A Austrália aprova uma das leis ambientais mais ambiciosas do mundo

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Deus dos desgraçados. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Itália. Hospitais sem médicos: o governador da Calábria contrata 500 especialistas cubanos

    LER MAIS
  • A vida de Xi Jinping e as escolhas da China

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Agosto 2022

 

O país se compromete a reduzir as emissões de gases nocivos em 43% em relação aos níveis de 2005 até 2030, ou seja, em apenas oito anos.

 

A reportagem é de Enrico Franceschini, publicada por Repubblica, 04-08-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

A Austrália aprovou uma das legislações ambientais mais radicais do mundo para combater as mudanças climáticas. A resolução, aprovada com 89 votos a favor e 55 contra, empenha-se em reduzir as emissões de gases nocivos em 43% em relação aos níveis de 2005 até 2030, ou seja, em apenas oito anos.

 

Anthony Albanese, líder trabalhista de origem italiana eleito primeiro-ministro em maio passado, havia prometido uma política "verde" em defesa do meio ambiente e manteve seu compromisso: a lei apresentada esta semana é a primeira introduzida por seu governo desde que o parlamento de Canberra voltou a se reunir após a pausa que se seguiu ao fim da legislatura anterior.

 

A nação dos eventos atmosféricos extremos

 

O pacote de medidas contra os gases de efeito estufa dá força de lei às propostas eleitorais do Partido Trabalhista em uma nação-continente considerada a mais seca do planeta, que nos últimos anos sofreu uma série de crises devido a eventos atmosféricos extremos como resultado de mudanças climáticas, de incêndios incontroláveis a inundações em massa.

 

O ex-primeiro-ministro conservador Scott Morrison, derrotado por Albanese nas eleições de três meses atrás, e sua coalizão governista, que incluía o Partido Nacional Liberal, haviam sido criticados nos últimos anos por não fazer o suficiente contra a crise climática. Por ocasião da COP26, a cúpula internacional do clima em Glasgow em novembro passado, Morrison havia anunciado para a Austrália a meta de atingir zero emissões de carbono em 2050, mas em vez de legislar sobre o assunto, sugeria que fossem empresas privadas e consumidores a tomar a iniciativa para reduzir a poluição atmosférica.

 

Estudos sobre aquecimento de temperatura

 

Um relatório de cientistas australianos, produzido em março deste ano pela Academia de Ciências da Austrália, alertou que será "praticamente impossível" atingir a meta de limitar o aquecimento global a menos de 1,5 graus Celsius em relação aos níveis pré-industriais até 2100, conforme estabelecido pelos acordos climáticos de Paris.

 

O estudo, alinhado com outras análises científicas recentes, diz que o mundo está a caminho de um aumento médio da temperatura global de cerca de 3 graus Celsius se os compromissos assumidos para reduzir as atuais emissões nocivas não forem radicalmente alterados. O programa agora aprovado pelo Parlamento australiano é um passo nessa direção.

 

A Austrália é um dos países mais ameaçados pelas mudanças climáticas. E é também um dos casos em que a transição para fontes renováveis de energia promete ser mais difícil, pois é um dos maiores exportadores mundiais de carvão, grande parte do qual se destina à China.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Austrália aprova uma das leis ambientais mais ambiciosas do mundo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV