Vitória do Brexit pode estimular separatistas no Reino Unido e Europa

Revista ihu on-line

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Giorgio Agamben e a impossibilidade de salvação da modernidade e da política moderna

Edição: 505

Leia mais

Mais Lidos

  • Maria Madalena segundo o cardeal Martini. A categoria do excesso

    LER MAIS
  • Pós-capitalismo: a dimensão sensível

    LER MAIS
  • A Igreja não pode permanecer prisioneira do Ocidente. Artigo de Rocco Buttiglione

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

24 Junho 2016

O resultado do plebiscito no qual os britânicos decidiram romper com a União Europeia também pode representar novas consultas populares dentro do próprio Reino Unido. 

O "Dia da Indepedência", anunciado pelo líder do Ukip, Nigel Farage, tão logo as urnas indicaram vitória irreversível do Brexit (nome dado à saída dos britânicos do bloco europeu), pode se estender à Escócia e à Irlanda do Norte. 

O comentário é de Fernanda Odilla, publicada por Portal Uol, 24-06-2016.

Nos dois países prevaleceu a maioria dos votos pelo "fica" e há a expectativa de que movimentos separatistas ganhem força. 

A Escócia, onde 62% da população votou contra o Brexit, pode ser o primeiro a levar a ideia separatista à frente. Membros do Partido Verde escocês já lançaram uma petição para examinar e exaurir toda opção para manter os laços com o bloco europeu. 

Nesta sexta-feira (24), Nicola Surgeon, primeira ministra da Escócia e um dos principais nomes do Partido Nacionalista Escocês, deixou claro que os escoceses "veem o próprio futuro como parte da UE". 

JK Rowling 

Uma das mais célebres escocesas, a escritora JK Rowling, autora de Harry Potter, nem esperou o anúncio do resultado oficial para escrever na rede social: "A Escócia vai buscar a independência agora. O legado de [David] Cameron estará quebrando duas uniões. Nem precisava acontecer.". 

Na Irlanda do Norte, o Brexit também foi derrotado por 62,9% dos votos. Mas, diante do resultado que prevaleceu em todo Reino Unido, o partido nacionalista Sinn Féin anunciou que o governo britânico "perdeu qualquer autoridade de representar os interesses políticos e econômicos da Irlanda do Norte. 

O efeito dominó separatista da UE também é esperado para outros países do bloco. Representante da ultra-direita holandesa, Geert Wilders, já declarou que o Brexit abriu precedente para o resto da Europa. 

Decisão histórica 

Numa decisão histórica que contrariou as principais pesquisas de opinião, 52% dos britânicos escolheram sair da União Europeia no plebiscito realizado na quinta-feira (23) - revertendo a própria decisão de ficar no bloco, feita em 1975 também por meio de uma consulta popular.

Desde que o bloco europeu, hoje com 28 países, foi criado em 1973, esta é a primeira vez que um dos seus membros decide sair. 

O resultado surpreendeu a maioria dos analistas e fez a libra despencar ao menor valor frente ao dólar em 31 anos. 

Apesar dos impactos econômicos imediatos, a decisão do Reino Unido não significa rompimento instantâneo. 

O Parlamento britânico precisa referendar a decisão do plebiscito e o Conselho Europeu precisa ser formalmente notificado para dar início às negociações do termo de saída. Estima-se que esse processo vai demorar dois anos. 

Ainda assim, o resultado muda o jogo político no Reino Unido. A disputa dividiu o Partido Conservador e expôs fragilidades no Partido Trabalhista

Também pode provocar um efeito dominó Europa afora, com outros países do bloco estimulados a debater a saída da UE na tentativa de negociar melhores acordos e conter o livre trânsito de pessoas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Vitória do Brexit pode estimular separatistas no Reino Unido e Europa