Quatro pontos da reforma da Previdência que vão prejudicar o trabalhador rural

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Junho 2019

Em entrevista, o deputado federal Paulo Teixeira mostra de que forma essa PEC pode prejudicar a aposentadoria rural.

A reportagem é de Katarine Flor, publicada por Brasil de Fato, 08-06-2019.

Os impactos gerados pela Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 6/2019 de Jair Bolsonaro (PSL) é um dos temas discutidos durante o Seminário Terra e Território: Diversidade e Lutas, realizado entre os dias 6 e 8 de junho na Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF), em Guararema (SP).

Durante o encontro, o deputado federal Paulo Teixeira (PT) listou pontos que podem “impedir a aposentadoria do trabalhador rural”.

1. Aumenta o tempo de contribuição das mulheres

“Hoje, o trabalhador rural se aposenta com 60 anos o homem e 55 a mulher. A reforma quer igualar homens e mulheres em 60 anos. Isso vai prejudicar a aposentadoria das mulheres”, explica. A proposta desconsidera o tempo de trabalho não remunerado realizado pelas mulheres.

Segundo dados divulgados pelo IBGE, em abril deste ano, as mulheres trabalham em casa o dobro do tempo dos homens. A situação ocorre mesmo que eles estejam desempregados.

2. Aumento do tempo de contribuição

Um segundo ponto destacado pelo parlamentar é o aumento do tempo de contribuição do trabalhador rural de 15 para 20 anos. “Esta medida vai impedir a aposentadoria de homens e mulheres, porque 20 anos de contribuição é um tempo muito grande para o trabalhador rural. Porque nem sempre ele está no momento da safra. O trabalhador rural pobre, muitas vezes, começa em serviços informais. Então, exigir 20 anos de contribuição vai impedir muitos trabalhadores rurais de se aposentarem”.

3. Mudança no cálculo de contribuição

O terceiro ponto ressaltado pelo deputado é a proposta de mudança no cálculo da aposentadoria. “A contribuição hoje se dá quando tem safra. O ano que não tem safra ou que não consegue comercializar os produtos não contribui ou contribui de acordo com a safra. Eles querem mudar agora e querem que o trabalhador rural contribua por cabeça com R$ 600 por ano. Portanto, você vai exigir do trabalhador que ele contribua quando ele não ganha nada”.

4. Mudanças no BPC

Outra proposta que afeta muito o trabalhador do campo é o Benefício de Prestação Continuada (BPC) que é pago àquela pessoa miserável que mora no campo ou na cidade. Eles também puseram o benefício dentro da reforma, aumentando a idade para obtenção do benefício de 65 para 70 anos. Ora, a gente sabe que muita gente no campo brasileiro não vive até os 70 anos”. O parlamentar avalia que esta seria uma forma de acabar com o benefício.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quatro pontos da reforma da Previdência que vão prejudicar o trabalhador rural - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV