O que escrevem os conselheiros religiosos de Trump ao Papa Francisco (em Civiltà Cattolica e outros)

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • O Sínodo nos ajuda a entender que a solução não está no Direito Canônico, mas na profecia

    LER MAIS
  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Agosto 2017

Os conselheiros evangélicos de Donald Trump escreveram diretamente ao Papa. Eles pedem uma audiência em Santa Marta a fim de esclarecer o conteúdo do artigo de Civiltà Cattolica do mês passado sobre os fundamentalismos americanos e tentar restabelecer com Francesco possíveis campos de trabalho conjunto entre protestantes e católicos. Uma iniciativa que parece ir além da defesa de "seu" presidente. Lembra mais a forma como, em determinados círculos, foi lido o ensaio de Antonio Spadaro e Marcelo Figueroa: um inesperado golpe (ou sua atualização) contra o diálogo ecumênico entre católicos e evangélicos. Justamente aquela galáxia de igrejas que o Papa Francisco olha com atenção especial, com a qual mantém relações de amizade e com a qual manteve encontros em várias ocasiões.

O comentário é de Andrea Mainardi, publicado por Formiche, 08-08-2017. A tradução é de Luisa Rabolini.


De Washington a Roma para fazer as pazes

A carta divulgada ontem pelo Time foi levada em 3 de agosto para a Arquidiocese de Washington e a outros intermediários para ser entregue a Bergoglio. Em nome de vários evangelicals, é assinada por Johnnie Moore, conselheiro religioso de Trump e membro da National Association of Evangelicals que representa cerca de quarenta denominações evangélicas e 45 mil igrejas dos Estados Unidos. "Ao invés de nos sentirmos ofendidos, optamos por tentar fazer as pazes. Estamos dispostos a pegar um avião amanhã para tentar criar um espaço de diálogo em vez de conflito", explica Moore. Na carta tecem-se elogios ao empenho de Bergoglio "para os pobres, os esforços para construir pontes e difundir a doutrina da misericórdia". No entanto, ele escreve, "num momento em que os cristãos são perseguidos como talvez nunca antes na história, estamos assistindo a uma operação que divide católicos e evangélicos". Para isso, ele pede um encontro, "para encontrar formas para que possamos cooperar em questões de grande preocupação para todos".


"Quem são eles para julgar?"

Em seu artigo, Spadaro e Figueroa tratavam de forma dura "um surpreendente ecumenismo entre fundamentalistas evangélicos e católicos integralistas, que compartilham o mesmo desejo de influência religiosa direta sobre a dimensão política". Um "ecumenismo do ódio" e do conflito, xenófobo e islamofóbico. Moore declara-se surpreso. Ele quase duvida de que o Papa compartilhe a opinião de alguns de seus colaboradores mais próximos. Em vez disso, explica ao Washington Post, imagina que no Vaticano exista "uma falha de compreensão e comunicação", e espera que o empenho do Papa para construir pontes se estenda até mesmo para aqueles que "na Igreja Católica e, em geral, entre os cristãos, não compartilham esta visão". No Twitter, Moore definiu o artigo de "incendiário". Então, parafraseando São Paulo: "Mas tu, por que julgas teu irmão? Por que desprezas teu irmão?".

  

A loura telepregadora que reza por Trump

O ex-vice-presidente da Liberty University, Moore, agora atua como porta-voz de alguns evangélicos que dialogam informalmente com Trump e representam um grupo religioso muito ativo entre os escritórios da West Wing desde janeiro. Entre eles, a telepregadora da Florida, Paula White. Com seu impecável cabelo loiro platinado, da Igreja Pentecostal de Orlando e das telas de TV, a pastora profere sermões e invoca orações de intercessão a quem quer que as peça. Incluindo o presidente. É considerada a verdadeira guia espiritual de Trump, que a conhecia desde 2002, e sua mentora nas passagens do evangelho da prosperidade. Em suma: é o exemplo perfeito da descrição de Spadaro de quem anuncia que "Deus quer que os crentes sejam fisicamente saudáveis, materialmente ricos e pessoalmente felizes". Enquanto, ao contrário, utilizam valores pro-life ou anti casamento homossexual como instrumentos de mobilização política.


O evangélico que ensina a Bíblia na Casa Branca

Do inner circle religioso também faz parte o ex-astro do basquete Ralph Drollinger, líder dos Capitol Ministries, grupo evangelical que oferece estudos bíblicos aos líderes políticos. Inclusive dentro da Casa Branca. Ele já havia tentado na Califórnia, mas o republicano e católico Arnold Schwarzenegger o colocou para fora dos escritórios da governadoria. Ele definiu o catolicismo como "a religião mais falsa do mundo". Em compensação compara Trump a Sansão.


Os amigos evangélicos de Francisco

Claramente satisfeito com o debate suscitado, não passa um dia sem que o padre Spadaro repasse trechos de seu artigo, retuitando os links aos comentários e análises que desde 13 julho, data de publicação do ensaio, somam-se às dezenas. Após as reações políticas pelo ataque às escolhas do governo Trump, a disputa está se movendo para um terreno ecumênico que poderia criar algum desconforto para Francisco. Claro, um dos autores do texto de Civiltà Cattolica, Figueroa, é por sua vez evangélico, pastor presbiteriano e amigo de longa data de Bergoglio que, pessoalmente, o indicou como diretor da edição argentina do L'Osservatore Romano. Há tempo Bergoglio mantém contatos com grupos evangélicos. Como Arcebispo de Buenos Aires e como Papa. Amigo de Francisco é Giovanni Traettino, pastor pentecostal de Caserta, que o Papa quis encontrara pessoalmente em uma visita particular em 2014. Traettino é considerado um pioneiro do diálogo entre os carismáticos protestantes e os carismáticos católicos. Duas correntes do fenômeno pentecostal que está experimentando um crescimento fenomenal: já atinge a casa dos milhões. Francisco olha para ambos com extremo cuidado. Nunca falta a um encontro da ‘Renovação do Espírito’, o grupo carismático católico mais difundido na Itália. Repetidamente recebe representantes evangélicos, incluindo os telepregadores norte-americanos defensores do evangelho da prosperidade. De acordo com o relatado de Brian C. Stiller, da World Evangelical Alliance, depois de um almoço em Santa Marta, Francisco teria dito a eles não estar interessado em "converte-los ao catolicismo" e que "se em muitos pontos da doutrina não concordamos, basta-nos apenas mostrar o amor de Jesus".


Novas formas de ecumenismo em construção?

A atenção de Francisco com o mundo evangélico e pentecostal, em especial, está, portanto, em contradição com a análise da Civiltà Cattolica? Realmente não. Pelo contrário, o ensaio parece mais uma despedida de uma fase da Igreja, a de João Paulo II e Bento XVI, quando, como observava há dois anos Massimo Introvigne, o encontro entre católicos e evangélicos ocorria no campo da defesa da liberdade religiosa, da vida e da família. A marca dessa forma de encontro inicia em 1994, com a declaração conjunta Evangélicos e católicos juntos. Foi assinada por líderes de primeira magnitude. Para os católicos, entre outros, os cardeais Francis George, John O'Connor e Francis Stafford. No texto, resposta preventiva à análise de Spadaro e Figueroa sobre o perigo de uma tentação teocrática de sujeitar o estado à Bíblia, afirmava-se "com força a separação entre Igreja e Estado", insistindo, no entanto, no princípio de que a fé dos cidadãos não deve ser excluída da vida pública e política.


Dos pro-life aos pró-ambiente

Os principais pontos de interesse no momento passam dos temas da defesa da vida e da família tradicional (que poderiam ser pontos em comum entre Trump e Bergoglio), para a imigração e o cuidado com o meio ambiente. E, neste âmbito, as diferenças entre a Casa Branca e o Vaticano são evidentes. Como a desconfiança em relação àqueles grupos que "consideram os Estados Unidos um país abençoado por Deus."


Conversões e tuitadas

Assim, enquanto o protestante Al Gore, ex-vice-presidente nos tempos de Bill Clinton, declara na CNN que também poderia se converter ao catolicismo por causa do testemunho do Papa Francisco, principalmente no âmbito da preocupação ambiental, o vice-presidente dos bispos norte-americanos, tuitando, solta o verbo. O arcebispo de Los Angeles, José H. Gomez, de origem mexicana, é oriundo da Opus Dei e é um conservador. Alinhado no que diz respeito à imigração com o Papa reinante, em uma sequência nada casual de tuitadas, em 2 de agosto último, parece replicar, sem citá-los, aos dois conselheiros de Francisco."É claro que a nossa identidade nacional deve ser moldada pelos valores do Evangelho", concede na abertura de sua manifestação. Depois, vai subindo de tom: "A promessa da América, o que ainda distingue este país de todos os outros, é o nosso compromisso para promover a dignidade humana e liberdade."

 

 

Os perigos, ataca, estão identificados "nas elites que querem eliminar a influência do cristianismo da nossa sociedade". Estes são tempos duros, analisa, e as nossas crenças estão "rotuladas como sendo de ódio e de intolerância pelo crime de acreditar no que Jesus ensinou".

 

 

 

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que escrevem os conselheiros religiosos de Trump ao Papa Francisco (em Civiltà Cattolica e outros) - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV