Solenidade Jesus Cristo, Rei do Universo - Ano C - No crucificado o rosto misericordioso de Deus

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Irreverência

    LER MAIS
  • Uma prova do conclave. O próximo papa assumirá o nome da Comunidade de Santo Egídio

    LER MAIS
  • “Eu estou tirando Deus da Bíblia”. Entrevista com Marc-Alain Ouaknin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: MpvM | 22 Novembro 2019

"Na festa solene do Cristo Rei do Universo os textos apresentados nos revelam o rosto misericordioso de Deus que vai ao encontro dos crucificados de hoje, garantindo-lhes salvação. Nós cristãos, através do batismo, possuímos uma identidade única: nos tornamos sacerdotes e sacerdotisas, profetas e profetisas, reis e rainhas.

Jesus nos ensina a levarmos esperança aos que se encontram no leito da cruz, desiludidos, depressivos, desprezados e humilhados em sua dignidade, garantindo-lhes que Deus os vê, os ouve e os acolhe e movido de compaixão os liberta."

A reflexão é de Rabeca Peres da Silva, leiga. Ela é graduada em teologia pela Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana - ESTEF (2004) e possui Mestrado em Teologia na área de concentração Bíblica pela Pontifícia Universidade Católica - PUCRS (2007). Atuou no Conselho Indigenista Missionário - CIMI na equipe de Porto Alegre (2005-2015). Atualmente é colaboradora do CIMI; participa de grupos de mulheres de reflexão e estuda sobre as mulheres na Bíblia.

Referências bíblicas
1ª Leitura - 2Sm 5,1-3
Salmo - 121,1-2.4-5 (R. Cf.1)
2ª Leitura - Cl 1,12-20
Evangelho - Lc 23,35-43

A liturgia da palavra deste domingo nos brinda com uma rica reflexão sobre a realeza de Jesus Cristo, o Crucificado-ressuscitado. Na primeira leitura menciona como Davi se tornou rei de Israel. Na segunda leitura aos Colossenses Jesus é apresentado como o rei de toda a criação. No evangelho, Lucas nos apresenta Jesus, um rei crucificado e redentor. Vamos à reflexão dos textos.

I Leitura- 2 Sm 5,1-3

Antes de a monarquia imperar em Israel, a organização político-religiosa e social era gerenciada pelas 12 tribos de Israel. Segundo I Sm 8, Deus não foi favorável à chegada da realeza, devido às corrupções e violências promovidas pelo poder do monarca.

Essa leitura de 2 Sm 5,1-3 nos fala do início do reinado do jovem Davi. Ele fez uma aliança com os anciãos, então eles o ungiram como Rei sobre todo o Israel. É bom recordar que Davi foi ungido Rei por causa da palavra de Deus que disse: “És tu que apascentarás meu povo Israel, és tu que quem serás o chefe de Israel”. Davi foi reconhecido pela história do povo de Deus como rei que promoveu o direito e a justiça para todo o povo (2 Sm. 8,15). Com o passar dos tempos os reinos do sul e do norte foram se corrompendo e se afastando da aliança de Deus. Para denunciar o abuso de poder e as infidelidades ao projeto de Deus, surgiu o profetismo em Israel. Deus suscitou no meio do povo profetas e profetisas. Essas pessoas tiveram como missão anunciar a vinda de um novo Ungido que reinasse com justiça trazendo esperança e paz na terra. As próximas leituras nos indicarão que em Jesus se cumpre essa profecia.

Vamos abrir uma brecha nesta reflexão para nos perguntar se havia rainhas na história do povo de Deus. Algumas bem conhecidas como Ester, Vasti, Jezabel, mas e as outras? Onde estão, e o que fazem? Como vivem? Por que algumas estão em silêncio?

No salmo 121,1-2, 4-5 o peregrino canta com alegria e celebra na casa de Deus, verdadeira realeza, porque ali acontece a justiça.

II Leitura Cl 1,12-20

Essa carta aos Colossenses 1,12-20 é atribuída a Paulo, à comunidade de cristãos que se encontram em Colossos, cidade da Ásia Menor. A comunidade cristã procura respostas para as ameaças de ideologias que colocavam em dúvida questões de fé. Qual é o lugar ou espaço de Jesus Cristo neste contexto de confusões que a comunidade passava? Além disso, como explicar que um crucificado poderia dar sentido à vida? Em resposta a essas interrogações Paulo escreve afirmando que “o Pai nos tirou das trevas e nos transportou para o reino do seu Filho Amado”. E é em Jesus Cristo que se realizam a nova criação e a restauração de todo o Universo.

Mas como é este reino do Filho amado? O poema nos diz que é de redenção, perdão, reconciliação e paz para todos os povos. É de unidade: Jesus é a imagem de Deus, nós também - mulheres e homens - somos imagem de Deus. Deus habita em nós e nós em Deus. Quem fere seu irmão, sua irmã, está ferindo a Deus. É de primazia, pois Jesus é o Criador e o primogênito de todas as criaturas, está acima de qualquer autoridade, está acima de toda lei injusta e de toda mentira. Seu sangue derramado na cruz trouxe salvação para todos. O seu poder é de amor e por amor. Jesus nos convida a anunciar o seu reino desde o cotidiano que vivemos.

Deus Pai e Mãe continua a nos chamar à conversão, ao perdão de nós mesmos e com nossos semelhantes, e também nos reconciliar com toda a criação. Nós somos chamados a cuidar da nossa casa comum. Somos chamadas e chamados a cuidar uns dos outros, comprometendo-nos em defender toda vida ameaçada. Não permitindo que a mãe-terra continue sendo explorada e tratada como mercadoria. Não permitindo a violência contra os direitos dos pobres, pois assim como o Filho amado nossa missão é de serviço e doação da vida em prol de toda criação. Pois assim é do agrado de Deus.

Lc. 23, 35-43

O evangelho de Lucas foi escrito por volta do ano 85 d.C. As comunidades viviam sob o domínio do Império Romano, que era marcado por guerras, perseguições, mortes e altas cobranças de impostos, muitas pessoas ficavam endividadas, sem terra e sem dignidade. No evangelho Lucas apresenta Jesus realizando sua missão no meio de pessoas pobres, doentes, mulheres marginalizadas, estrangeiros, pecadores e excluídos.

O texto de Lucas relata os momentos finais de Jesus vividos na cruz. Em seus momentos finais, Ele ouve expressões de zombaria ditas por chefes, soldados e, inclusive, um dos ladrões que foi crucificado. Mas Jesus também ouve expressões de piedade e de clamor, ditas especificamente pelo outro ladrão crucificado. E, apenas a este ladrão, Jesus dá uma resposta redentora.

O texto inicia no versículo 35: “O povo ficava aí, olhando”, incluindo mulheres e homens observando a crucificação. Percebemos que desde o início Jesus é, por três vezes, alvo de zombarias, o que se evidencia através da expressão “salva-te a ti mesmo”. Jesus ignora tais fatos, pois seu objetivo era salvar a todos, sua missão é a de dar sua vida até as últimas consequências, que é a morte, e morte de cruz. A provocação continua quando os chefes o interrogam, e, inclusive um dos ladrões, ao perguntar: “não és Tu o Cristo?” (Cristo, título messiânico do Eleito de Deus). Mais adiante, soldados afirmam ironicamente “se Tu és o rei dos judeus, salva-te a ti mesmo”.

E havia também um letreiro acima designando o motivo da morte de Jesus: “Este é o Rei dos judeus”. O titulo de rei é atribuído a alguém que tem autoridade total dentro de determinada área e pode transferir esse poder e autoridade a um sucessor.

No Novo Testamento, alguns reis apenas governavam com a aprovação das autoridades romanas, não tendo, portanto, a possibilidade de passar adiante as suas prerrogativas. Por ocasião da crucificação de Cristo, dois títulos lhe são conferidos, um religioso e um político. O título religioso - Messias - o Eleito por Deus, e o título político se refere à qualificação de Rei, Rei dos judeus. Somente Cesar é soberano sobre todo o império, e só ele pode conceder títulos de realeza para defesa de seus interesses. Portanto Jesus é considerado, pela elite dominante, um transgressor da lei, divina e política, entretanto, não o é para os seus discípulos e demais seguidores: os pobres e os excluídos pela sociedade da época.

Percebemos no diálogo final, como este ladrão arrependido reconhece Jesus como um Rei verdadeiro e misericordioso. E por isso, o defende dizendo ao outro ladrão: “Você não teme a Deus, nem sofrendo a mesma condenação? Quanto a nós, é justo, pois estamos pagando por nossos atos, mas ele não fez nada de mal”. E clamou a Jesus: “Lembra-te de mim, quando vieres no teu Reino”. Jesus responde “eu lhe garanto, hoje mesmo você estará comigo no paraíso”. A resposta de Jesus é de acolhimento, e evoca que ele é Soberano sobre todas as coisas, é o primogênito dentre os mortos. Jesus é anunciado, pelo profeta Isaías ( Is 42, 1; 49,7; 52, 13-15; 53) como o messias-servo resistente e manso perante as forças do mal.

Na festa solene do Cristo Rei do Universo os textos apresentados nos revelam o rosto misericordioso de Deus que vai ao encontro dos crucificados de hoje garantindo-lhes salvação. Nós cristãos, através do batismo, possuímos uma identidade única: nos tornamos sacerdotes e sacerdotisas, profetas e profetisas, reis e rainhas.

Jesus nos ensina a levarmos esperança aos que se encontram no leito da cruz desiludidos, depressivos, desprezados e humilhados em sua dignidade, garantindo-lhes que Deus os vê, os ouve e os acolhe e movido de compaixão os liberta.

Ser rei e rainha é seguir os passos do Rei crucificado e do servo que doa a vida para que outros tenham vida. É se comprometer na prática em viver seu reinado com amor e justiça. Com a graça de Deus, como poderemos recriar nossa casa comum? Como poderemos garantir um mundo melhor para nós e nossas futuras gerações? Como poderemos, no cotidiano, cuidar de nossas relações interpessoais?

Que o nosso compromisso com o batismo, guiados e guiadas pelo Espírito Santo, nos leve a ser coautores e coautoras da nova criação de Deus Pai e mãe. Que possamos caminhar confiante na esperança em Cristo Jesus, o Rei do universo que foi crucificado e ressuscitado por amor a nós. 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Solenidade Jesus Cristo, Rei do Universo - Ano C - No crucificado o rosto misericordioso de Deus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV