Depois do Covid-19: e se a semana de 4 dias impulsionar a economia?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • EUA. Padre é suspenso por celebrar a missa rejeitando Francisco como Papa

    LER MAIS
  • A economista que defende uma mudança radical do capitalismo para o mundo pós-pandemia

    LER MAIS
  • Pedro Casaldáliga: sua Morte dá Sentido ao seu Credo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Julho 2020

A fim de reanimar as suas economias, que foram prejudicadas pela pandemia, muitos países estão considerando - mesmo que apenas temporariamente - a redução do horário de trabalho semanal. Uma teoria que já foi colocada em prática em algumas empresas na França.

A reportagem é de Morgane Russeil-Salvan, publicado por We Demain, 10-06-2020. A tradução é de Natália Firmino Amarante. A tradução foi revisada pelo Prof. Dr. Cesar Sanson.

A ideia surgiu entre os "Kiwis", os neozelandeses. Em 20 de Maio, durante uma live no Facebook, a Primeira-Ministra Jacinda Arden mencionou a ideia de reduzir o horário de trabalho: "Ouço muitas pessoas sugerirem a mudança para uma semana de quatro dias. (...) Gostaria de encorajar os líderes empresariais a pensar no assunto: é um modelo que poderia funcionar para o negócio e que certamente ajudaria a impulsionar o turismo no nosso país".

Ainda que Jacinda Arden não pretenda alterar a legislação, ela espera que as empresas adotem este modelo por si próprias. A primeira-ministra aposta na redução do horário de trabalho - e assim na criação de fins-de-semana prolongados - para encorajar os neozelandeses a visitar o seu próprio país. Na Nova Zelândia, onde as fronteiras permanecerão fechadas aos viajantes internacionais até nova ordem, a indústria do turismo é responsável por 5,8% do Produto Interno Bruto. Uma perda significativa de rendimentos para este estado da Oceania.

A ideia viajou até Singapura onde, em 6 de junho, foi retomada pelo deputado Mohamed Irshad: "Proponho passar da tradicional semana de cinco dias para uma semana de quatro dias, com a opção de trabalhar remotamente no quinto dia". Se até esta cidade-estado onde trabalhadores de colarinho branco trabalham 44 horas semanais de trabalho começa a pensar nisso…

Reanimar a economia sem desencadear uma 'segunda onda'

A semana de quatro dias tem um grande defensor: o americano Alex Soojung-Kim Pang, autor do livro Shorter: Work Better, Smarter, and Less (Trabalhe menos, de maneira inteligente e melhor). Em abril, ele explicou na revista mensal americana The Atlantic como esta famosa semana reduzida ajudaria a impulsionar a economia americana, ao mesmo tempo em que protegeria os cidadãos de um retorno da epidemia.

Para o autor, as empresas cometem o erro de confiar no controle do espaço para limitar o risco de contaminação: procuram instalar scanners térmicos ou elevadores sem contacto, renovar o sistema de ventilação... "Mas jogar com o espaço não é a única opção para os empresários que querem reabrir limitando o risco de uma segunda onda. Eles podem igualmente contar com o tempo.

Alex Soojung-Kim Pang propõe portanto "que metade da equipe trabalhe de segunda a quinta-feira, a outra metade de terça-feira a sexta-feira, e que todos trabalhem à distância dois dias por semana", a fim de permitir que os empregados continuem a trabalhar sem se esbarrar uns com os outros dentro da empresa.

Trabalhar menos e produzir mais?

A ideia da semana de quatro dias não nasceu da última pandemia. A Perpetual Guardian, uma empresa da Nova Zelândia, já tinha testado a fórmula em 2018. A experiência de dois meses revelou-se conclusiva: os 240 empregados fizeram tanto trabalho em quatro dias como em cinco, com o bônus de reduzir significativamente os níveis de stress.

Como resultado desta experiência, Andrew Barnes, CEO da Perpetual Guardian, fundou 4 dias semanais globais, uma organização sem fins lucrativos que encoraja investigadores, decisores políticos e empresários a olhar para a semana de quatro dias.

A filial japonesa da Microsoft também realizou a sua própria experiência em 2019. Os resultados são impressionantes: de acordo com o gigante das TI, a produtividade dos 2.300 empregados do departamento japonês teria então aumentado 40%. Os funcionários também se mostraram mais econômicos, reduzindo a quantidade de impressão em 59% e o seu consumo global de eletricidade em 23%.

Nos Estados Unidos, a cadeia de fast-food Shake Shack juntou-se ao movimento em março de 2019, após Maaemo - um restaurante de três estrelas onde as pessoas têm trabalhado três dias por semana desde 2017 - e Aloha Hospitality, que abraçou a fórmula dos quatro dias em 2018. O objectivo é atrair e “fidelizar” empregados num setor onde a taxa de rotação é superior a 70%.

A semana de 4 dias à maneira francesa

Na França, a semana de trabalho legal é de 35 horas. Isto já é menos do que nos Estados Unidos ou na Nova Zelândia, onde as pessoas trabalham legalmente 40 horas por semana. Um estudo recente da OCDE parece provar que dias de trabalho mais curtos não reduziram a eficiência dos trabalhadores franceses: embora o PIB por hora trabalhada tenha abrandado durante a última década, ainda é 25% mais elevado do que a média dos países da UE.

Até agora, os números estão indo na direção de Alex Soojung-Kim Park, para quem semanas e dias mais curtos são a chave para a produtividade. Mas podemos ir ainda mais longe e trabalhar 35 horas por semana, quatro dias sobre 7?

Uma “pequena/média empresa” (PME) francesa testou a fórmula: Love Radius, onde são fabricados os “porta bebês” (cangurus). Nesta pequena empresa em Toulon, eles passam para a semana de quatro dias a partir de maio até setembro. "Começamos em 2017", explica o seu CEO, Olivier Sâles, ao We Demain.

Neste ano, as férias de maio paralisaram várias sextas e segundas-feiras, criando longos fins-de-semana. O empresário teme então um impacto negativo no seu negócio, mas surpresa, surpresa, não é esse o caso. "Os empregados tinham se adaptado e se organizado para chegar mais cedo, partir mais tarde, e aproveitar as férias sem afetar o trabalho.”

Decidiu então tornar permanentes pequenas semanas, mas apenas para o período de verão, a fim de preservar o "efeito de contraste". Três anos mais tarde, Olivier Sâles está satisfeito com este sistema, que "se impôs naturalmente", nas suas palavras.

Ele observa, contudo, que a transição exigiu algum esforço extra por parte dos trabalhadores terciários: "Tem sido necessário explicar àqueles cujo trabalho não é tangível como trabalhar de forma diferente, de uma forma mais concentrada. É necessária uma verdadeira abordagem empresarial para estabelecer objetivos semanais e organizar um verdadeiro seguimento".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Depois do Covid-19: e se a semana de 4 dias impulsionar a economia? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV