Escândalos no Vaticano: o que a crise no governo do Papa Francisco nos ensina

Revista ihu on-line

Pra onde ir - A crise do Rio Grande do Sul vai além da questão econômica

Edição: 510

Leia mais

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Mais Lidos

  • General Mourão passou a ser o menor problema

    LER MAIS
  • As Forças Armadas não agem contra o 'caos', mas são parte fundamental dele

    LER MAIS
  • A Igreja e a pedofilia. "É a realidade: chegamos tarde", constata o Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

06 Julho 2017

Os 100 dias entre março e julho 2017 representam a primeira crise no governo do Papa Francisco. Muitos casos se acumularam em rápida sucessão.

A reportagem é de Marco Politi, publicada por Il Fatto Quotidiano, 05-07-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A renúncia de Marie Collins da Comissão para a Proteção dos Menores, em março, o adeus repentino de um profissional de primeiro nível como Libero Milone do seu cargo de Auditor Geral das contas do Vaticano, o caso do neocardeal de Mali, Jean Zerbo, incapaz de explicar o destino de 12 milhões depositados em seu nome em bancos suíços, o brusco afastamento (que ninguém acredita ter sido provisório) do cardeal George Pell – membro do conselho da coroa dos nove cardeais que aconselham o papa e responsável pela Secretaria econômica da Santa Sé –, forçado a viajar para a Austrália para responder a acusações de abuso, a inesperada remoção do prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, cardeal Gerhard Ludwig Müller, a sua substituição à frente do ex-Santo Ofício pelo jesuíta Luis Ladaria, que se revelou signatário de um documento que convidava o bispo de Lucera a não escandalizar os fiéis com a notícia da renúncia do estado sacerdotal do padre pedófilo Gianni Trotta (que, aproveitando-se do silêncio, se tornaria treinador de um time juvenil de futebol, cometendo novos crimes).

É uma sobreposição de casos tão delicados que não podem ser tratados como episódios individuais que requeiram apenas uma manutenção de rotina. Chama a atenção que, nesse emaranhado, emergem duas questões cruciais, que atraíram imediatamente a atenção da opinião pública católica ou não, no início do pontificado, quando Francisco deu a entender que devia haver tolerância zero no que diz respeito aos abusos e total transparência nas questões financeiras. Os eventos, embora diferentes, de Collins, Pell e Ladaria remetem à questão de uma rigorosa estratégia de combate a abusos e conivências e às carências que se manifestaram nesse campo.

Os casos totalmente diferentes de Milone e Zerbo remetem à necessidade de uma política de transparência total nos assuntos econômicos não só do Vaticano, mas também das Igrejas católicas locais.

O caso Müller, no entanto, toca outra questão importante: a exigência de que, na Cúria, haja uma equipe para apoiar o “aggiornamento” defendido pelo pontífice argentino.

O ponto é que, no conjunto dos casos, surgiram disfunções no campo da gestão, e, portanto, é preciso uma reviravolta nas decisões papais.

Não há dúvida de que o caso Pell foi mal conduzido. Há muito tempo, levantaram-se rumores para que se evitasse que uma personalidade tão em vista do conselho restrito do papa fosse abalada por uma nova onda de acusações relacionadas com abusos encobertos ou cometidos. Em meados de junho, era conhecida nas altas esferas vaticanas a sua posição periclitante. “Pell tem esqueletos no armário nada insignificantes”, confidenciava-me um empregado vaticano.

Avisar os jornalistas às 4h da manhã sobre uma coletiva de imprensa a ser realizada no início da manhã mostra um modo de gerir “amadorístico”, escreveu a vaticanista Isabelle de Gaulmyn, do jornal católico francês La Croix. “A Igreja se move porque a justiça (estatal) se move.” Em vez disso, deveria ser o contrário. Não estava em jogo, aqui, o princípio da presunção de inocência, mas sim o princípio de precaução, que foi desatendido.

Mas a pergunta principal, também à luz do afastamento de Müller, diz respeito agora ao futuro próximo. Será feito ou não aquele tribunal especial ao qual podem se dirigir as vítimas de abuso quando houver bispos locais negligentes que não persigam os padres-predadores? E se dará ou não um papel eficaz à Comissão para a Proteção dos Menores, que não pode continuar sendo uma irmandade de reflexões, mas cujo único objetivo real deveria ser o de elaborar diretrizes obrigatórias para aquelas Conferências Episcopais que continuam enfrentando o problema da pedofilia com uma calma que beira a indiferença?

Segundo ponto, o dinheiro. Pell – na sua versão de supervisor dos orçamentos das administrações vaticanas – pode até ter sido um mau caráter. Mas ele tinha claramente na cabeça o objetivo de limpar a selva de comportamentos arbitrários, às vezes ilegais, na gestão financeira em curso nos vários setores da Santa Sé. Agora que foi embora o auditor geral das contas, Milone, como se pretende realizar uma linha de rigor e transparência?

Não esqueçamos que, há dois anos, descobriu-se que, na Apsa (que internacionalmente tem o papel de um banco central de Estado), foram encontradas contas cifradas em nome de um financista, à disposição de operações obscuras. Não esqueçamos que é inútil que a Autoridade de Informação Financeira traga à luz graves irregularidades, se, depois, quase nenhum dos autores é processado pelos tribunais vaticanos.

São pontos nodais que cabe a Francisco dissolver rapidamente. Pontos nodais que requerem soluções claras e eficazes, se se quiser dar novamente um impulso à ação reformadora sobre temas extremamente sensíveis.

E há uma última questão. A remoção de Müller, que sistematicamente era o contraponto à linha pastoral do Papa Bergoglio, traz novamente à tona a exigência de que o pontífice crie na Cúria uma equipe homogênea de reformadores em todos os níveis.

Até agora – em nome da máxima inclusão possível e do máximo respeito possível pelas nomeações feitas no seu tempo por Bento XVI – deixaram-se as cúpulas curiais em grande parte como estavam formadas na era de Wojtyla e Ratzinger. Mas uma Igreja a caminho, como Bergoglio quer, precisa de uma patrulha de condução animada pelos mesmos objetivos. Essas escolhas também cabem agora a Francisco.

Caso contrário, a máquina trava. E é possível ver com quais resultados.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Escândalos no Vaticano: o que a crise no governo do Papa Francisco nos ensina