“Em sua origem, toda propriedade é social e deve voltar à sociedade”. Entrevista com Thomas Piketty

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A barbárie com rosto humano. Artigo de Slavoj Zizek

    LER MAIS
  • CNBB propõe que Domingo de Ramos seja celebrado de modo especial em tempos de coronavírus

    LER MAIS
  • “Pai Nosso”... também hoje. Artigo de José Antonio Pagola

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Janeiro 2020

Se em seu best-seller, O capital no século XXI, Thomas Piketty explorou a dinâmica perversa da acumulação de capital. Em seu Capital e ideologia, propõe um imposto de 90% aos bilionários.

A entrevista é de Nuria Navarro, publicada por El Día, 18-01-2020. A tradução é do Cepat.

Eis a entrevista.

Você tem as costas protegidas?

A imprensa financeira se tornou especialmente agressiva, sim. Mas é muito instrutivo.

Como instrutivo?

Aqueles que, por exemplo, atacam minha ideia de “herança para todos” por incitar o desinteresse dos jovens das classes populares a encontrar trabalho, dão por certo que os jovens da elite farão escolhas bem-sucedidas.

Propõe fritar os ricos com impostos. Lança pedras sobre o seu próprio telhado.

Desculpe?

Você é um rockstar da economia, disputado nos fóruns. Já é da casta.

Estou disposto a pagar 90% de impostos sobre meus direitos autorais. E mais, o sucesso de O capital no século XXI reforçou minha ideia de pagar por alguns rendimentos que, finalmente, têm uma base especulativa. Eu me beneficiei da educação pública e do trabalho de pesquisa coletiva. Não inventei a justiça social.

Certamente.

Tampouco Bill Gates inventou o computador sozinho. Ter uma boa ideia aos 30 anos não significa que aos 70 continue acumulando e tome decisões que afetem milhares de assalariados. É uma concepção monárquica da economia.

Na propriedade privada não se toca, dirão.

Em sua origem, toda propriedade é social e deve voltar à sociedade. A propriedade absolutamente privada é uma construção política e ideológica.

A qual de suas propriedades você seria incapaz de renunciar?

Propriedades? Eu pago aluguel perto da Gare de l'Est, em Paris, e tenho três filhas, 22, 19 e 16 anos. Talvez salvaria algum livro. Sou fã de Balzac.

Como nasceu a sua consciência? Um legado de seus pais, trotskistas?

Inicialmente, fui liberal. Tinha 18 anos no momento da queda do Muro de Berlim [novembro de 1989]. Para a minha geração foi um acontecimento fundacional. Eu era anticomunista, mas me perguntei: “Quais são as insatisfações do sistema capitalista prévio à guerra que conduziram o mundo ao comunismo?”.

O que aconteceu?

No ano de 2001, trabalhando no livro Los altos ingresos en Francia en el siglo XX, analisei dados sobre o imposto de renda desde o ano de 1914 e percebi que a redução das desigualdades no coração do século XX havia ocorrido de maneira violenta. A revolução bolchevique, por exemplo, pressionou os países capitalistas a aceitar reformas fiscais e sociais.

E se encaminhou para o anticapitalismo?

Tento formular as bases de um socialismo participativo, que supere o capitalismo através de um modelo de propriedade social e de descentralização do poder.

Não se define.

Diálogo com a França Insubmissa de Mélenchon e com gente do Partido Socialista. Ambos devem unir forças, como Pedro Sánchez e Pablo Iglesias na Espanha, que em 2015, soube em primeira mão, se detestavam. A esquerda deve organizar um programa de transformação para uma maior justiça social e ambiental na Europa.

A realidade segue em direção contrária.

Após a crise de 2008, há um questionamento ao neoliberalismo. Bernie Sanders não é Bill Clinton. O desdobramento nas fronteiras e os estados-nações são apenas uma fase de regressão.

O independentismo se equivoca?

Na conferência da Fundação La Caixa, perguntei: se a Catalunha se tornar um Estado independente, que tipo de tributação almejará? Se deseja apenas conservar a receita tributária, é uma ideia elitista.

Cite uma medida urgente (e possível) para frear a desigualdade social.

Justiça educacional. Existe uma enorme hipocrisia, mesmo entre a esquerda brâmane, em relação à emancipação das classes populares através da educação. Os professores qualificados estão nos bairros ricos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Em sua origem, toda propriedade é social e deve voltar à sociedade”. Entrevista com Thomas Piketty - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV