Cardeal Müller vê paralelos entre o nazismo e o Caminho Sinodal alemão

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Viagem ao inferno do trabalho em plataformas

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Fevereiro 2020

Assim como os métodos políticos de Hitler. Em declarações ao LifeSiteNews, o cardeal Gerhard Müller criticou fortemente a primeira assembleia oficial do “caminho sinodal” da Igreja alemã. Inclusive, chegou a compará-la com a Lei de habilitação dos nacional-socialistas alemães de 1933. Também disse que “rescinde a Doutrina da Igreja”, distanciando-se “da missão religiosa” da mesma.

A reportagem é publicada por Vida Nueva, 06-02-2020. A tradução é do Cepat.

Essas declarações de Müller surgem motivadas pelos objetivos do caminho sinodal alemão, que começou a refletir tal doutrina sobre aspectos como a ordenação feminina, o celibato, a homossexualidade e a contracepção. A primeira assembleia se reuniu em Frankfurt, de 30 de janeiro a 1º de fevereiro, com a presença de 230 membros sinodais presentes.

Mas o cardeal Müller, ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, considera que as decisões surgidas nesta primeira reunião - na qual um novo sistema de votação foi estabelecido – trazem consigo “um processo suicida”, no qual “a maioria decidiu que suas decisões são válidas, mesmo que contradigam a doutrina católica”.

Mudança de poderes

Por essa razão, considera que as decisões da assembleia são semelhantes às da época da história alemã, quando Adolf Hitler, com a Lei de Habilitação de 1933, anulou a Constituição de Weimar e se concedeu plenos poderes, estabelecendo, assim, legalmente sua ditadura.

“Isto é como a situação em que a Constituição de Weimar foi revogada pela Lei de Habilitação”, apontou. “Uma assembleia autoproclamada, que não está autorizada por Deus, nem pelas pessoas que supõe representar, rescinde a Constituição da Igreja do Direito Divino, que é baseada na Palavra de Deus (nas escrituras e na tradição)”.

Com a nova metodologia, a assembleia sinodal alemã agora permite que os leigos tenham mais membros com direito à voto (52%) do que os bispos e outros clérigos, que representam 30% dos membros sinodais. Uma mudança de poderes que, pelas suas palavras, Müller não está disposto a tolerar.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Müller vê paralelos entre o nazismo e o Caminho Sinodal alemão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV