Trump derruba as fronteiras entre religião e política

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Vandana Shiva: “Temos de destruir o mito de que a tecnologia é uma religião que não pode ser questionada”

    LER MAIS
  • III Jornada Mundial dos Pobres: o papa almoçará com 1500 convidados

    LER MAIS
  • “Em um Brasil deserto de lideranças, Lula vai fazer a festa”, afirma o cientista político Jairo Nicolau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Fevereiro 2017

Donald Trump pisoteia a separação estadunidense entre Igreja e Estado. Na presença de dignitários e líderes espirituais, ele prometeu “destruir completamente” o chamado Johnson Amendment, que, desde 1954, estabelece e regula com clareza a fronteira entre religião e política.

A reportagem é de Marco Valsania, publicada no jornal Il Sole 24 Ore, 03-02-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A legislação proíbe organizações isentas de impostos, como as Igrejas e as instituições de caridade, de participarem, direta ou indiretamente, em campanhas eleitorais. Incluindo um convite do púlpito a votar a favor ou contra candidatos. Uma violação envolve a perda do direito às isenções fiscais

A lei foi proposta pelo então senador democrata Lyndon Johnson, do Texas, aprovada por um Congresso de maioria republicana e assinada por um presidente igualmente republicano, Dwight Eisenhower.

Mas ela é mal vista há muito tempo pela direita religiosa, que a denuncia sem sucesso no tribunal como uma limitação indevida à liberdade de expressão. Trump tinha se comprometido com o seu cancelamento durante a corrida à Casa Branca. Tal medida requer a intervenção do Congresso, mas, hoje, inúmeros republicanos radicais veem favoravelmente o “canetaço” contra uma herança laica já consolidada.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Trump derruba as fronteiras entre religião e política - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV