Francisco quebra barreiras com ortodoxos pela paz no Oriente Médio

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal: a primeira pergunta que Deus faz não é sobre orientação sexual, mas sobre o cuidado com os pobres

    LER MAIS
  • Cardeal espanhol: ‘O comunismo marxista … renasceu’ no país

    LER MAIS
  • O silêncio dos teólogos. Custódia da comunhão e medo cúmplice

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Julho 2018

Visando a paz no Oriente Médio, o Papa Francisco realizará no próximo sábado uma oração ecumênica na cidade de Bari, no sul da Itália. O evento contará com representantes cristãos, incluindo a Igreja Ortodoxa Russa.

A reportagem é de Inés San Martín, publicada por Crux, 03-07-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

A peregrinação a Bari, uma cidade ecumênica por excelência, dado a presença dos restos de São Nicolau, venerado tanto pelos católicos como pelos ortodoxos, tem como lema: “Que a paz esteja convosco! Cristãos unidos pelo Oriente Médio”.

Francisco sempre teve gestos de amizade, acolhimento e franqueza para quebrar paradigmas com os patriarcas orientais e ortodoxos”, disse o cardeal argentino Leonardo Sandri, prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais do Vaticano.

"Ele também fez um gesto de aproximação ao cunhar o termo 'ecumenismo de sangue'. Ainda há um longo caminho para a unidade da Igreja, mas já estamos juntos através desses mártires que católicos e ortodoxos compartilham", disse Sandri, em uma entrevista coletiva realizada na cidade de Roma na terça-feira".

Falando sobre vítimas do terrorismo e da violência, ele disse que não são escolhidos, e sim que todos são afetados. "Quando o nome de Deus e a paz são profanados, as vítimas são cristãos, muçulmanos e yazidis, e as pessoas de todas religiões", ressaltou Sandri.

O objetivo do evento é que os líderes cristãos se reúnam para rezar por uma região que, devido aos conflitos e perseguições em curso, está vendo sua população cristã diminuir ano após ano.

"O Oriente Médio, uma terra caracterizada por suas origens, é uma das regiões do mundo onde a situação dos cristãos é mais precária", disse o cardeal Kurt Koch, da Suíça, chefe do escritório do Vaticano dedicado à promoção da Unidade dos Cristãos.

Falando com jornalistas na terça-feira, o cardeal observou que enquanto os cristãos representavam 20% da população na região antes da Primeira Guerra Mundial, hoje eles são apenas 4%. Só no Iraque, o número de cristãos passou de 1,5 milhão em 2003 para cerca de 300 mil hoje.

De acordo com Koch, os cristãos só permanecerão na região se a paz for restaurada, e essa é uma das razões pelas quais a Igreja Católica sempre trabalhou, principalmente por meio de soluções políticas.

"Não é possível imaginar um Oriente Médio sem cristãos, não apenas por razões políticas, mas porque são essenciais para o equilíbrio da região", disse Koch.

Entre os líderes cristãos que responderam ao chamado do Papa Francisco, estão os chefes de Igrejas ortodoxas, Igrejas ortodoxas orientais, a Igreja Ortodoxa Assíria, membros de Igrejas orientais católicas, um representante da Igreja Luterana e outro do Conselho de Igrejas do Oriente Médio.

A maioria dos 19 líderes presentes são patriarcas ou chefes de igrejas. Apenas cinco estão enviando um representante, incluindo a Igreja Ortodoxa Russa e o Patriarcado Católico Melquita de Antioquia.

Apesar dos sinais de reaproximação nos últimos anos - incluindo um encontro histórico com o chefe da Igreja Católica -, a intenção do serviço de oração e a importância de Bari como local de peregrinação para seus fiéis, o Patriarca Ortodoxo Russo, Kirill, não comparecerá ao encontro. No entanto, ele está enviando seu braço direito, o metropolita Hilarion de Volokolamsk, como seu representante.

Se Kirill tivesse aceitado o convite, teria sido a segunda vez que os líderes do cristianismo ocidental e oriental se encontraram, após um encontro histórico em Cuba.

Entre os recentes sinais de diminuição da tensão, está o fato de que em abril após um bombardeio realizado pelos Estados Unidos, Reino Unido e França contra complexos militares que supostamente continham armas químicas, o próprio Kirill chamou Francisco, preocupado com os últimos acontecimentos na guerra síria.

"Nós avançamos com esta iniciativa sabendo que os cristãos não podem ficar à mercê vendo o que está acontecendo na Síria. Tivemos um diálogo significativo de pacificação", disse Kirill a repórteres.

Ele também disse que os dois líderes cristãos esperam ver um fim para o "derramamento de sangue" na Síria.

"Falamos sobre como os cristãos devem influenciar os eventos, com o objetivo de pôr fim à violência para acabar com a guerra e impedir ainda mais vítimas", disse Kirill.

Respondendo a perguntas de jornalistas, Koch disse que o convite de Kirill à Francisco em abril "não é a causa" para o encontro de sábado.

Segundo Sandri, a ideia já está em andamento há algum tempo e vem de pedidos que Francisco recebeu de várias Igrejas e patriarcas do Oriente Médio.

Bari é considerada uma cidade sagrada para as Igrejas do leste europeu por causa da basílica dedicada a São Nicolau, conhecida por muitos como o santo que dá presentes para as crianças no Natal. Pessoas de todo o mundo o chamam de Papai Noel.

Fachada da Basílica de São Nicolau (Foto: www.around.bari.it)

 

Interior da Basílica de São Nicolau (Foto: www.around.bari.it)

Esta não é a primeira iniciativa de oração do Papa pela paz no Oriente Médio.

Em 7 de setembro de 2013, ele convocou um dia de oração e jejum pela paz na Síria. Em 2014, liderou uma oração inter-religiosa pela paz que incluiu o presidente israelense, Shimon Peres, e seu colega palestino, Mahmoud Abbas, que veio ao Vaticano para orar pela paz na região.

O pontífice também pediu aos cristãos de todo o mundo para se juntarem à iniciativa, orando de onde eles estiverem. Também pediu isso depois de sua oração semanal do Angelus de domingo, na Praça de São Pedro, e através de sua conta no Twitter, que atinge mais de 40 milhões de pessoas em vários idiomas.

A reunião será dividida em dois momentos: uma oração pública, que incluirá canto em aramaico e em árabe, e um encontro privado entre os líderes da igreja e os patriarcas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco quebra barreiras com ortodoxos pela paz no Oriente Médio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV