Pinochet, o governante “mais violento e criminoso” da história do Chile

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • “Pobre catolicismo que nunca chegou a ser cristão!”. Artigo de José I. González Faus

    LER MAIS
  • ''Coletes amarelos'' mostram como o chão está se mexendo debaixo dos nossos pés. Artigo de David Graeber

    LER MAIS
  • Por que o Papa Francisco concordou com Xi Jinping. Artigo de Francesco Sisci

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Outubro 2016

Depois que os Estados Unidos quebraram o sigilo dos últimos documentos sobre o assassinato em Washington do chanceler Orlando Letelier no dia 23 de setembro, que confirmam que Augusto Pinochet foi o mandante, o Parlamento chileno decidiu nesta quarta-feira, dia 5 de outubro, emitir uma recomendação política inédita. Com o apoio de 69 deputados, a oposição de 23 e seis abstenção, a Câmara aprovou um acordo que qualifica Pinochet como um “ditador, artífice de um aparato terrorista de Estado e autor intelectual do assassinato premeditado e traiçoeiro do ex-chanceler” de Salvador Allende.

A reportagem é de Rocío Montes, publicada por El País, 06-10-2016.

“Isso faz dele — Pinochet — o governante mais violento e criminoso que o Chile já teve em sua história”, afirmam os deputados, que querem que o Ministério da Defesa garanta que não se exibam imagens de Pinochet em nenhum órgão público e nem que se prestem homenagens nas Forças Armadas.

Segundo a informação revelada pelos Estados Unidos 40 anos depois do assassinato de 1976, Pinochet foi quem ordenou a criação de um comando que cometesse o atentado contra Letelier, um político incômodo para a ditadura por suas constantes denúncias em Washington contra o regime autoritário de Santiago. “Uma revisão de nossos arquivos sobre o assassinato de Letelier nos ofereceu o que consideramos provas convincentes de que Pinochet determinou que seu chefe de inteligência perpetrasse o assassinato”, destaca o relatório da CIA fechado em 1 de maio de 1987, e redigido durante o Governo de Ronald Reagan.

O acordo dos deputados chilenos também se refere ao papel cumprido pelos tribunais da ditadura, que impediram que o chefe da polícia secreta de Pinochet, Manual Contreras, fosse finalmente extraditado para os Estados Unidos, como pretendia Washington. O texto destaca que o ex-presidente da Suprema Corte Israel Bórquez e todos os ministros do mais alto tribunal do país que vieram depois e impediram a extradição são “uma vergonha nacional”. “Deixaram de cumprir seus deveres de forma muito grave”, afirma o texto do Congresso.

Desde a chegada da democracia em 1990, a Câmara não emitia um pronunciamento deste tipo em relação a Pinochet que, depois de deixar o Governo e abandonar a direção das Forças Armadas, em 1998 se tornou senador vitalício da Câmara Alta.

Leia mais...

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pinochet, o governante “mais violento e criminoso” da história do Chile - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV