Papa reza pela Nicarágua após atentado à catedral

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Na igreja do Papa Francisco, os movimentos estão parando

    LER MAIS
  • Abusos, sínodo e a falsa prudência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


03 Agosto 2020

Dois dias depois que um explosivo foi jogado contra a Catedral de Manágua, a capital da Nicarágua, destruindo um antigo crucifixo, o Papa Francisco disse lamentar a perda de tesouros espirituais inestimáveis e que está rezando pelo país.

A reportagem é de Elise Ann Allen, publicada em Crux, 02-08-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Falando aos peregrinos reunidos na Praça de São Pedro durante o seu discurso dominical no Ângelus, o Papa Francisco disse que seus pensamentos se voltam “para o povo da Nicarágua, que sofre pelo atentado contra a Catedral de Manágua, onde foi muito danificada, quase destruída, a imagem tão venerada de Cristo, que acompanhou e sustentou durante os séculos a vida do povo fiel”.

“Queridos irmãos nicaraguenses, estou próximo de vocês e rezo por vocês”, disse ele.

Os comentários de Francisco vieram depois que um homem jogou um coquetel molotov dentro da Catedral de Manágua na sexta-feira, alvejando um crucifixo de quase 400 anos de idade, referido como “o Sangue de Cristo”.

Segundo relatos, o homem passou cerca de 20 minutos dentro da catedral antes de gritar: “Eu venho pelo Sangue de Cristo” e jogou o coquetel dentro da capela que abriga o crucifixo.

O incidente é o mais recente de uma série de ataques a igrejas nas últimas semanas, em meio a profundas tensões entre os bispos da Nicarágua e o presidente Daniel Ortega e sua esposa Rosario Murillo, que atua como vice-presidente do país.

Os levantes contra o governo na Nicarágua começaram em 2018, e, nos anos subsequentes de sublevação, bispos, igrejas e instituições de caridade católicos do país têm sido alvos contínuos.

Em um comunicado após o incidente de sexta-feira, o cardeal Leopoldo Brenes, que supervisiona a Arquidiocese de Manágua, chamou o ataque de “ato de sacrilégio e profanação” com o objetivo de “amedrontar a Igreja em sua missão evangelizadora”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa reza pela Nicarágua após atentado à catedral - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV