1961 a 1983. O outro, padre Miguel Ortega, também foi considerado culpado de abuso.

Tanto Precht quanto Ortega, que faleceu em 2015, enfrentaram novas acusações nos últimos meses, desta vez de vítimas dos irmãos maristas, que dizem que os dois abusaram sexualmente as crianças quando visitaram as instalações maristas, e que assediaram adolescentes que foram se confessar.

Embora os dois tenham personalidades muito diferentes, muitos traçaram paralelos entre a influência que Precht teve na Igreja em Santiago e a de outro padre abusivo, Fernando Karadima, condenado a uma vida de penitência e oração em 2011.

Um herói para a esquerda, outro muito mais conservador, os dois se moviam entre as elites e os líderes do país, mas o primeiro era um “encantador, amigável com todos”, enquanto Karadima era o oposto.

Depois que a CDF considerou Precht culpado em 2012, coube ao arcebispo de Santiago, o cardeal Ricardo Ezzati, aplicar uma sanção. Depois que o padre Jaime Ortiz de Lezcano, vigário judicial diocesano, recomendou que Precht fosse condenado à prisão perpétua, Ezzati resolveu suspendê-lo por cinco anos.

Uma fonte chilena com conhecimento da situação disse ao Crux que a decisão “pessoal” de Ezzati era “incomum” e “desafiava todo bom senso”, vendo tanto que a CDF havia considerado o padre culpado e que o vigário judicial havia sugerido uma punição mais severa.

Não está claro por que Karadima sentenciou uma sentença por toda a vida e Precht por apenas cinco anos, quando os dois foram investigados praticamente ao mesmo tempo.

Precht voltou ao ministério em 2017, mas quando novas alegações contra ele surgiram no início deste ano, um segundo processo canônico começou.

Entre outras coisas, ele foi proibido de deixar a diocese até o término do processo, uma decisão que ele tentou apelar nos tribunais civis locais. Quando não foi aceito, ele apresentou o recurso à Suprema Corte do país, que o aceitou. Também apresentou a documentação necessária no início deste mês.

Não está claro o que as autoridades civis farão agora que Francisco decretou que Precht é culpado. Mesmo depois que o Vaticano o considerou culpado em 2011, as autoridades locais não o puniram.

Ezzati hoje enfrenta suas próprias acusações, depois de ter sido intimado pelo escritório do promotor local por supostamente ter encoberto casos de abuso sexual clerical. Ele é um dos sete bispos chilenos que foram convocados, alguns por suspeita de encobrimento, outros supostamente por terem abusado de menores e adultos vulneráveis.

Todos os bispos chilenos apresentaram sua renúncia em maio e Francisco aceitou a renúncia de dois dos sete bispos que foram intimados. Ezzati ainda lidera a Arquidiocese de Santiago, mas para evitar os protestos que ocorrem esporadicamente quando ele reza a missa, desistiu de alguns de seus deveres pastorais, inclusive o de presidir a Missa anual Te Deum em 18 de setembro.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Herói chileno é expulso do sacerdócio por acusações de abuso sexual - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV