O conceito de secularismo enquanto sinônimo de neutralidade já não funciona

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Os católicos ainda leem? Sinodalidade e a “Igreja que escuta” nesta era digital. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Estou obcecado pelo Evangelho. O Evangelho não é Religião. Artigo de José María Castillo

    LER MAIS
  • Tenho medo dos padres

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Junho 2018

“Jovens europeus parecem ser muito voláteis, um pouco confusos e geralmente inseguros”, afirma Séraphin Alava, sociólogo, em entrevista concedida a Anne-Bénédicte Hoffner, publicada por La Croix International. 28-06-2018. A tradução é de Victor D. Thiesen.

Séraphin Alava é sociólogo e professor de Ciências da Educação na Universidade de Toulouse. Alava coordenou o grupo de pesquisa Practicies - Partnership Against Violent Radicalization in Cities (Parceria Contra a Radicalização Violenta em Cidades, em português) que realizou uma pesquisa on-line em 12 países europeus, a fim de “compreender o fenômeno crescente da radicalização dos jovens”.

Na entrevista ele explica os resultados da pesquisa e as etapas que devem ser tomadas para melhorar a prevenção da radicalização.

Eis a entrevista.

Na pesquisa se verificou que a religião tem um lugar ambivalente em relação aos valores a que os jovens europeus dizem aderir. Em alguns países, a religião é 'importante', em outros, é 'muito importante', e, para muitos, é 'pouco respeitada’. Como é que esse paradoxo pode ser explicado?

A partir dos resultados gerais da pesquisa, percebemos que o tema da religião parece ser importante, sobretudo na Grécia, Polônia, Itália, Portugal e Irlanda. Da mesma forma há relevância do tema na Dinamarca, assim como na Alemanha e na França.

18% dos jovens europeus dizem que estariam dispostos a usar a violência para defender sua religião.

Estes jovens reconhecem a existência da religião e também reconhecem que ela pode ser um problema. Isso não chega a ser surpresa quando se trata da Europa, afinal este modo de pensar é quase um consenso.

A surpresa – se houver – vem do fato de que nós, franceses, tendemos a ver a Europa através de nosso próprio prisma: ou seja, o secularismo entendido como uma rejeição da religião.

Os jovens europeus se diferem porque consideram a religião como uma causa de radicalização ao lado de discursos racistas, xenofóbicos e de extrema direita.

Dizem-nos que a religião é um elemento importante na radicalização e que deve ser tratada com a mesma intensidade que os outros elementos.

De que forma alguns dos resultados de sua pesquisa são alarmantes para a geração mais velha?

Os valores defendidos por jovens são surpreendentes para aqueles que pertencem à geração "Maio de 68". Estes declararam "nem Deus, nem mestre" e "é proibido proibir".

Por outro lado, jovens de hoje podem ter "um Deus e um mestre". Em vários países eles expressam o desejo de ser "governados por um líder forte e independente".

55% também acha que é válido "limitar as liberdades individuais em alguns casos, como um estado de guerra ou em situação de ameaça terrorista".

Também aderem a valores que parecem conservadores para nós. Muitos deles acreditam que "jovens não respeitam suficientemente os valores tradicionais", particularmente, valores religiosos.

Mais da metade acredita que a pena de morte é "a pena mais adequada" para "certos crimes" e quase metade acredita que "o direito ao aborto deveria ser limitado".

Também deve ser dito que os jovens são conscientes da radicalização na sociedade e que estão preocupados com isso. 23% conhece alguém que considera ser ‘radical’, seja por razões religiosas ou políticas.

E, por mais que nos últimos 50 anos a radicalização separatista tem sido percebida como a principal ameaça para a segurança, para eles o maior motivo de medo são os ataques jihadistas.

Que estratégias você acha que são os mais úteis para evitar a radicalização potencialmente violenta?

Considerando a falta de confiança na mídia tradicional (72% prefere obter informações de "fontes alternativas" para “descobrir a verdade") e sua susceptibilidade às teorias de conspiração, jovens europeus parecem ser muito voláteis, um pouco confusos e geralmente inseguros.

Eles são menos propensos a votar em termos de uma cultura política, mas sim em reação aos acontecimentos. Também defendem um forte discurso orientado no sentido da segurança – e, até mesmo, movimentos populistas.

Estes jovens não estão desesperados. Estão questionando, se preocupando. Contudo, cada vez mais mal informados e excessivamente expostos a discursos de ódio que “incitam a ação violenta”, “racismo”, “jihadismo” e "antissemitismo" na internet, mas também em outros lugares.

Apenas 31% dos jovens europeus acreditam que o "os ataques de 11 de setembro ocorreram da forma que foram descritos pela mídia" e 7% acredita que "a terra é plana".

Acredito que nossos valores – direitos humanos, liberdade religiosa, nosso lema republicano – devem se tornar um assunto de educação e de debate, e não meramente de aprendizagem de regras. Não há nenhuma dúvida de que ainda não fazemos esforços suficientes para promover e defender aquilo que nos une e nos aproxima.

Todas as disciplinas devem ser envolvidas nesta causa, incluindo o ensino sobre a mídia e as ciências. Eu acredito que a questão da religião está novamente se tornando uma questão política, considerando a proporção da população que se define por sua religião.

Nosso conceito de secularismo enquanto sinônimo de neutralidade já não opera entre muitos jovens.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O conceito de secularismo enquanto sinônimo de neutralidade já não funciona - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV