Nicarágua: Arquidiocese de Manágua sobre detenções de candidatos à presidência, “ninguém tem autoridade para privar a pessoa de seus direitos”

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Na igreja do Papa Francisco, os movimentos estão parando

    LER MAIS
  • Abusos, sínodo e a falsa prudência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Junho 2021


A Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Manágua (Nicarágua) expressou sua profunda preocupação pela "agressividade com que atua contra o exercício das liberdades dos cidadãos” o regime de Daniel Ortega. Desde 3 de junho, as autoridades judiciais e policiais do regime desencadearam uma ofensiva contra a oposição nicaraguense, prendendo quatro pré-candidatos presidenciais: Cristiana Chamorro, Arturo Cruz, Felix Maradiaga e, mais recentemente, Juan Sebastián Chamorro.

A informação é publicada por Agência SIR, 10-06-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

A esse respeito, a Comissão argumenta que “ninguém tem autoridade para privar arbitrariamente uma pessoa de seus direitos, aqueles de se expressar, circular e agir livremente. Em nosso país esse problema causa dor”.

A mensagem continua: “Vivemos anos de desrespeito pela liberdade e pela vida. Sofremos muito. Como crentes e devotos do Sagrado Coração de Jesus, suplicamos-lhe que nos dê forças na fé, confiança na dúvida, esperança na angústia e nos conceda as virtudes de que Ele sabe que necessitamos nesta hora difícil”.

A Comissão escreve ainda: “Como cristãos e cidadãos, temos o direito e o dever de consciência de zelar pelo bem do país. Entre esses deveres e direitos estão o direito de acessar a carteira de identidade do cidadão e o de eleger e ser eleito para cargos públicos de forma livre e justa”.

Portanto, “encorajamos a buscar canais pelos quais a voz dos cidadãos possa ser ouvida”, visto que “a violação aberta desses direitos está ocorrendo e é preocupante. Violar os direitos de um nicaraguense é violar os direitos de todos”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nicarágua: Arquidiocese de Manágua sobre detenções de candidatos à presidência, “ninguém tem autoridade para privar a pessoa de seus direitos” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV